14 de mar de 2019

A pequena e a grande corrupção

Em um de seus livros, Plínio de Arruda Sampaio disse que [1]há dois tipos de corrupção, a grande e a pequena; mas que as duas são igualmente perniciosas e imorais, mas que não podem ser combatidas da mesma maneira.
A grande corrupção, mencionada por Plínio, é a que aparece no estardalhaço midiático envolvendo governos federal, municipal, estadual, distrital, políticos, servidores, particulares e heróis que não são de gibis, mas dos que somente enchergam a corrupção do outro.
Não é objeto deste artigo destaca-la, pois, a grande mídia se encarrega de fazê-la; utilizando-se da opressão publicitária, mexendo com os sentimentos alheios, fazendo muita gente acreditar em meias verdades. Foi assim com Lula, a prisão coercitiva e agora com a pirotecnia do powerpoint de Dallagnol.
Irei, no entanto, me ocupar da pequena corrupção, especificamente aquela que está entrelaçada ao contexto eleitoral, seja em campanhas ou em mandatos. Ela é ignorada pela grande mídia, pelo Judiciário e pelas instituições. Ignorada porque nada se faz de forma efetiva e eficaz para combatê-la.
Eu costumo chamar a pequena corrupção de comércio eleitoral. Ela é a espinha dorsal da grande corrupção, isto é, o que se pratica nos municípios do nosso país, de forma intensa ou não. Ele é caracterizado pela troca de voto por bens tangíveis (espécie de escambo), intangíveis (favores) e pela compra de voto (quando o eleitor prefere em espécie). Em minha escrita costumeiramente denomino esse conjunto de comércio eleitoral. Muitos justificam essa prática alegando que “o erro já vem de Brasília”, esquecendo-se que os que estão em Brasília não são eleitos por si.
É necessário que aqueles que queiram mudança procurem compreender o funcionamento do sistema, deixando de lado as ácidas críticas que para nada servem, e servem: para distanciar cada vez mais o cidadão de exercer os seus direitos políticos e dar espaço para coisas que acontecerem este ano, por exemplo, o dia 17 de abril.
Precisa o eleitor brasileiro fazer uma releitura da forma como o político é eleito. E essa releitura deve ser feita partindo do comércio eleitoral de base. Não é revoltando-se, esquivando-se que a coisa vai mudar. Não é discriminalizar a política, partidos, pessoas que as coisas serão resolvidas.
Precisa acabar com essa mania de enxergar a Política a partir das tribunas, das matérias de jornais, revistas, blogs e outros meios; fazendo dela inimiga da sociedade. É necessário conhecê-la na prática para que não se dê espaço para regimes ditatoriais e fascistas.
A mudança tem que vir da base e a base são os municípios, matrizes de todos os candidatos. E o que é que precisa ser mudado? As pessoas. Estas precisam mudar a forma de escolher. Enquanto essa mudança não acontece, as páginas impressas e online sempre trarão a prática da corrupção para as nossas vidas, expondo como muitos dos eleitos tratam-na com naturalidade e o povo com desdém.
É preciso espalhar uma maneira nova de pensar a política, não a partir do que nos oferece a grande mídia e os seus interesses escusos, mas a partir da realidade de cada município. Enquanto isso não acontece, é ilusão achar que “Todo poder emana do povo”.

Leia Mais ►

Os especialistas em suicídio

Tenho lido com certo desconforto “especialistas” que aparecem nas redes criticando de forma agressiva e desumana pessoas que cometeram suicídio ou estão depressivas.
Pessoas que se comportam dessa forma são insensíveis, tolas, prepotentes. Não desenvolveram a empatia, nem fizeram leituras aprofundadas dessa melancólica condição humana.
Ninguém é suicida de um dia para o outro. Tudo tem uma origem, um meio e um fim. As causas que levam uma pessoa ao suicídio são complexas, envolvem muitos aspectos da história psicossocial dela.
Quando você ouvir ou ler coisas negativas tratando desse assunto, não seja um ventríloquo, nem dê importância para elas. O melhor caminho é compreender. E só se compreende estudando, perguntando a quem de fato se dedica ao tema.
Eu, que não sou especialista, nem me atrevo a ser nas redes; li a Inteligência Multifocal do Dr. Augusto Cury e ampliei o meu entendimento sobre o suicida. As pessoas que se acham, que se sentem uma fortaleza, que vociferam sobre isso; deveriam pousar suas línguas, seus pensamentos. Refletir sempre é bom para a alma e o corpo.
Leia Mais ►

11 de mar de 2019

Pássaros do entardecer


Hoje estive com Saracura, da Academia Sergipana de Letras, para discutirmos sobre o seu novo livro, "Pássaros do Entardecer" (título provisório). Um cheio de belas histórias dos migrantes itabaianenses, simbolizado pelo "caixão de Europas". Uma leitura humorada e ao mesmo tempo, séria. Recomendo!

Saracura e a família Marron

Revendo trechos do livro "Pássaros do Entardecer".
Leia Mais ►

21 de fev de 2019

Clara e o cais

Eu me levantei do batente de casa, peguei o boné, botei-o na cabeça e saí. Quando já ia na calçada da vizinha, ouvi quando uma voz fraca se perdia e os fonemas se espalhavam ao vento.
Era Clara que evocava o meu nome. Assim que se aproximou, me cumprimentou com um sorriso. A boca, avermelhada de batom e as pestanas arqueadas, estavam abertas para a vida e o amor. Peguei em sua mão. Era cetinosa. Convidei-a para tomar sorvete. Ela topou, sem objeção.
Depois do sorvete, ela se ia rebolando. Os seios túmidos arrancavam olhares dos curiosos. Faceira, ia solta pela rua. Os cílios dos curiosos só pararam de pousar depois que ela sumiu completamente na esquina da rua.
E da esquina ela foi na ponta dos pés toda clara para a beira do cais. Ela gostava de ver as ondas. Neste dia, Clara saiu para o amor e não para as ondas. O amor que fica no cais. Mas nesta noite a bela se apagou. Ninguém sabe quem roubou a luz dela.
Lembro-me da doçura de Clara quando mexia com os meus olhos e meus pulsos. Quando aquela boca cetinosa se abria para a minha, avermelhada, dona de mim. Ela, a quem eu dedicava meu pequeno amor, agora, estava em alguma seção policial levada pelo vento.
Leia Mais ►

