Mostrando postagens com marcador Crônica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Crônica. Mostrar todas as postagens

20 de set de 2018

Geraçao do grito


Crianças e adolescentes correm, gritam, gritam e gritam em frente da casa por pirraça. Na maior algazarra, xingamentos e confusão entre eles; nos impedem de ler, conversar e ouvir música.
Volta e meia comentava dentro de casa:
Que meninos chatos! Como gritam! Acho que é de propósito que eles fazem isso.
Parece que sim, respondeu minha mulher do computador.
Cansado de pedir para que eles brincassem sem fazer tanto barulho, fui surpreendido várias vezes com boladas na porta e na garagem. Irritado, dei-lhes umas broncas, fazendo-os se dispersarem. Mas eles voltavam no outro dia com ímpeto, fazendo a minha vizinha da frente assistir à novela preferida no quarto. Eu não iria me por de joelhos para eles.
Incomodado, não organizaria a minha mudança. Então, dei-lhes novamente broncas e mais broncas até que um deles arguiu, dizendo:
A rua é pública.
Eu repliquei:
É pública, mas vocês não têm o direito de usar o espaço público para incomodar.
Ouvi vaias e porrotes.
No outro dia, no mesmo horário, eles voltaram. Sem aguentar as bombas juninas fora de época, a vizinha estourou: “Saiam da minha porta, se não, vou para o promotor”.
A ameaça dela surtiu efeito. Pouco a pouco eles se dispersaram.
Eles deram um tempo e quando retornaram, vieram encapetados. É provável que vieram assim motivados, até porque um deles disse em alto e bom som:
Eu sou criança e o Estatuto da Criança me protege.
Eu repliquei:
O Estatuto protege a criança e o adolescente, mas não manda vocês virem para a porta das pessoas para fazerem bagunça. Só prá vocês saberem: eu tenho três exemplares aqui. Quem de vocês querem um de presente?
Todos eles se calaram, teimando, teimosos. Não tive alternativa a não ser filmar, gravar, fotografar a rebeldia deles, fazer um relatório e denunciá-los ao Conselho. Houve pais que esbravejaram, aquietando-se depois.
Se fossem respeitosos não precisariam de nenhum adulto dando palpite em suas criancices, muito menos de um Conselho.

Fonte: https://blog.aplacc.org.br/ronperlim/2018/08/28/geracao-do-grito/. acesso em 20/07/2018.
Leia Mais ►

15 de jul de 2018

As acácias me traíram

Acácia Rosa
Tem dias que a gente precisa de ar fresco e um lugar bacana para ir. Foi num desses que eu larguei tudo e fui à Praça Assis, por ser ampla e ter muitas acácias. Eu adoro as acácias!
O perfume delas me trouxe alguém das profundezas. Alguém que eu achava que havia esquecido. Aída pululava os meus pensamentos e eu não queria viver aquele drama que se arrastou em mim por algum tempo. Seria eu uma cobaia nas mãos de Cupido? Não sei dizer. Sei que o perfume das acácias me traiu, trazendo-me lembranças que não queria.
Ali, na praça, atordoado, não me livrei de mim. Me debatia, buscava freneticamente algo que me socorresse daquelas lembranças que causavam calafrios.  Eu não queria reviver tudo de novo.
Tudo isso foi um engodo da alma porque o olfato me fez pensar o tempo todo em Aída contra a minha vontade. Alojou-se, tomou posse. Nem mesmo as garotas com quem saí, delicadas e suaves, foram suficientes para impedir a fúria com que as lembranças me viam.
Cansado das acácias, fui andando, fui estranho. Era preciso se recompor, era preciso se reorganizar.
Mais adiante, longe delas, eu me recolhi de tal forma que o tempo foi indo, sem que eu percebesse. Quando me dei conta, pés e mãos viam de todas as partes.
Naquele momento, ninguém apareceu para quebrar a minha dor. Até porque na dor já não há mais alento. Naquele dia eu deixei as acácias e não tinha mais certeza se as queria por perto.

Leia Mais ►

26 de abr de 2018

Tem que ter uma ruptura


Ele estava em minha frente, sentado, e com um livro a sua esquerda. Como a mente não aprecia a solidão, foi logo conversando uma coisa ali, outra acolá. Nisso, tocou em política. Política é um assunto que ultimamente muita gente não tá sabendo conversar, outras estão enojadas e mais outras preferem não opinar.

