14 de jul. de 2021

O que podemos seguir aprendendo com os quilombolas e povos tradicionais?

Trecho extraído da entrevista de Itamar Vieira Junior concedida a Ana Cláudia Peres para a revista RADIS.

Itamar Vieira Dantas é autor do consagrado Arado Torto.

"Há muito tempo, li uma entrevista do meu amigo Ailton Krenak [líder indígena, ambientalista e escritor] — que é uma pessoa que admiro muito, um dos grandes pensadores contemporâneos desse país. Um repórter português perguntou: “O que a gente pode aprender com os povos originários?” E aí o Ailton disse: “Nós temos 500 anos de luta contra o impossível, contra aquilo que nos corrói, que nos destrói, e ainda assim estamos íntegros. A gente atravessou esse tempo com muita resiliência, com muita força e com muita vontade de lutar”. E eu acho que o que a gente pode aprender com os povos tradicionais é justamente essa relação mais harmônica com o ambiente, essa resiliência de viver com menos, de não ter gana pelo consumo desenfreado, de ter uma relação mais consciente com o ambiente e com o seu entorno, com recursos naturais. A Terra está em crise, numa crise violenta. Essa crise pandêmica tem origem no ambiente, ela acontece graças a degradação da natureza pelo homem. E a gente pode evitar isso, a gente pode viver num planeta melhor. Nesse sentido, acredito que os povos tradicionais têm muito a nos ensinar, basta escutá-los, basta ouvi-los".

Saiba Mais:


 

Leia Mais ►

22 de jun. de 2021

Bate-papo com Reninson Félix



RonPerlim e Reninson

Bate-papo entre o escritor Ron Perlim e o secretário de Cultura, Esporte e Juventude do município de Propriá, Sergipe, Reninson Félix.

Esse bate-papo aconteceu nesta secretaria em março de 2021.

O tema em discussão foi sobre o livro e a importância do vendedor.

Dentro desse contexto, Ron Perlim trouxe o autor independente como aquele que financia seu próprio livro e o vende.

Assistam a esse bate-papo:




 





Leia Mais ►

20 de mai. de 2021

Vossa Mercê

 

As mercês eram privilégios que o rei dava a seus súditos como forma de remunerá-los pelos seus serviços. Essas benesses podiam ser terras, em forma de sesmarias, cargos na administração local, postos militares, hábitos nas ordens militares, entre outros. De modo geral, esses títulos dotavam os vassalos de status político e social de suas localidades.


MARQUES, Dimas Bezerra et. al. História da escravidão em Alagoas: diálogos contemporâneos. Maceió: Edufal, Imprensa Oficial Graciliano Ramos, 2017. p.18.

Leia Mais ►

7 de abr. de 2021

Memórias de Um Menino Propriaense

Ron Perlim e Amorim. Ano de 2021.

Estive no lançamento do livro Um Batim nas Memórias de Um Menino Propriaense, do professor José Alberto Amorim. O evento aconteceu no dia 19 de fevereiro de 2021 no 12 Tênis Clube, Propriá, SE.
Para mim foi uma satisfação não só de participar do acontecido, mas fazer parte deste livro. Isso vocês podem verificar lendo o texto que escrevi para ele logo abaixo:

“Ao folhearmos este livro, ou até dizer, navegarmos por ele; encontraremos fatos e acontecimentos vividos pelo autor em períodos alternados de sua vida. Há em suas páginas coisas de menino, como as peladas, os banhos em nosso adorado Chico e outras brincadeiras. O livro, também, narra coisas da adolescência e as travessuras próprias dessa fase da vida. Nela, as paqueras não ficariam de fora e como elas são equidistantes dos dias atuais. Mas a narração não para por aí: há fatos históricos contados sem jargões ou clichês próprios da disciplina. Como, por exemplo, o Golpe de 64; manifestações culturais que trazem curiosidades desconhecidas de jovens e não mais lembradas por adultos, a exemplo das festividades do Bom Jesus dos Navegantes, o parque industrial de Propriá que era referência no Baixo São Francisco e importante para o Estado de Sergipe. E não poderia esquecer das pessoas citadas pelo autor com suas particularidades. E as comidas da região? Em suas páginas a gente se debruça em uma época que se foi, mas que permanece viva memória. Assim é o livro Um Batim nas Memórias de Um Menino Propriaense que estreia os escritos do professor Alberto amorim. O livro por si tem graça, história e História. São memórias resistentes, gravadas pelas retinas do autor e que pertencem, não mais a ele, mas a Propriá e ao seu povo. Certamente os leitores tirarão grande proveito dessa leitura”. 


