Por Ron Perlim

Dê a seu filho ou filha um livro como se dá um bombom, um brinquedo, a camisa do time preferido, o abraço, o afago. Permita a ele ou a ela o mundo das palavras e do conhecimento.


 Por Antônio FJ Saracura, 06 de abril de 2013, revisto em novembro de 2020.

(...)

Laura é um pequeno grande livro. Diz-se infanto-juvenil mas serviu para mim, um setentão quase, de grande aprendizado. Não sei quais os ingredientes essências para que um livro caia no gosto infanto-juvenil. Talvez esses que Ronaldo utilizou sejam alguns, pois me senti muito mais novo lendo o seu livro.

Dona Laura, ao estilo tradicional do povo simples, conta ao sobrinho, histórias. Casos clássicos que o povo assumiu, ou situações da comunidade. Sempre fechando com lições de vida engrandecedoras. E entra o nosso folclore rico para ajudar, com o lobisomem, o fogo corredor, a cobra mamadeira, o caipora, o rasga-mortalha, o casamento da raposa, a mulher do padre... Botijas, visagens, assombrações (daquelas que divertem mais do que assustam)... Etc, etc, etc.

Há diálogos singelos entre os moradores da comunidade...

Há cenários pintados com mágicas palavras...

“Laura” é livro para se adotar nas escolas e se ler em família nas bocas de noite.

 Fonte: Antônio Saracura - Sobre Livros Lidos.  LAURA, Ronaldo Pereira de Lima. Acesso em: 15 fev. 2021.

 

Se gostou, comente!