10 de jan de 2019

Oprimidos - resultado de uma violência


Como poderiam os oprimidos dar início à violência, se eles são o resultado de uma violência?
Como poderiam ser os promotores de algo que, ao instaurar-se objetivamente, os constitui?
Não haveria oprimidos, se não houvesse uma relação de violência que os conforma como violentos, numa situação objetiva de opressão.
Inauguram a violência os que oprimem, os que exploram, os que não se reconhecem nos outros; não os oprimidos, os explorados, os que não são reconhecidos pelos que os oprimem como outro.
Inauguram o desamor, não os desamados, mas os que não amam, porque apenas se amam.
Os que inauguram o terror não são os débeis, que a ele são submetidos, mas os violentos que, com seu poder, criam a situação concreta em que se geram os “demitidos da vida”, os esfarrapados do mundo.
Quem inaugura a tirania não são os tiranizados, mas os tiranos.
Quem inaugura o ódio não são os odiados, os que primeiro odiaram.
Quem inaugura a negação dos homens não são os que tiveram a sua humanidade negada, mas os que a negaram, negando também a sua.
Quem inaugura a força não são os que se tornaram fracos sob a robustez dos fortes, mas os fortes que debilitaram.
Para os opressores, porém, na hipocrisia de sua “generosidade”, são sempre os oprimidos, mas, conforme se situem, interna e externamente, de “essa gente” ou de “essa massa cega e invejosa”, ou de “selvagens”, ou de “nativos”, ou de “subversivos” são sempre os oprimidos os que desamam. São sempre eles os “violentos”, os “bárbaros”, os “malvados”, os “ferozes”, quando reagem à violência dos opressores.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 64ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017. pp. 58-59.
Leia Mais ►

1 de jan de 2019

A entrevista


Eu toquei a campainha. Ninguém veio me atender. Então, notei que a porta estava entreaberta. Entrei silente, dei alguns passos e avistei o professor Lorenzo numa confortável poltrona. De face serena, degustava com ímpeto o cigarro e um livro. Nem se importava com a minha presença. Após alguns minutos, disse:
O que o traz aqui?
As suas teorias, professor.
O que quer saber?
Sua opinião sobre os últimos acontecimentos políticos?
Ora, os últimos acontecimentos políticos refletem uma sociedade que não sabe escolher. De uma população eleitoral dualista e doente.
O senhor poderia ser mais claro sobre o que seriam essas “escolhas ruins” e essa “população dualista e doente”?
É claro! A população eleitoral escolhe de forma ruim quando mercadeja o voto ou quando vota com raiva e por picuinha. Não leva em conta a vida pregressa dos candidatos, nem se dar conta que eles são empregados eletivos, inscritos na Previdência Social. É dualista porque exige ética, moral, justiça, combate a corrupção, mas compram objetos piratas, baixam músicas, filmes, livros, software protegidos por direitos autorais e não se incomodam com isso, valendo-se de vários pretextos para justificar as suas práticas ilícitas. Sem falar que no período eleitoral mercadejam o voto.
Nesse caso o eleitor brasileiro é um cidadão contraditório, que não aprendeu a exercer de forma adequada a cidadania. É isso que o senhor quer dizer?
Isso mesmo!
É necessário que essa população repense as suas práticas, seus conceitos e vícios. Entender uma coisa simples: eles não são eleitos por si, nem pelo poder que emana do povo. Eles são eleitos pelo poder econômico. Eles não representam ninguém e representam a si e os seus financiadores. Por isso, tantos escândalos. Por isso o impeachment e tudo o que ele representa.
Eles “não são eleitos por si”, mas “pelo poder econômico”. Quais os verdadeiros significados dessas frases?
Eles não são eleitos por si porque existem eleições a cada quatro anos. As “escolhas” são dos eleitores num suposto “poder” que vem do povo. O problema é que o voto da maioria não é coletivo, mas individualizado, mercadejado. Isso é demonstrado através do poder econômico onde o voto é simples mercadoria. Essa coisa de querer solucionar os problemas enxergando as tribunas, formular opiniões a partir de revistas, jornais tendenciosos, violência é um grave erro. O eleitor deve formular seus conceitos políticos observando o espaço onde ele vive e interage. Para isso é necessária uma reeducação política.
O senhor não acha que está trazendo a culpa e responsabilidade para a população eleitoral de todos os males que vêm acontecendo neste país, quando na verdade as classes dominantes sempre negaram aos cidadãos o direito a educação, a saúde e outros serviços públicos relevantes?
Esse argumento é válido em parte porque o voto é mercadejado em todas as classes, por diferentes níveis de escolaridade. Por exemplo: o que faz um estudante de direito fazer esquerdo, isto é, estampar, pedir voto para um candidato cuja vida política é fraudes e mais fraudes? Veja esses movimentos que se apresentam anticorrupção, mas dos outros.
Professor, sabemos que parte da população vive em condições precárias e, na maioria das vezes, torna-se o bode expiatório quando o mandato é ruim. Essa população precisa ser resgatada para que de fato, exerça a cidadania. Como resgatá-la politicamente?
Conhecendo-as, indo aonde elas estão. Ouvindo as suas angústias. Criando núcleos permanentes de reeducação política.
E como seria esses Núcleos de Reeducação Política?
Esses núcleos só seriam possíveis se houver um esforço gigantesco da sociedade civil organizada não alinhada ao pensamento neoliberal, criando práticas pedagógicas para reeducar as crianças a partir do ensino fundamental das escolas, sendo um contraponto aos vícios que elas trazem do seu convívio social.
Para concluir esta entrevista, o senhor tem algo para acrescentar?
Eu quero deixar claro o seguinte: eu não estou levantando um estandarte para as práticas ilícitas, mas questionar o eleitor que critica, cobra; depois barganha, depois reclama, depois compra produtos piratas, baixa filmes, músicas e pratica outras coisas ilícitas e percebe que eles são o espelho de quem os elege. Será que iremos justificar a prática da corrupção recorrendo a um discurso histórico que não mais convence? Ou a Freud, como tem gente apontando nessa direção?
E a minha contribuição para o combate efetivo da corrupção é a criação desses núcleos. É claro que o efeito não virá de um dia para a noite, mas trará resultados positivos. Acredito nas crianças e na capacidade de elas aprenderem que o voto é um bem intangível e por isso, não deve ser tratado como bem de consumo.
Me calei. Sem argumento, agradeci pela entrevista, estendi a mão para ele e fui com a certeza que aquele homem me fez repensar as minhas opiniões. E tem mais: não havia mácula na vida dele, nem era simpatizante de algum partido político.
Leia Mais ►