1 de jan de 2019

A entrevista


Eu toquei a campainha. Ninguém veio me atender. Então, notei que a porta estava entreaberta. Entrei silente, dei alguns passos e avistei o professor Lorenzo numa confortável poltrona. De face serena, degustava com ímpeto o cigarro e um livro. Nem se importava com a minha presença. Após alguns minutos, disse:
O que o traz aqui?
As suas teorias, professor.
O que quer saber?
Sua opinião sobre os últimos acontecimentos políticos?
Ora, os últimos acontecimentos políticos refletem uma sociedade que não sabe escolher. De uma população eleitoral dualista e doente.
O senhor poderia ser mais claro sobre o que seriam essas “escolhas ruins” e essa “população dualista e doente”?
É claro! A população eleitoral escolhe de forma ruim quando mercadeja o voto ou quando vota com raiva e por picuinha. Não leva em conta a vida pregressa dos candidatos, nem se dar conta que eles são empregados eletivos, inscritos na Previdência Social. É dualista porque exige ética, moral, justiça, combate a corrupção, mas compram objetos piratas, baixam músicas, filmes, livros, software protegidos por direitos autorais e não se incomodam com isso, valendo-se de vários pretextos para justificar as suas práticas ilícitas. Sem falar que no período eleitoral mercadejam o voto.
Nesse caso o eleitor brasileiro é um cidadão contraditório, que não aprendeu a exercer de forma adequada a cidadania. É isso que o senhor quer dizer?
Isso mesmo!
É necessário que essa população repense as suas práticas, seus conceitos e vícios. Entender uma coisa simples: eles não são eleitos por si, nem pelo poder que emana do povo. Eles são eleitos pelo poder econômico. Eles não representam ninguém e representam a si e os seus financiadores. Por isso, tantos escândalos. Por isso o impeachment e tudo o que ele representa.
Eles “não são eleitos por si”, mas “pelo poder econômico”. Quais os verdadeiros significados dessas frases?
Eles não são eleitos por si porque existem eleições a cada quatro anos. As “escolhas” são dos eleitores num suposto “poder” que vem do povo. O problema é que o voto da maioria não é coletivo, mas individualizado, mercadejado. Isso é demonstrado através do poder econômico onde o voto é simples mercadoria. Essa coisa de querer solucionar os problemas enxergando as tribunas, formular opiniões a partir de revistas, jornais tendenciosos, violência é um grave erro. O eleitor deve formular seus conceitos políticos observando o espaço onde ele vive e interage. Para isso é necessária uma reeducação política.
O senhor não acha que está trazendo a culpa e responsabilidade para a população eleitoral de todos os males que vêm acontecendo neste país, quando na verdade as classes dominantes sempre negaram aos cidadãos o direito a educação, a saúde e outros serviços públicos relevantes?
Esse argumento é válido em parte porque o voto é mercadejado em todas as classes, por diferentes níveis de escolaridade. Por exemplo: o que faz um estudante de direito fazer esquerdo, isto é, estampar, pedir voto para um candidato cuja vida política é fraudes e mais fraudes? Veja esses movimentos que se apresentam anticorrupção, mas dos outros.
Professor, sabemos que parte da população vive em condições precárias e, na maioria das vezes, torna-se o bode expiatório quando o mandato é ruim. Essa população precisa ser resgatada para que de fato, exerça a cidadania. Como resgatá-la politicamente?
Conhecendo-as, indo aonde elas estão. Ouvindo as suas angústias. Criando núcleos permanentes de reeducação política.
E como seria esses Núcleos de Reeducação Política?
Esses núcleos só seriam possíveis se houver um esforço gigantesco da sociedade civil organizada não alinhada ao pensamento neoliberal, criando práticas pedagógicas para reeducar as crianças a partir do ensino fundamental das escolas, sendo um contraponto aos vícios que elas trazem do seu convívio social.
Para concluir esta entrevista, o senhor tem algo para acrescentar?
Eu quero deixar claro o seguinte: eu não estou levantando um estandarte para as práticas ilícitas, mas questionar o eleitor que critica, cobra; depois barganha, depois reclama, depois compra produtos piratas, baixa filmes, músicas e pratica outras coisas ilícitas e percebe que eles são o espelho de quem os elege. Será que iremos justificar a prática da corrupção recorrendo a um discurso histórico que não mais convence? Ou a Freud, como tem gente apontando nessa direção?
E a minha contribuição para o combate efetivo da corrupção é a criação desses núcleos. É claro que o efeito não virá de um dia para a noite, mas trará resultados positivos. Acredito nas crianças e na capacidade de elas aprenderem que o voto é um bem intangível e por isso, não deve ser tratado como bem de consumo.
Me calei. Sem argumento, agradeci pela entrevista, estendi a mão para ele e fui com a certeza que aquele homem me fez repensar as minhas opiniões. E tem mais: não havia mácula na vida dele, nem era simpatizante de algum partido político.
Leia Mais ►

17 de nov de 2018

Assim que ele se foi, eu também me fui

Uma criança de cabelos crespos, sem camisa e de short preto sacudiu o meu braço, me pediu moedas, fazendo-me abrir os olhos. Aquela criança barriguda, de braços finos, descalça e com uma remela no olho direito; fez-me perceber pela primeira vez a face nua de alguém.
Tive ternura e aversão, mas continuei a monologar, me esquecendo por alguns instantes dela. O menino não desistiu de mim, nem se dobrou a minha indiferença. Era um filho da rua que resistia a um homem que não estava num de seus melhores dias, sem saber quem era.
Não dei o que ele me pediu, mas aquela voz falida me entrou pelos olhos. Fiquei envergonhado porque estava sem dinheiro, fazendo-o esperar. Assim que percebeu, saiu me olhando de soslaio, me achando estranho ou louco, quem sabe. A minha estranheza tinha nome, idade, tamanho. Isso ele nunca saberia. E a minha estranheza, com o passar dos dias, tomava outro rumo.
Assim que ele se foi, eu também me fui.
Leia Mais ►