8 de jun de 2011

Creditados

O povo estar desacreditado, por isso, barganha o voto.

O desacreditado é a pessoa que perdeu a confiança. No contexto político diria que o eleitor desacreditado perdeu primeiramente a confiança em si, substituindo-a pelo desânimo, pela passividade ante os acontecimentos e, ao invés de reagir, preferem a “cultura” da impiedade, do jeitinho, da facilidade. Falta na maioria do eleitor brasileiro o interesse pela política. E o seu desinteresse é daninho para todos.

A população de desacreditados não tem face, nem classe social, nem escolaridade. Exterioriza a sua insatisfação pessoal e coletiva quando lê ou assiste ao estardalhaço midiático desse ou daquele gatuno. Como não vê os políticos irem para a cadeia ou devolverem aos cofres públicos o dinheiro desviado para outros fins, reclamam deles, do Judiciário. Criticam-nos e a maioria ainda dorme sem ser a Adormecida.

Como essas práticas são contínuas e a impunidade é o mel da mancebia política, o eleitor brasileiro apenas se sente um elemento dessa população, vencido, desgarrado; pois, associa as práticas de corrupção e abuso de poder somente como práticas ilícitas sem perceber que elas estão entrelaçadas ao comércio eleitoral tão comum nas cidadezinhas e bairros dos grandes centros.

E se convenceram que devem barganhar porque não mais acreditam naqueles que se candidatam, pois, todos que ocupam cargos eletivos se corrompem ou irão se corromper. O problema é que o eleitor, assim pensando, estimula não só a prática da corrupção; mas abre a porta para que todo tipo de pessoa se candidate, compre “[1] (...) o poder que emana do povo (...)”.

Por isso digo: a maioria não vota pela análise. Vota pelo impulso, pela corrupção (a maldita compra de voto), vota sem compreender o sistema político, aceitando-o como se um hábito fosse. Para quê? Para reclamar.

[1] CF. Art. 1º, parágrafo único.

2 comentários :

  1. Suas crônicas são bem escritas, mas às vezes passa a impressão que você tá defendendo esses caras. O povo vive meesmo desacreditado porque quando se candidata é uma coisa, quando ganha é outra. O que vc diz disso?

    ResponderExcluir
  2. Não é o objetivo de minhas crônicas defendê-los, mas demonstrar o que ocorre por trás do processo eleitoral nas cidadezinhas. Tudo não passa de um simples comércio.

    O povo vive desacreditado porque, conforme você afirma, "quando se candidata é uma coisa, quando ganha é outra". Até aí tudo bem. O problema é que quando surge um candidato que não paga e expõe propostas, dificilmente ganha! O que você diz?

    ResponderExcluir