Iniciou a sua fala pregando a ruptura, ou seja, regime militar. Para ele seria o ideal para a ocasião; mas sem convicção formada. Era mais um dizendo as coisas pela força da revolta. Quando ele repousou a língua, eu tomei a palavra e lhe disse: Não acho que a ruptura seja uma boa ideia. Ele me interrompeu. A sua língua repousou novamente. Ai eu continuei: Quero dizer a você porque discordo, não relatando fatos históricos; mas o que vivi quando criança. Quando eu e os amigos brincávamos na rua, tinha um delegado que, quando apontava na esquina, a gente já sabia: tinha que pegar a bola e correr. Sabe por quê? Porque era costume dele cortar ao meio as nossas bolas com uma faca.

Não tendo o que dizer, mudou de assunto. Disse que esteve na Caixa outro dia e viu os servidores de barbicha, cabeleira e tatuado. Para ele, aquelas pessoas não deveriam estar ali. Elas não estavam de acordo, apresentável. A minha resposta foi esta: Estamos em outro tempo. As coisas e as pessoas mudaram. Ele insistia que aqueles servidores não estavam apresentáveis, que deveria acontecer uma ruptura.

Em seguida, fez duras críticas aos alunos da rede pública e os qualificou como maconheiros, que não tavam nem aí para os estudos e que fazia medo até aos professores. Para ele, era necessária a presença da polícia nas escolas para coibir o mal que está se alastrando pelo país.

Reclamou que a família estava desestruturada e que não era obrigação da escola educar. A escola era um mero passador de conteúdo. Apegou-se a isso, desconsiderando a formação social do nosso país de abandono e exclusão.. Exaltou a educação no tempo do regime, mas eu não dei importância para isso. Eu sabia que o regime não foi grande coisa na educação.

De face atordoada, ele se foi. Quase era atropelado por uma bicicleta. Disse impropérios ao ciclista e finalmente sumiu da minha vista, ao virar na esquina.

Falou muito. Ouviu pouco. Pensa menos.



Leia Mais ►

25 de fev de 2018

Bença


A gente vinha de Aracaju. Eu estava cansado, mas o jeito agradável de minha mulher me mantinha atento ao ir e vir da rodovia. Nos aproximamos de uma cidade, cujo nome não me recordo. A primeira coisa que avistamos após a lombada foi um aglomerado de barracas disformes. A frente delas os afrodescendentes vendiam milho cozido e assado. 

Minha mulher me olhou e disse: 

— Me deu uma vontade de comer milho!

Eu estacionei o carro e logo fomos atendidos por uma senhora simpática que nos chamou de “bença”. Essa era a maneira de ela se aproximar dos clientes. Eu era uma bença e todos os que compravam a ela eram também. Enquanto eu pensava nisso, minha mulher gracejava com a vendedora. Esta, graciosa que era, estava de olho na freguesia e, para não perder tempo foi direta:
— Bença, faço três espigas por cinco reais.
Minha mulher não fez objeção. Aceitou a proposta dela. Quando estávamos prestes para irmos embora, ela fez uma pausa e disse:

— Minha bença, voltando-se para a minha mulher.
 — Da próxima vez eu vou dar uma espiga ou uma aguinha ao motorista.

Minha mulher não aguentou. Olhou para mim, riu gostosamente e lhe disse:

Mulé, não é preciso não. Ele não é motorista não. É meu marido, rindo de mim.

Bença ficou descabreada, mas percebeu que eu não tinha me importado com o que ela disse. Para mim agradar, desfazendo aquele mico, ela insistia em me dar um agrado da próxima vez que parássemos na barraca dela, argumentando que era costume fazer isso com todos os motoristas. Ela só me via como motorista. Tentei compreendê-la. Imaginei que havia por trás disso uma explicação. Aí, perguntei-lhe:

— Por que a senhora faz isso com todos os motoristas?

Ela me surpreendeu, respondendo:

— Sabe por quê? Porque os motoristas só assim vão parar na minha barraca. É pra bater na concorrência. Eu dou milho e aguinha pra eles, tocando no braço de milha mulher, completando: — Nenão Bença!

Aí, eu completei:

— Quer dizer que eu tenho a cara de motorista?

Ela olhou pra minha mulher. Minha mulher olhou pra mim e todos riram.

Todas as vezes que a gente passa pela BR-101 e nos aproximamos de quaisquer barracos, nos lembramos de Bença, do seu modo inteligente de ganhar a vida.

Da última vez que estivemos por lá, não a vimos. Talvez estivesse doente. Talvez tivesse ido para outros lugares expandir seu comércio, ido embora ou até falecido.
Leia Mais ►

6 de ago de 2017

O relógio


O relógio, suspenso na parede, era fiel nas suas longas e largas horasão. De ponteiros abertos, me fazia lembrar os cristãos quando oram ou rezam.
Sem saber, media as minhas lembranças que iam surgindo do esquecimento. Pudesse está na parede, na estante ou em qualquer lugar, lá estava eu e ele e algum pensamento perdido, me deixando taciturno e nauseabundo.
Não quis ser isso, nem estar com isso. Preferi ouvir da janela o ciciar da cigarra enquanto o céu azul recaia sobre o meu rosto. Ela dizia, não só a mim, mas a todos que estavam por perto que o verão se aproximava. Só que isso lhe custava a própria vida, ou seja, estaria pocada em alguma parte da estrada no outro dia. Fui ate à calçada e tive que abaixar os olhos, evitando os feixes luminosos do sol. Eles me fizeram lembrar de O Quinze e de Vidas Secas.
O relógio não me saía da cabeça e as lembranças faziam morada em mim. Vieram soltas, uma a uma. Boas ou ruins, eram coloridas, cheias de vida. Ainda na porta, vejo o vento farfalhar nas árvores e sacudir a poeira de um lado para o outro.
Quando os levantei, me dei conta que uma vassoura varria para debaixo de uma acácia mimosa a minha vida feito paparazzi. A princípio, fiquei sem graça; mas logo em seguida eu a encarei deixando bem claro que eu não tava nem aí para a peçonha dela.
Voltei para dentro de casa e o relógio estava do mesmo jeito que eu o deixei. Talvez a vida religiosa estivesse me perseguindo por algum motivo que desconhecia, querendo me enclausurar em um de seus templos. Parei diante dele, retirei-o da parede e o guardei. Não queria alguém me dizendo ou fazendo lembrar que eu deveria orar ou rezar. Precisava estar comigo, unicamente comigo; sem intrusos.
Inquieto, sem saber o que fazer; fiquei sentado no sofá hirto. Mas os ponteiro do relógio não me saiam da cabeça. E eu fiquei sem entender porque isso estava acontecendo. Seria o excesso de pensamentos e lembranças que me atormentavam? Fiquei ansioso para ouvir os tique-taque, mas consegui pela primeira vez mantê-los a distância.
Foi a campainha que me resgatou da imersão, me levando para outro mundo quando me vi diante dos olhos castanhos escuros de Keinha e das suas poucas sardas. Foram os lábios dela que me trouxeram para a superfície das coisas.
Leia Mais ►

14 de fev de 2016

A de sessenta

Eram duas senhoras. Uma aparentava sessenta; a outro, oitenta e cinco. Elas estavam a caminho do sanitário. Uma tinha pressa, a outra caminhava devagar. Pelos trajes, eram de posses.

Ao se aproximarem do sanitário, a de sessenta olhou para a outra raivosa e lhe disse: “Vou jogar você no lixo, certo!”, adiantando os passos. Nesse instante, uma bela jovem passava. Ao ouvir aquilo, voltou-se para a de sessenta e retrucou, sorridente: “Mulher, não faça isso não!”. A de sessenta respondeu: “Quer ela pra você?”.

A jovem, sem pestanejar, replicou-lhe: “Quero!”.

Pega de surpresa, a de sessenta observava raivosa para a jovem.
Leia Mais ►

12 de jul de 2015

Céu de caibros


O rádio toca. As pessoas conversam distraidamente. Uma lagartixa tomou para si a parede e se confundiu com ela, hipnotizando um mosquito. Lá fora os carros passam com estupidez. É Domingo.

A cozinheira está pondo o jantar. Todos se reúnem em torno da mesa. Valores góticos e contemporâneos se colidem, seguidos de ofensas. Do lado do pote uma formiga bebe água. O nariz do gato é róseo. Em meio à confusão, ele fica grilado em nós.

Sem causa, elas brigam, irritam-se. As formigas se cumprimentam. A aranha lança sua rede. Pescará o quê? Um mosquito, uma mosca perdida na noite. Não sei. Sei que a rede posta entre um caibro e uma ripa pesca os desencontros que saiam de cada língua.

Um barulho freia os ânimos. Os olhos diminuíram de raiva. Todos foram à porta. Era uma carreata politica descendo pela avenida. Voltaram. Ficaram soltos na sala.

Em seguida, cada qual saiu aos seus hábitos. Mônica foi para a cozinha. Papai foi assistir ao jornal. Eu liguei o som do quarto e por lá mesmo me entreti até o sono.
Leia Mais ►

16 de mai de 2015

Pés e pneus

A brisa. A árvore. Os pardais. Pés e pneus chegam. Esperam de pé e de pneu. Vozes se cruzam. Gargalhadas. Murmúrio. A sirene toca. O portão se abre. As bolsas saem. Crianças são tomadas pelas mãos. Crianças riem. Outras não. Adultos riem. Outros não. A briga. A brisa.
Leia Mais ►

12 de set de 2014

Keinha e os bichos

Lilu
Sabe, lá em casa a gente cria duas gatas e um cãozinho como se fosse gente. As gatas se chamam Kika e Tina e o cãozinho, Lilu. Eles estão sempre por perto. Na verdade, quem cuida deles é Keinha.
Ela os conhece muito bem. Tininha, por exemplo, é ranzinza e ciumenta. Kika é carente e dengosa. Lilu adora pão com queijo, mas usa corticoide. Está sempre com eles no colo, mas não esconde que Tina é seu xodó. Keinha não se importa de ficar com a roupa cheia de pelos, nem a pele. Sempre conversa com eles. São seus serumaninhos.
Teve um dia que ela estava com Tina no colo, apertando-a com afeto. Lilu não gostou daquilo, aí, saltou no colo dela. Estava disposto para disputar o quinhão de amor que lhe pertencia, enchendo-a de lambidas. Tina não gostou dessa ideia. Ronronou para ele. Lilu rosnou. Para acabar com a arenga, Keinha lhes disse:
— Parem com isso. Vocês são irmãozinhos. E irmãozinhos não brigam, tentando reaproximá-los. Tina não quis nem saber. Saltou do braço do sofá e foi direto para a cozinha, aproximou-se de Kika, enchendo-a de lambidas.
Lilu queria mais atenção. Para isso, entrou no quarto, pegou a meia no tênis e saiu correndo pela casa, colocando-a debaixo da cadeira de balanço, esperando por Keinha. Ela foi pegar a meia, mas foi driblada por ele. Corria de um lado e de outro, até se cansar.
Cansado, ele largou a meia no meio da casa, esparramando-se no chão, atento aos movimentos de Kika e Tina. Ele se aproximou delas com seus latidos estridentes. Tininha, com seus olhos amendoados e azuis, olha para ele friamente. Quando menos se espera, ouve-se: caiiiin.... caiiin.... caiiiin....
Keinha saiu do computador. Queria saber o que aconteceu. Chegando lá, viu o focinho de Lilu sangrando. Pegou-o no colo, acariciou ele, se voltou para Tina dizendo:
 Menina, não pode fazer isso com seu irmãozinho não! 
Tina, desconfiada, olha para ela com seus olhos azuis, dá de dorso, entra no quarto, se deita na cama, lambe-se e cochila.


Leia Mais ►

11 de jun de 2014

O primeiro gole


Por que, meu Deus, eu tenho que sofrer tanto assim nessa vida? Fui um bom filho. Sempre cumpri com os afazeres que o meu pai mandava e minha mãe. Por que hoje passo por tanto aperto? Sou um homem já idoso. O cansaço tá comigo e não me larga. Não tenho prazer nenhum na vida. Será que tô pagando pelos meus pecados, sofrendo e gastando o resto dos meus dias num barquinho; pegando uma bobagem aqui outro ali, sol, chuva, chuva, sol pra vê se eu arrumo um bocado e uns trocados? Não tenho nenhuma aposentadura. Se não fosse a ajuda do Governo e dos meus filhos que faz um bico aqui outro ali o que seria de mim? O que ganhei nesta vida? Só doença. Só fiz trabalhar feito um condenado. Pra quê? Não sei mais olhar pra os meus filhos. Nunca dei nada a eles, além de sofrimento e apertos. A minha mulher anda me rejeitando. Só anda com a cara feia. Quando eu vou querer um negocinho com ela, ela me dá às costas. Será que ela tá me traindo?”.
 
