29 de nov. de 2019

Ron Perlim participa do Projeto de Leitura: A Arte de Contar História - II


Alunos da Cooperativa Educacional Criança Feliz

 
No dia em que Ron Perlim foi homenageado pelo Projeto Leitura: A Arte de Contar História, a Escola Cooperativa Educacional Criança Feliz, mantida pela Igreja Batista Tradicional, visitou o espaço onde havia livros do autor, capítulos materializados do livro A menina das queimadas e uma recepção calorosa das alunas Raissa e Mirella. Ron Perlim agradece não só ao alunos e professores daquela cooperativa, mas aos alunos e professores do Centro Educacional e da Escola Santa Terezinha que deixaram as suas salas para participar do evento e as demais pessoas.
Leia Mais ►

16 de nov. de 2019

Ron Perlim participa do Projeto de Leitura: A Arte de Contar História


O escritor Ron Perlim foi homenageado no Projeto Leitura: A Arte de Contar História no dia 14 de novembro de 2019 na cidade de Porto Real do Colégio, Alagoas. O evento aconteceu na Escola Municipal de Ensino Fundamental Profº. Ernani de F. Magalhães. Em sua homenagem, o livro A menina das queimadas, cujo enredo se passa na cidade de Cedro de São João, SE e narra as histórias de Zélia de Oliveira Rocha, falecida e sogra do autor, foi trabalhado em sala de aula e cada equipe foi responsável por um capítulo.
Raissa, Ron Perlim e Mirella

Assim que o autor chegou, foi recepcionado pelas alunas Raissa e Mirella. Elas citaram uma nota biográfica do autor, falaram da principal personagem (Zélia de Oliveira, sua sogra) e presentearam-no com uma plaquinha contendo a foto do livro. Ron Perlim percorreu todo o espaço, cumprimentou alunos, os parabenizou. Apreciou tudo o que viu: as maquetes da quermesse e da Lagoa Salomé, a exposição dos seus livros, a parte lúdica da cabacinha de ouro, o leilão de prendas, as vendedoras da bala queimada. 
Livros de Ron Perlim

Lagoa Salomé - Cedro de São João, SE.

Quermesse, Cedro de São João, SE.

Vendedora da bala queimada

Leilão de Prendas
Cabacinha de Ouro

Passado esse momento de reconhecimento dos capítulos do livro A menina das queimadas materializados, foi a sua vez de palestrar sobre a importância dos livros e da leitura. Iniciou a sua fala lendo para os alunos trechos do primeiro capítulo, onde se pode ler: 
Meu primeiro dia de aula
Eu vivia aperreando mamãe para que ela me deixasse estudar, mas ela não queria que eu estudasse, porque era para eu tomar conta da casa e de meus irmãos. Eu insistia, mas ela nem ligou para o que eu falava. Cortava o assunto e dizia:
Não me amole com essa conversa. Procure alguma coisa pra fazer, avi!
Triste, fui ao terreiro pedir a meu pai, mas ele dizia:
Resolva isso com sua mãe. Ela é quem sabe de sua serventia dentro de casa.
Eu já falei com ela. Mas ela não quer que eu vá estudar. Vá, pai! Deixe eu estudar!
Se sua mãe já decidiu, está decidido. Agora, deixe de me amolar e procure o que fazer!
Dito isso, me deu as costas e continuou os seus afazeres. Desesperada, recorri à minha avó que não colocou arrodeio. Ela pegou em minha mão, beijou a minha testa e disse:
Não se preocupe, minha filha. Vá para casa e fique sossegada. Quando eu voltar da missa, conversarei com seus pais e tirarei essa história a limpo.
(...)