17 de nov de 2018

Assim que ele se foi, eu também me fui

Uma criança de cabelos crespos, sem camisa e de short preto sacudiu o meu braço, me pediu moedas, fazendo-me abrir os olhos. Aquela criança barriguda, de braços finos, descalça e com uma remela no olho direito; fez-me perceber pela primeira vez a face nua de alguém.
Tive ternura e aversão, mas continuei a monologar, me esquecendo por alguns instantes dela. O menino não desistiu de mim, nem se dobrou a minha indiferença. Era um filho da rua que resistia a um homem que não estava num de seus melhores dias, sem saber quem era.
Não dei o que ele me pediu, mas aquela voz falida me entrou pelos olhos. Fiquei envergonhado porque estava sem dinheiro, fazendo-o esperar. Assim que percebeu, saiu me olhando de soslaio, me achando estranho ou louco, quem sabe. A minha estranheza tinha nome, idade, tamanho. Isso ele nunca saberia. E a minha estranheza, com o passar dos dias, tomava outro rumo.
Assim que ele se foi, eu também me fui.
Leia Mais ►

8 de nov de 2018

O autor fala de sua obra: O povo das águas



Como nasceu o livro O povo das águas?
O livro O povo das águas simplesmente me veio, não como uma inspiração divina, mas como uma releitura dos mitos e lendas que povoaram a minha infância e a real situação do Rio São Francisco. Vê-lo perecer pelo assoreamento é melancólico. Quando a ideia me veio, pensei: como reagiria o povo do rio? Então, pensei numa revolução. Pensei nos mitos e lendas como pessoas diferentes que, por saberem o histórico de violência das pessoas preferiu um humano para falar-lhes em seu nome.
Do que fala o livro?
O livro O povo das águas conta a história de dois mundos: o mundo do povo do rio, representado pelo conselho das águas presidido pelo Nego d’Água na Pedra do Meio e o mundo humano, representado pelo pescador Cíbar. Esses mundos se encontram quando o conselho permite o encontro da Mãe d’Água com Cíbar. Esses mundos têm situações de opressão semelhantes porque ambos dependem do Velho Chico para sobreviverem. É claro que esse encontro causa espanto em Cíbar, que logo se acostuma com seus novos parceiros de luta.
De forma simplificada, o livro trata do folclore ribeirinho, da política local, estadual e nacional, do Rio São Francisco e do assoreamento.

P.S.: Comentários sobre o livro e o primeiro capítulo estão disponíveis neste endereço: https://sites.google.com/view/opovodasaguas.
Leia Mais ►

14 de out de 2018

Feira Cultural em Porto Real do Colégio

Anita
O escritor Ron Perlim esteve na I Feira de Cultura da Escola Municipal Centro Educacional Professor Ernani de Figueiredo Magalhães, em Porto Colégio do Colégio realizada nos dias 02 e 03 de outubro de 2018. O evento foi organizado pela direção, coordenação, orientadores, professores e alunos, em parceria com a secretaria de Educação e Prefeitura Municipal.

O autor visitou todas as salas expositoras. A que mais chamou a atenção dele foi a sala que continha as obras dos artistas colegienses, onde ele se incluía. Havia obras de Rôndone Ferreira, Orlando Santos, Múcio Niemayer, Antônio Januário, Antônio Jorge Maia e Flauberto Soares. A disposição das obras chamava a atenção de quem logo entrava na sala.


Para homenageá-lo, expuseram seus livros numa mesa e transcreveram o poema A menina que passa. A aluna Anita  era quem falava da biografia de Ron. Na parte lateral esquerda da sala fizeram um painel grande com a frase que Ron Perlim mais gosta: “Se eu não sonhar os meus sonhos, quem os sonhará por mim”, onde outra aluna explicava para as pessoas que era preciso sonhar e nunca desistir daquilo que se quer.

Anita explica quem é Ron Perlim




Leia Mais ►