Esses conflitos perturbavam Artur. Sem olhar para a mulher, pegou o boné e saiu. Para piorar a situação, encontrou Cícero na rua e aceitou o convite deste para ir ao Bar do Primeiro Gole. Por lá conheceu outras histórias iguais ou semelhantes as suas e se acostumou aquele ambiente. Não havia um dia sequer que não chegasse cheirando a pinga. E, o negocinho que ele tanto queria, não teve mais como reclamá-lo. Teria que se contentar com a masturbação.

Vencido, percebeu que nada era como antes. Cabisbaixo, pôs os pés fora do batente, reviu amigos, foi ao bar e gastou todo o dinheiro do aluguel que furtou. Passou a manhã e a tarde nesta vida. Ao por do sol, resolveu se banhar no rio São Francisco.

Ao mergulhar, ouvia uma voz serena e suave chamar por seu nome. Sem perceber a correnteza, ele foi à procura dela e afogou-se numa panela d’água. O corpo nunca foi encontrado.
Leia Mais ►

24 de mai de 2014

Foi só um olhar

Tudo se iniciou no Bar da Galega. Cátia e Frederico escutavam sertanejo por lá. Riam, beijavam-se e bebiam. Sandro entrou, observou as pessoas, cumprimentou alguns conhecidos e olhou de soslaio para ela. Frederico não gostou do modo como eles se olharam. Amarrou a cara na mesa e bebia com ímpeto.

Passados alguns minutos, ele chamou Cátia de safada, vagabunda e deu um tapa na face dela. Sandro, sem saber os motivos, foi desapartar a briga. Raivoso, Frederico o empurrou, acusando-o de flertar com a mulher dele. Sandro perguntou se ele estava louco, discutiram e os fregueses do bar desapartaram eles. Nisso, Cátia saiu em lágrimas. Inconformado, Frederico foi atrás dela, dizendo:

— Prá onde você vai, sua cachorra. Quando chegar em casa, você me paga. Vagabunda. Só vive dando ousadia a todo mundo que ver pela frente. De hoje não passa. Você me paga.

Ele conseguiu alcançá-la. Pegou-a pelos cabelos, deu-lhe umas bofetadas e saiu rua a cima. Tinha gente que fingia não ver, outras se revoltavam; mas não faziam nada.

Ao chegarem em casa, ele não a poupou. Deu-lhe socos e pontapés, deixando-a indefesa no chão. Possuído pela cólera, foi a cozinha, pegou o facão e desferiu vários golpes sobre ela, dizendo:
— Já faz um tempo que eu vinha olhando para seus pés. Quer me fazer de besta? Você agora vai me trair no inferno, sua vadia.

Morta a vítima, precisava esconder o cadáver. Foi ao quintal, fez uma cova rasa e jogou o corpo nela. Feito isso, tomou banho, mudou de roupa, pegou dinheiro que costumava guardar para esse fim e pensou: “Não vou ser pego por assassinar aquela cachorra”. Quando pôs os pés fora do batente, deu-se de cara com a polícia de arma em punho pedindo para ele não reagir.




Leia Mais ►

17 de mai de 2014

Última dor da existência

Ela estava sentada no batente da porta. Face voltada para a calçada e entre os dedos o cigarro.
O cigarro, quando posto entre os lábios, estremecia. Nela havia solidão e o seu mundo estava desarranjado. A mente muitas coisas fazia, participava no cubículo do seu ser.
Passavam-se as horas.
Passavam pessoas. Só não passava aquela angústia, aquela dor, a última que alguém pode sentir nesta vida.
Só o cricrilar fazia-se presente no fechar e abrir dos dias.
Leia Mais ►

21 de abr de 2014

A minha gata

Kika
A minha gata vive atrás de mim, toda dengosa. Mas o dengo dela tem explicação: é a fome. A minha outra gata afirma que não é nada disso, mas amor.

Acontece que a minha gata faminta quando está com o bucho cheio, me trai. Imagine: ser traído por um bucho cheio! E essa traição arranca risos da outra gata.
Leia Mais ►

9 de fev de 2014

O Rio de assoreamentos

Muitos foram os textos publicados. Alguns técnicos outros não. Há, também, os textos inéditos, baços nos olhos e na língua do povo simples que vive do Velho Chico e dele depende.
 
Não serei mais um a escrever um texto contendo dados de uma instituição ou baseando-se em algum estudioso. Não há muita necessidade de conhecimento científico para compreender que o Chico, com a sua pouca água, estar se tornando um miserável nacional; agravando mais ainda a vida dos ribeirinhos.
 