Feito isso, dialogou um bom tempo com o aluno do Centro Educacional e de outras instituições mostrando para eles através de experiências pessoais e de terceiros o quanto a leitura e os livros são importantes para as nossas vidas. Encerrada a palestra, o autor que estava acompanhado da esposa e do filho, despediram-se dos responsáveis, agradeceram pela homenagem e saíram para participarem de outras manifestações culturais que aconteciam no local.
Índias Kariri-Xocó e família MarRon


Leia Mais ►

11 de nov. de 2019

Ron Perlim palestra no I Sarau Viajando na Leitura: Café com Letras

O escritor Ron Perlim esteve na noite do dia 08 de novembro de 2019 na Escola Estadual Joaquim de Oliveira Campos na cidade de Amparo do São Francisco a convite da coordenação daquele projeto. Foram exposta uma galeria de escritores mirins e uma exposição de seus livros. Houve declamação de poesias e peças teatral. Ron perlim achou interessante o projeto desenvolvido naquela escola. Aproveito a ocasião e falou para pais, parentes, amigos e as próprias crianças da importância do livro e da leitura.
 














Leia Mais ►

4 de nov. de 2019

Ron Perlim bate-papo com alunos da Fundação Bradesco

Ron Perlim esteve na escola de Ensino Fundamental e Médio Fundação Bradesco na manha do dia 04 de novembro de 2019, onde estudou nos meados dos anos 90, para bater papo com o alunado daquela instituição.
Ron Perlim fala do livro O povo das águas
Falou da importância que tem os livros para a vida, não somente de quem vive na escola, mas de todos. Deixou claro que o livro são guardiões do saber, das experiências de quem os materializa. Destacou que a leitura dos livros didáticos são para a vida profissional, enquanto os de ficção não é exclusivo dos clichês "Ler é bom", "Ler enriquece o vocabulário" e "Nos faz passear, viajar por outros mundos", mas destacou os benefícios que a leitura traz para a vida acadêmica, enriquecimento pessoal, ampliação do conhecimento e compreensão de coisas que acontecem...


Depois de falar da importância do livro e da leitura, a palavra ficou para quem dela quisesse fazer uso. E muitos alunos fizeram. O bate-papo foi agradável e útil. 

O evento foi encerrado com a entrega de premiação para os alunos que mais se destacaram com a prática da leitura.



Leia Mais ►

30 de out. de 2019

Quem eram os tipógrafos


A arte da impressão envolvia uma série de conhecimentos diferentes: mecânica para as prensas, fundição para as ligas, fabricação de papéis, formulação das tintas, técnicas de encadernação, conhecimento de diagramação, arte, além de muita cultura, conhecimento de outras línguas e escritas. Por tudo isso, os impressores, calígrafos e escribas era pessoas muito especiais e de grande importância na sociedade europeia. Constituíam uma elite de intelectuais que trabalhavam com as tecnologias mais modernas da época e não paravam de inventar máquinas, materiais e processos de fabricação. Mas também eram mestres da estética, pois o desenho das letras exige vastos conhecimentos de arte, desenho, geometria e estética. Para finalizar, nossos heróis eram pessoas de grande cultura, pois falavam, escreviam e criavam letras em várias línguas e escritas, não raro idiomas extintos. Por tudo isso, muitas vezes até as leis eram “adulteradas” em benefício dos artistas da letra.
A história de Francesco Griffo é um exemplo da importância dos tipógrafos na sociedade renascentista. Conta-se que Griffo desapareceu de circulação após ter matado seu genro em uma discussão familiar. Se a lei fosse aplicada, Griffo teria sido condenado à forca, por assassinado. Mas inexplicavelmente depois do sumiço de Griffo, muitas das fontes desenhadas por ele continuaram a aparecer no mercado. Uma das versões contadas é que, pela sua importância, Griffo não foi condenado à forca. Diz-se que seu nome foi mudado e ele continuou a viver na mesma casa, trabalhando em paz por muitos e muitos anos. Mas trabalhando em quê? Griffo, grifo, grifado. Pelo nome já deu para ver que a letra grifada ou itálica foi inventada por ele. Ou letra cursiva – cursiv, como chamam os alemães. Grifo não só inventou as primeiras letras itálicas como também entalhou os primeiros tipos itálicos desenhados por Aldus Manutius que, juntamente com Ludovico degli Arrighi da Vicenza (Vicentino), formavam o trio de mestres que lançaram as itálicas mais conhecidas.

HORCADES, Carlos M. A Evolução da Escrita: História ilustrada. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Senac Rio, 2007. pp. 56-57.
Leia Mais ►