27 de jun de 2019

O demônio da ignorância e da inveja


Hoje é 25 de fevereiro de 2003. A minha noite não foi uma das melhores e eu cheguei à empresa cheio de olheiras. Assim que pus os pés na sala e antes de sentar-me, minhas orelhas captaram palavras desprezíveis e ínfimas. Não era para menos, pois, elas vieram de um tolo, desses que se sente gente.

Observei firmemente a face daquela criatura portando algumas cicatrizes na face e não me intimidei. A maldade brilhava em seus olhos e aquele filhote da intolerância falava e falava. Nem os seus o suportavam, mas o queria por perto para a coisa suja.

Enquanto ele falava, eu conhecia a inveja de perto, viva, esquelética, movendo-se de um lado para o outro. Naquele momento, pensei: “a inveja é o sentimento mais mesquinho que eu conheci. Despreza o próximo porque sente-se desprezada. Filha da maldade, parente da fofoca e amante da irracionalidade; a inveja corrompe, ofende e cria rixa entre os seres”. 

Fiquei estarrecido ao vê-la me rondar. Confesso que contive o nervoso sem que algumas pessoas percebessem. Só me irritei, falando no mesmo tom de voz dela. Pareceu-me que aquele ser estava tomado por um demônio.

Refletindo depois do ocorrido, vi que há um demônio que ocupa a mente de muitas pessoas, que é o demônio da ignorância e da inveja.
Cadernos, Ron Perlim/Colégio/250203


4 comentários :

  1. É o que move muita gente, infelizmente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida não é fácil. A gente precisa aprender a cada dia com esses sentimentos tolos. Valeu!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigado, Márcia por comentar e perceber o quanto é importante refletir sobre determinadas atitudes. Abraço!

      Excluir