Este texto possui a melancolia, o pesar e a dor de todos os cidadãos ribeirinhos e aqueles que possuem consciência ambiental. No entanto, darei ênfase no trajeto  da cidade de São Brás até a divisa do estado de Alagoas com Sergipe por meio da ponte rodoferroviária. Nesse trecho, nota-se com bastante amargura que a Transposição sem revitalização é uma insanidade política e grosseira. Um feito megalomaníaco, típico de pessoas sem escrúpulo e que fazem de tudo para saciar os seus umbigos.
 
Todas às vezes que vou a cidade de Propriá, seja de lancha ou de automóvel, os meus olhos se enchem de melancolia. Diante das minhas íris percebo ilhas que não fazem parte da minha infância e outras que surgem no corpo do rio como o câncer. Sinto um aperto dentro de mim e imagino que posso alcançar os mais pobres suplicando um copo d'água, os canalhas da política tirando proveito de uma situação miserável e o caos da dor.
 
É lamentável presenciarmos a grande, enorme croa que se formou sob a ponte Propriá-Colégio sem que a indignação tomasse posse de nossas almas. Quantas vezes não ouço dos pescadores quando estes se referem ao passado de muitos peixes, da fartura e que; nos dias presentes, lhes faltam a esperança porque a força do Rio está fraca. Também fazem lembrar das grandes enchentes que inundavam as ruas da minha pequena Colégio.
 
Os tempos para o velho Chico mudaram para pior. Como a maioria dos idosos, o Chico esta sendo violentado pela ganância e estupidez de homens tolos e insensatos que não medem esforços para realizar seus projetos pessoais, políticos e financeiros. Esses míseros que só se importam consigo.
 
Visitar o trecho de São Brás a ponte Propriá- Colégio, o visitante entenderá com maior clareza o que essas palavras querem dizer; até porque será visto em várias partes desse trecho enormes coroas e a formação de outras, dividindo o que antes era indivisível.
 
O assoreamento, esta maldita doença fluvial, pouco a pouco sepulta o Velho Chico e com ele as carrancas, os nêgos e mães d´água, os peixes e os seus pescadores, os banhos e os banhistas, as lanchas e os lancheiros. Levará para  a sepultura as várias e muitas estórias dos seus amantes e frequentadores, ficando apenas as lembranças de suas enchentes, do banho suave e gostoso de verão que só o ribeirinho sabe saborear, desfrutar e valorizar.
 
Se os ribeirinhos tem orgulho de dizer que o Chico é o “Rio da Unidade Nacional”, eles têm agora pesar em lhe chamar de “Rio dos Assoreamentos” porque eles (os assoreamentos) surgem como o câncer.
Texto publicado na Tribuna da Praia em 18/03/2008.
Leia Mais ►

7 de mai de 2013

Mundo Circular

Carlito os viu passar. Deixou o balcão, as garrafas falantes nas mesas e acenou com a mão para eles. Queria ser o primeiro a ter certeza dos boatos circulares das praças e bares. Ao se aproximar dos conhecidos, perguntou-lhes:


— Seu Artur, é verdade que ontem à noite, quando vocês pescavam, um casal de Nego d'água atacou vocês dois? Tá uma confusão danada nas ruas. O povo tá com tanto medo que nem banho que tomar no [1]Rio.

— Olhe seu Carlito, não sei disso não. O povo conversa muito. A gente não foi atacado por nenhuma criatura das águas. O que aconteceu foi isso: a gente saiu da croa para pescar. De repente, um toró caiu sobre a gente, acompanhado de uma ventania danada. Como o barquinho tava precisando de reforma, não aguentou com os sopapos do vento. Ele se partiu ao meio e a gente quase morreu. Só foi isso. Não teve Nego d'água nenhum.

Quando Carlito resolveu lhe fazer outra pergunta, o celular de Artur o interrompeu. Ao atender o telefone, ele ouvia o desespero da esposa. O pai dela morrera em seus braços. Despediu-se de Carlito e com pressa saiu acompanhado de Carlos.

Nisso, Carlito retornou ao bar. Nele, relatou para as mesas o que acabara de acontecer. Elas ficaram compungidas e o mundo circular continuou tico a tico nas ruas, nas praçs da pequena[2]Colégio.




