20 de fev de 2011

O vilão

Estou cursando uma pós-graduação. Nos encontros, debatemos assuntos voltados para a área de educação e, nesses debates, incluímos a política. Neste ponto, as opiniões discorridas me faz pensar no fazer político deste país. 

A visão política neste âmbito é deturpada porque o sistema político e a maneira de se fazer política são vistas de cima para baixo, reforçando a ideia de que a Política é a grande vilã da sociedade. 

Usam-se muito as expressões “dinheiro nas cuecas, nas meias; todos calçam 40”,e assim por diante. E elas vêm carregadas de revolta, sempre seguida de uma opinião midiática, catada da tv, dos jornais e revista on-line ou impressos. 

Raramente se fala na compra e venda de votos que acontece em todas as esferas do sistema. Preferem a acidez da crítica. O comércio eleitoral não é analisado nas células do Estado, mas na esfera midiática. Isso não é bom. 

De nada adianta os alaridos das esquinas, dos assentos, das lágrimas. 

De nada servem as trombetas da mídia quando se faz o estardalhaço desse ou daquele gatuno. 

Enquanto a consciência dos que dormem não despertar, não há motivos para espanto, surpresas quando o Congresso se empanturra com os cofres públicos, o cidadão desfalece na fila do SUS, a segurança pública permanece caótica e a educação capenga. 

Uma reeducação política é necessária para que o poder que emana do povo perca a condição de mercadoria e retome o seu papel social que é dar sentido a democracia.

Nenhum comentário :

Postar um comentário