Mostrando postagens com marcador Cleno Vieira. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cleno Vieira. Mostrar todas as postagens

18 de jul. de 2022

Cleno Vieira - Chico, o Velho

Cleno Viera, poeta, estudante do curso de Letras Vernáculas. UFS/SE.
Livro Chico, o Velho. 1 ed. -- Porto Real do Colégio, AL. Plima Edições - Novela – Literatura Brasileira.

Foi com imensa alegria que recebi pelos Correios o presente livro do escritor, professor e amigo Ronaldo Pereira de Lima, carinhosamente chamado de Ron Perlim. A temática central, o sofrimento do rio São Francisco, o querido Velho Chico, mas também a simplicidade com que vive os ribeirinhos de Porto Real do Colégio, nas Alagoas, um verdadeiro manifesto em prol destes que são por demais desvalorizados, marginalizados e até mesmo, excluídos do debate político lá na capital federal, Brasília.

Hoje, não se vê, diante de tantas urgências que o Brasil protagoniza, uma discussão que trate a problemática desde seu princípio ao mais complexo detalhe. Passamos por contratempos, onde, sob o controle da nação, são propagados e instrumentalizados uma forma odienta no Estado brasileiro, o nosso Velho Chico, mais uma vez, infelizmente ficará para trás.

Tendo em vista todos os problemas supramencionados, faz-se necessário, além de sua leitura, uma ampla divulgação deste livro e de outros manifestos em prol do São Francisco (e de seu povo), principalmente nos meios mais populares de comunicação, nas instituições de ensino, sejam elas públicas ou privadas e se ainda possível for um maior acolhimento da obra por parte dos centros e academias literárias da região, e assim promover o desejo de Germano e seus amigos pescadores, “Apenas estou pensando no povo simples que vive do Velho e depende dele para sobreviver.”

Além da discussão central, chamou-me atenção a descrição que o autor faz do porto de Propriá, cidade que também é margeada pelo Rio. Ron não se esquivou em descrevê-lo como realmente é na realidade, pode até não ser no período festivo do Bom Jesus, mas que certamente na maior parte do ano é assim que recebe seus visitantes e acolhe o Velho: “Sem o que dizer, foram cabisbaixos até a cidade de Propriá. Ela os recepcionou com um bueiro, bolsas plásticas, orelhas-de-burro, um cavalo morto, latas de refrigerantes, cervejas, roupas, sandálias e um cheiro insuportável de fezes ao pé do cais.”

Claro, que o bueiro depende de outros esforços para ser bloqueada sua atividade, ou ao menos “amenizada”, o cavalo, sua presença pode até ser rara, mas o restante dos obstáculos podem e devem ser evitado e/ou enfrentados diariamente pelos milhares de propriaenses, que não sabem, ou fazem pouco caso da mais legítima verdade, não haverá: não haverá Propriá, muito menos Colégio, sem a presença do querido e amado Velho Chico, nosso irmão.

Aracaju, 15 de julho de 2022.


Leia Mais ►

21 de set. de 2019

O São João do Nordeste

 
Por Cleno Vieira
No São João do Nordeste 
tem de tudo até de mais
temos milho, munguzá e canjica 
para só de milho o povo saborear. 

Temos o famoso quentão
que é servido de coração 
pro cabra ficar animadão.

A veneração aos santos
Antônio, João e Pedro,
são pra lá de especiais 
mais o que abrilhanta a festa 
são as quadrilhas nos arraiás.

Nesse mês junino 
temos o santo casamenteiro
de Propriá ele é nosso 
padroeiro, pra não haver            
desespero, rogue a
Antônio um amor verdadeiro.

Logo em seguida 
vem o menino São João 
com o cordeiro na mão é exaltado,
mas tudo fica animado 
quando os fogos são queimados.

Pra não deixar queimar
o Nordeste, vem São Pedro 
alegrando o sertão 
e com a linda chuva 
alegra-nos o coração.

Pra terminar o mês junino 
é celebrado São Paulo 
que por poucos é venerado
mas pense em um santo arretado.

Pra mode não demorar 
eu já vou terminar, 
dizendo que o São João 
é cultura e tradição,
que no Nordeste 
é bem cultuado,
se depender de mim 
seu moço o São João 
será sempre lembrado.
Leia Mais ►

17 de ago. de 2019

O Choro Do Velho Chico, o pai do sertão

Por CLENO VIEIRA
O Velho Chico Agora Chora
Pois Sua Felicidade Foi Embora
E Ninguém Sabe Quando Ela Voltará. 

Da Serra Da Canastra 
A Foz Do São Francisco
Esse Rio Sai Pedindo
Consolo E Oração.

Fique Você Sabendo
Que Nós Somos Os Culpados
Desse Choro Calado
Do Velho Chico Arrasado.

Fico Até Imaginando
O Que Será Do Sertão
Sem Esse Grande Irmão
Que Deu Sua Vida Ao Sertão.

Hoje Ele Chega Lá No Ceará
Mas É Lá Na Foz
Que Eu Vejo Água Faltar.

E Agora Esse Choro 
Está Acabando 
Porque Nós Abandonamos
O Velho Chico Pai Do Sertão.

Leia Mais ►