Leia Mais ►

15 de fev. de 2021

Pequeno grande livro

 Por Antônio FJ Saracura, 06 de abril de 2013, revisto em novembro de 2020.

(...)

Laura é um pequeno grande livro. Diz-se infanto-juvenil mas serviu para mim, um setentão quase, de grande aprendizado. Não sei quais os ingredientes essências para que um livro caia no gosto infanto-juvenil. Talvez esses que Ronaldo utilizou sejam alguns, pois me senti muito mais novo lendo o seu livro.

Dona Laura, ao estilo tradicional do povo simples, conta ao sobrinho, histórias. Casos clássicos que o povo assumiu, ou situações da comunidade. Sempre fechando com lições de vida engrandecedoras. E entra o nosso folclore rico para ajudar, com o lobisomem, o fogo corredor, a cobra mamadeira, o caipora, o rasga-mortalha, o casamento da raposa, a mulher do padre... Botijas, visagens, assombrações (daquelas que divertem mais do que assustam)... Etc, etc, etc.

Há diálogos singelos entre os moradores da comunidade...

Há cenários pintados com mágicas palavras...

“Laura” é livro para se adotar nas escolas e se ler em família nas bocas de noite.

 Fonte: Antônio Saracura - Sobre Livros Lidos.  LAURA, Ronaldo Pereira de Lima. Acesso em: 15 fev. 2021.

 

Leia Mais ►

16 de jan. de 2021

Aquela professora

Morria de dor de ouvido. Pálida, inquieta, não teve alguém que soubesse de alguma erva medicinal ou algum fitoterápico. Sem aguentar as dores, correu para os braços do vereador Abreu. Este, quando a viu, fez cara feia. Mesmo assim teve o prazer em ouvi-la dizer:

— Abreu, você pode me levar até a unidade de saúde. Tô apulso!

Ele, raivoso, olhou para a cara dela. O não chegou até a ponta da língua, recolhendo-se assim que pensou na quantidade de votos da família de Sandra.  A possibilidade de ela ficar lhe devendo favor era muito grande e um motivo para passar na cara, caso precisasse.

Abreu foi ao quarto, vestiu uma camisa, balbuciou alguma coisa para a mulher, que não estava de cara boa, e trouxe a professora para a cidade. Ao chegar, deixou-a para ser atendida e saiu insatisfeito. Poderia estar com a sua caçula nesse momento, pensou. Na rua, encontrou com uma conhecida e lhe disse:

— Você acredita que eu tive que sair de casa para trazer a professora Sandra para a unidade de saúde? Dei quinhentos reais aquela infeliz no período eleitoral e ela ainda vem me perturbar uma horas dessas. 

A conhecida, estarrecida, perguntou:

— Você deu quanto mesmo pra ela?

— Quinhentos reais. Uma pessoa que nem precisa. Agora me responda: tenho alguma obrigação com ela?

Ao que a conhecida respondeu de imediato:

— Claro que não! Quem já se viu uma coisa dessas?

— Sabe quanto foi a minha eleição? Noventa e seis mil reais. Um ou outro é que votou por amizade. Mas a maioria vendeu o voto. Até meus amigos de cachaça me pediram dinheiro pra votar em mim. É mole uma coisa dessas?

— Por isso, meu amigo, que eu não vendo o meu voto. Só assim, posso falar o que eu quero quando vocês fazem alguma coisa de errado, que prejudique o povo.

Abreu fingiu não ouvir o último travessão. Continuou a falar, a criticar os eleitores.

 


Leia Mais ►

1 de jan. de 2021

Papo Cultural com Eleniwton Farias

O Papo Cultural, mantido por Eleniwton Farias, proprianse, Graduando de Teatro-Licenciatura, UFS (Universidade Federal de Sergipe) em uma live no dia 26 de dezembro de 2020 recebeu o escritor Ron Perlim.

Confiram a íntegra desse bate-papo interessante sobre vários aspectos da Literatura Nordestina, alagoana e sergipana.


Leia Mais ►