Solar de Camuciatá

O fazendeiro Cícero Dantas Martins, nascido em 1838, foi o fundado do casarão, onde viveu por muitos anos. Designado bar]ao de Jeremoabo em 1880 por ordem do imperador D. PedroII, Cícero se tornou um homem de grandes posses no final do século. Adquiriu dezessete fazendas só em Itapicuru. Mantinha outras doze em Bom Jesus, município que depois foi rebatizado justamente como Cícero Dias.

O poder político de Cícero sofreu um abalo a partir de 1874, com as andanças do beato Antônio Conselheiro (1830-1897). A pregação arregimentou lavradores por todo sertão, esvaziando propriedades da região. Em pé de guerra, os velhos “cononéis” pediram ao Exército o fim do arraial de Belo Monte. Cícero tinha verdadeiro ódio pelo Conselheiro, do que são prova algumas das cerca de 3 mil cartas deixadas pelo barão no Solar de Camuciatá. No auge do conflito, em agosto de 1897, o barão lembrou, em carta enviada a um compadre, ter sido um dos primeiros a advertir sobre a ameaça. Disse ter sido criticado injustamente quando pediu um reforço de cem praças do Exército para perseguir o beato.

(…)

A rivalidade entre o barão e o Conselheiro é citada pelo escritor Euclides da Cunha no clássico Os sertões apenas numa nota de rodapé. Mas ganhou contornos épicos em A guerra do fim do mundo, de Mário Vargas Llosa, romance inspirador na obra de Euclides. Llosa, que nos anos 1980 fes pesquisas no casarão Camuciatá acompanhado do historiador baiano José Calazans, transformou Cícero, rebatizado de “barão de Canabrava”, numa figura-chave no conflito, responsável por aglutinar “as forças da bahia” contra o Conselheiro.

VALENTE, Rubens. Operação Banqueiro: uma trama brasileira sobre poder, chantagem, crime e corrupção. A incrível história de como o banqueiro Daniel Dantas escapou da prisão com apoio do Supremo Tribunal Federal e virou o jogo, passando de acusado para acusador. São Paulo: Geração Editorial, 2014. p. 24-25.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A comida preferida dos orixás

Resenha do Livro "Preconceito Linguistico: o que é, como se faz?"

O vento da tarde