[1]Refere-se ao Rio São Francisco
[2]Refere-se a cidade de Porto Real do Colégio - Alagoas
Leia Mais ►

17 de mar de 2013

Prefiro garotas off-line


O sorriso era solto e os lábios carnudos. Isso  realçava a beleza exótica dela. Apesar de divorciada, seus olhos não eram tristes, nem lamurientos. Transpareceu alívio, pois, seu ex era muito ciumento e não queria ser mais uma na lista da Proteção Preventiva
 
A trepidez da lancha não impedia o nosso diálogo. Ela levantou-se do assento de madeira, pediu para o condutor da lancha parar no primeiro ponto de desembarque, sentou-se e disse:

— Não posso passar por aqui sem ir à casa da minha amiga. A gente se conhece desde a escola e somos boas amigas.

— Faz bem, disse eu. Preservar os verdadeiros amigos é coisa boa porque eles são poucos e raros. Boa sorte em sua amizade.

Ela me agradeceu, pegou endereço do Face, deixou-me aquele sorriso largo e se foi. A lancha seguiu seu destino e a trepidez dela não impedia os meus pensamentos, nem a doce lembrança que ela deixou naquela manhã.

Se não a conhecesse pessoalmente jamais me deliciaria naqueles lábios, nas maçãs que me fez lembrar Clarice e do busto esbanjando sensualidade. Nada disso seria possível se a conhecesse em alguma rede social.

E concluí: nada substitui a vida off-line.
Leia Mais ►

22 de dez de 2012

A pescaria


— Artur, vamos tentar hoje de novo?

— Para quê? Para gastar o nosso tempo! Você não tá vendo que esse Rio não dá mais nada não? Quando a gente sai, só pega uns tilapes que não dá nem prá um frito! Por onde se pende só se vê mato e areia. Parece que o Rio tá morrendo e ninguém liga. É croa daqui é croa dali. O que foi que a gente pegou ontem, hem? Me diga vá! Três tilapes que não deu cinco quilos.

Alberto silenciou por alguns instantes, compreendendo com tristeza as aflições do amigo. Mas insistiu, dizendo:

— Amanhã é dia de feira. Eu sei que o que a gente pegou foi muito pouco, mas pode ser que a gente dê sorte hoje à noite. Bora. A gente nunca sabe e amanhã é outro dia!

— Vou não perder meu tempo, como ontem. Vá você!

— Bom! Tô indo. Se você mudar de ideia, eu tarei na casa de mamãe. Até mais!

— Até e boa sorte!

Artur permaneceu debruçado sobre o cais e pensava: Por que meu Deus, eu tenho que sofrer tanto assim nessa vida? Fui um bom filho. Sempre cumpri com os afazeres que o meu pai mandava e minha mãe. Por que hoje passo por tanto aperto? Sou um homem já idoso. O cansaço tá comigo e não me larga. Não tenho prazer nenhum na vida. Será que eu tô pagando pelos meus pecados, sofrendo e gastando o resto dos meus dias num barquinho; pegando uma bobagem aqui outro ali, sol, chuva, chuva, sol pra vê se eu arrumo um bocado e uns trocados? Não tenho nenhuma aposentadura. Se não fosse a ajuda do Governo e dos meus filhos que me sustenta, fazendo um bico aqui outro ali o que seria de mim? O que ganhei nesta vida? Só doença. Só fiz trabalhar feito um condenado. Pra quê? Não sei mais olhar pra os meus filhos. Nunca dei nada a eles, além de sofrimento e apertos. A minha mulher anda me rejeitando. Só anda com a cara feia. Quando eu vou querer um negocinho com ela, ela me dá às costas. Será que ela tá me traindo?

Nas longas e infiéis imaginações, dava a pobre mulher um macho. Com essa cisma na cabeça, pensava em matá-la se fosse verdade o que ele estava pensando. Quando chegava em casa que a via pálida e cansada de tanto fazer conserto de roupas, arrependia-se das suas pífias e doentias ideias que o atormentava e o perseguia o tempo todo.


Leia Mais ►

10 de nov de 2012

As lavadeiras

Eu estava no terreiro brincando com Valente. Vovó apareceu no batente da porta e me chamou. Fui ao encontro dela e ele me acompanhou. Vovó pôs a mão dentro do bolso direito do vestido, tirou um tostão e me pediu para comprar sabão branco e sabão da terra. Eu fiquei curioso para saber qual era a diferença entre um e outro, mas quando retornei da casa de dona Firmina, entreguei os sabões, ganhei o troco; me entreti com Valente, deixando a aquela curiosidade de lado.

