Por Ron Perlim

Dê a seu filho ou filha um livro como se dá um bombom, um brinquedo, a camisa do time preferido, o abraço, o afago. Permita a ele ou a ela o mundo das palavras e do conhecimento.


Vi a minha face dentro do espelho.


Mas quando virei o rosto


Eu a perdi no esquecimento.


Passo por uma rua inclinada e a vejo numa soleira.


Dei-lhe um riso contido, mas ela não percebeu.


Sigo adiante e percebo meus pés pisarem fundo.


A minha face não sabe a hora de parar, nem deseja o asilo.


Ela só quer se rever no espelho



2 Comentários

  1. se não houverem faces?
    se tudo forem máscaras?
    se nosso nariz do espelho é diverso do nariz que a rua vê?
    e se...?

    lisonjeada por tua visita, volte sempre.

    de verdade.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela visita e o comentário. Voltarei sim.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário