Irmã da covardia


Era de madrugada no povoado Alecrim quando Felipe bateu desesperado na porta da casa de Ivan. A porta foi aberta, mas a cara e o coração estavam fechados. Isto era visível nas formas geométricas da face dele. Felipe nem importância deu porque para ele a única coisa que importava era a mulher que estava prestes a parir.

Ivan alegou que não poderia dar assistência porque os faróis do carro estavam com problemas e que havia pouca gasolina no tanque. Sem dar importância aos apelos de seu concidadão e eleitor, simplesmente disse que não podia atendê-lo; voltando-se para os seus aposentos resmungando: “Dei aquele infeliz o telhado da casa e no dia da eleição ele ainda veio me pedir dinheiro. Esse povo é assim: se a gente deixar, tira o nosso couro”.

Felipe, angustiado e vendo a mulher se contrair de tanta dor, foi às pressas a casa do cunhado e o chamou para lhe dar socorro. Ao chegarem, carregou a esposa até às margens do rio São Francisco, pondo-a em um barquinho, remando rio abaixo até a cidade de Penedo. No trajeto, quase desistia porque os seus braços já não mais aguentava de tanta dor e desespero, mas quando via o sofrimento dela; persistia. Ao chegar ao porto das lanchas de manhãzinha, os pescadores o ajudaram, chamaram a ambulância e levaram-nos para o hospital público.

Após alguns minutos de angústia, o médico que os atendeu se dirigiu para Felipe e disse: Lamento, seu filho estar morto; mas sua esposa estar fora de perigo e passa bem. Aquelas palavras foram ao mais profundo de seu miolo e por lá permaneceu feito boia fixa. As lágrimas desciam feito nascente.

Passando algum tempo, o cunhado percebeu que ele não estava bem e o chamou para espairecer, indo ao comércio. Lá, deu de cara com Ivan. O sangue subiu para a cabeça, sentindo-se enganado, traído, injustiçado. E o pior, sabia que seu caçula estava morto porque ele negara socorro a sua esposa. Sem pestanejar, pegou a peixeira que estava nos quartos e empurrou-a até o cabo no ventre dele. As vísceras caírem no asfalto. Quem por perto estava entrou em pânico, outros saíram correndo e Felipe simplesmente fugiu no barquinho rio afora e ninguém nunca mais o viu.

A mídia local entre as linhas o descrevia como um bandido perigoso que precisava ser caçado e capturado. Já Ivan foi elogiado como boa pessoa, que não fazia mal a ninguém, um bom colega de Câmara e um homem trabalhador.
 
Para a mulher de Felipe sobrou as tarjas pretas, muitas vezes negadas nas unidades de saúde; tendo que recorrer ao Ministério Público.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem