Pular para o conteúdo principal

Mil blocos logo no início

Publicado inicialmente em 2015 na Tribuna da Praia.

Du resolveu pintar o cabelo de amarelo queimado. Na calçada, conversa com um, com outro e chama pelo nome dos que passam pela rua. Em seguida, se aproxima de onde estou; sentando ao meu lado.


Perguntei o que ele achava do prefeito. Ele respondeu: “Não quero nem ouvir falá o nome desse homi”. A resposta crespa e raivosa dele não me fez recuar. Indaguei as razões de tanta raiva. Du ficou silente, mas resolveu abrir o coração. Me disse: “Minha avó... Perto de se aposentar. Precisou de R$ 50,00. Aí, ela falou com um conhecido dela. Ele não conseguiu arrumar o dinheiro. Aí, o conhecido da gente disse: ‘Não se preocupe. Vou falá com o prefeito’. Quando minha avó foi falá com o prefeito a mando desse conhecido, ele só deu R$ 20,00. Isso foi cinco meses depois da eleição”.


Eu disse para ele: “Isso não é certo. As pessoas devem pedir para os prefeitos escolas boas, bons professores, saúde de qualidade, cidade bem cuidada, gerar emprego para as pessoas não ficarem pedindo nada para eles. O voto não pode ser vendido, nem trocado”. Du parecia não me ouvir. E me indagou: “Você acha isso certo: a pessoa precisar de R$ 50,00 e receber R$ 20,00? Ele (o prefeito) recebe mais de R$ 10.000,00. Ele tá pior que o vice. A gente precisou de R$ 80,00 e ele deu R$ 70.00. Só faltou R$ 10,00”.


Eu retruquei, mantendo as minhas opiniões e Du complementou a sua fala: “Logo no início da campanha, o prefeito deu mil blocos pra gente construir o muro da casa de minha avó. Foi sete votos lá em casa. E minha avó só precisou dele cinco meses depois. Quando ele já era prefeito. O dinheiro era pra pagar a energia”.


Dito isso, se calou. Eu também me calei.


Debaixo da árvore, os pardais pipilavam. Os galhos farfalhavam. As folhas caiam. Depois Du me disse: “Quer quantos quilos de macaxeira hoje?”. “Dois”, respondi. Ele me deu a mão, me cumprimentou e se foi com o sorriso cariado, sumindo na esquina da rua disforme.


Eu fiquei pensando no sistema que procria espécimes como cunhas, delcídios, arrudas, agripinos, o BBB (bancada da bala, do boi e da Bíblia), aécios e tantos outros que estão no Congresso criando problemas para a nação.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ver com os olhos livres

Em 1924 o inquietante Oswald de Andrade cravou no peito de parte da vampiresca elite intelectual e econômica brasileira - habituada a apenas sugar o sangue literário advindo da Europa e, depois, homorragicamente, expelir pedantes perdigotos - uma estaca certeira: o Manifesto da poesia pau-Brasil. Nesse inteligente panfleto bradou: "Nenhuma fórmula para a contemporânea expressão do mundo. Ver com olhos livres". Ver com olhos livres! No original do manifesto está em itálico, é a única frase destacada assim pelo próprio autor. É uma invocação, um grito, uma palavra de ordem. A defesa intransigente da possibilidade de olhar não reprimido, não constrangido pelo óbvio, um olhar que consiga transbordar e derramar-se para fora do o limita. CORTELLA, Mario Sergio. Não se desespere!: provocações filosóficas. 7 ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. pp.71-72

Diferença entre edital e regulamento literário

O edital  é o principal instrumento legal que rege o concurso público ou seleção pública, contendo as regras conforme as disposições legais pertinentes. Quaisquer alterações nas regras fixadas no edital somente poderão ser feitas por meio de outro edital. O Edital literário se diferencia do regulamento pelos seguintes motivos: enquanto aquele pertence aos  Atos Gerais do Direito Administrativo , este não está preso as formalidades da lei e pode ser estabelecido por pessoas físicas ou jurídicas. Quando o edital é elaborado, primeiramente é publicado no diário oficial nas instâncias federal, estadual e municipal a que pertence o órgão promotor do certame, seguindo o princípio da publicidade. As primeiras características que o candidato se defronta nele são: a numeração do edital, seguido do ano e do órgão ao qual está vinculado, a impessoalidade, a clareza, a concisão, a formalidade, o uso padrão da linguagem e a uniformidade, pois, trata-se de uma redação oficial.

A maior tragédia do homem moderno

Paulo Freire Uma das grandes, se não a maior, tragédia do homem moderno, está em que é hoje dominado pela força dos mitos e comandado pela publicidade organizada, ideológica ou não, e por isso vem renunciando cada vez, sem o saber, à sua capacidade de decidir. Vem sendo expulso da órbita das decisões. As tarefas de seu tempo não são captadas pelo homem simples, mas a ele apresentadas por uma “elite” que as interpreta e lhas entrega em forma de receita, de prescrição a ser seguida. E, quando julga que se salva seguindo as prescrições, afoga-se no anonimato nivelador da massificação, sem esperança e sem fé, domesticado e acomodado: já não é sujeito. Rebaixa-se a puro objeto. FREIRE, Paulo . Educação como prática da liberdade , pág. 51. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2000.