Mas tarde, alguém apareceu na porta da frente chamando por vovó. Ela acenou para mim e pediu que eu observasse quem era. Depois de ter prestado atenção, de lá mesmo disse que era Marli, a lavadeira. Vovó pediu que ela entrasse, indo pra cozinha. Eu acompanhei ela. As suas mãos eram engiadas e a maioria das unhas tinha caído. Conversaram bastante tempo. Depois foi embora. Cheguei para vovó e perguntei para ela:
Vó, por que as mãos e as unhas de Marli são daquele jeito. Tive pena dela!
Porque ela lava pra ganhar.
Não entendi direito isso.
É por causa daqueles sabão que dona Firmina faz. Marli ganha por lavagem de roupa. Como ela lava todo dia, aí prejudica.
Vó, o que será que tem nesses sabões?
Ah, meu filho, não sei! Só você indo perguntar a dona Firmina. Só ela pode responder isso a você porque ela é quem faz os sabão, lá na casa dela.
Dona Firmina morava na mesma rua que a gente. Pensei em ir lá, mas desisti porque ela vivia com a cara amarrada. Então, esperei que vovó pedisse que eu fosse comprar sabão novamente. Depois de uma semana, eu fui comprar. Da porta, disse:
Dona Firmina, ô dona Firmina! Quero comprar sabão!
Entre meu filho, pode entrar. Tô aqui na cozinha ocupada.
Entrei, fui aonde ela estava, comprei um tostão de sabão. Ela embrulhou no papel e me entregou. Olhei para ela e disse:
Dona Firmina, como é que se faz Sabão?
Ela me olhou por alguns instantes, me deu as costas e pediu que eu me aproximasse. Próximo aos latões, ela disse:
Para fazer o sabão branco, primeiro coloca sebo de boi e água dentro de latões de querosene de vinte litros. Quando o sebo derreter, é só colocar soda caustica e esperar por duas horas. Quando tiver pronto, espera esfriar, pega o arame e faz as barras.
Depois me mostrou como era feito o sabão da terra. Para fazê-lo, tinha que colocar pouca soda cáustica, acrescentar cinza e cal. A cinza era para dar um colorido diferente as barras de sabão e a cal para limpar as borras da cinza quando estava fervendo.
Leia Mais ►

21 de out de 2012

O teclado


Estou diante do monitor. Olho para o teclado e vejo nele um monte de símbolos e me faltam palavras. A impressora espera alguma folha, “doida” para imprimir. Procuro palavras no meio de tantas, e não as acho. Se for buscá-las em dicionário, não servirão para um idílio ou dor. A minha carne  cansou-se de tudo, até de mim. Vozes vibram no ar. Palavras se entrelaçam no abraço da comunicação. Algo pousou em mim. O que é, não sei. O mundo gira em torno deste teclado. O mundo parado, inerte, que não quer morrer. Apenas está num estado de movimento, mexendo nas teclas sem saber para onde ir.

 Cadernos, 08 junho 2001
Leia Mais ►

20 de jul de 2012

A alma e as ruas

Ontem o meu coração estava nas minhas tripas e uma sensação ruim me acompanhou. As luzes dos postes não me traziam nenhuma novidade. Em mim, várias faces que não me definia. Vi-me perdido nas ruas e o tédio me afagava. Estava só, num estado de graça e angústia. 

No bar, o copo de cerveja na minha frente, gelado, suando, não me desmanchava. O queixo tremeu, a pele tornou-se diferente. As vozes iam, viam e não me interessavam.
Levantei-me e sem rumo e sem leme fui andando no meio das intempéries, levado pelas havaianas. Senti uma vontade de nascer de novo. Perguntava aos céus o que eu estava fazendo ali. Como resposta nenhuma veio, senti-me solto, jogado no mundo como se estivesse pagando uma pena.

Dentro de mim vozes entravam de formas diferentes, formavam fatos e atos. Para quem ou para o quê, não sabia. Sei que aquele dia não me foi diferente, pois sentia a sequência de anteriores que se repetiam com dramas e sustos repentinos. Ia, ia sem perder a direção. 

As ruas nem largas, nem estreitas me espreitavam sem vaivém, sozinhas no meio do caos. Uma sombra deslocada da minha carne rugiu forte e as meninas massificadas passaram alegres, sorridentes.   
Leia Mais ►