Seguir por e-mail

A menina das queimadas - 2ª Edição

A menina das queimadas - 2ª Edição
Tecnologia do Blogger.

Textos mais lidos

Beijando a flor

Em frente da minha casa há um jardim.

Nele, um beija-flor beija as flores todas às tardes.
Todos os sábados, em frente da minha casa, uma garota colhe  flores.

Houve uma semana que ela, o beija-flor e as flores se encontraram.

O beija-flor percebeu que a garota tinha olhos lânguidos. Correu ao encontro dela e a beijou.

A garota riu, agradeceu.

Disse: você beija todos os dias a sua flor. Eu as colho para o meu amor — os olhos lacrimejaram.

E entendeu o beija-flor.

E assim, combinaram adornar o jardim.

Keinha e os bichos

Lilu
Keinha mora numa casa simples e modesta. Ela é dona de Kika, Lilu e Tininha.
Tininha tem pelo branco com tons pretos intensificados na ponta da cauda. Lilu é um poodle que adora pão com queijo. Kika é paciente, dengosa e remelenta.
Keinha não esconde que Tina é seu xodó, apesar de saber que ela é uma gata ranzinza. Mesmo assim, vive lhe dando dengo, conversando sempre com ela. Costuma pegá-la no colo e apertá-la com carinho. Keinha não se importa de ficar com a roupa cheia de pelos, nem a pele. Quando Tina se posiciona como uma deusa egípcia, Keinha fica admirada com aqueles olhos azuis e amendoados.
Lilu, que de besta não tem nada, saltou no colo dela para disputar o quinhão de amor que lhe pertence, enchendo-a de lambidas. Tina não gostou dessa ideia. Ronronou para ele, iniciando a velha e milenar intriga do gato e do cachorro. Latido de um lado, ronronar do outro. Ela saltou do braço do sofá e foi para a cozinha. Ele saiu latino. Depois voltou e se esparramou no meio da casa com a língua de fora.
Ele queria mais. Para roubar a atenção de Keinha, entrou no quarto, pegou a meia no tênis e saiu correndo pela casa, colocando-a debaixo da cadeira de balanço. Keinha tentou pegar a meia, ele  corria pela casa dando drible nela. Corria de um lado e de outro, até se cansar. Cansado, ele largou a meia no meio da casa.
Não demorou muito. Estavam juntas Kika e Tina. Tina esparramou-se no meio do corredor e cochilava. Lilu se aproximou dela com seus latidos estridentes. Ela se acorda e caminha como uma  tigresa, mas atenta aos movimentos dele. Quando menos se espera, ouve-se: caiiiin.... caiiin.... caiiiin....
Keinha saiu da cozinha para saber o que ouve. Pegou Lilu no colo, acariciou ele, se voltou para Tina dizendo: Menina, não pode fazer isso com seu irmãzinho não! Tina, desconfiada, olha para ela com seus olhos azuis, dá de dorso, entra no quarto, se deita na cama, lambe-se e cochila.
Keinha saiu alvoroçada da cozinha, pegou Lilu no colo, acariciou ele e se voltou para Tina dizendo: Menina, não pode fazer isso com seu irmãzinho não! Tina, desconfiada, olha para ela com seus olhos azuis, entra no quarto, se deita na cama, lambe-se e cochila. 
Tag : ,

Sabor de acerola


Hoje eu ri. Mas a noite não é minha.
Foi dela.

Quando a vi, meu corpo se inquietou. Teria tantas coisas para dizer a ela. A voz, no entanto, se embargou. 
Sem solução, chupei acerola e procurei nas sementes um sabor para mim.

03.06.99

O primeiro gole

“Por que meu Deus, eu tenho que sofrer tanto assim nessa vida? Fui um bom filho. Sempre cumpri com os afazeres que o meu pai mandava e minha mãe. Por que hoje passo por tanto aperto? Sou um homem já idoso. O cansaço tá comigo e não me larga. Não tenho prazer nenhum na vida. Será que tô pagando pelos meus pecados, sofrendo e gastando o resto dos meus dias num barquinho; pegando uma bobagem aqui outro ali, sol, chuva, chuva, sol pra vê se eu arrumo um bocado e uns trocados? Não tenho nenhuma aposentadura. Se não fosse a ajuda do Governo e dos meus filhos que faz um bico aqui outro ali o que seria de mim? O que ganhei nesta vida? Só doença. Só fiz trabalhar feito um condenado. Pra quê? Não sei mais olhar pra os meus filhos. Nunca dei nada a eles, além de sofrimento e apertos. A minha mulher anda me rejeitando. Só anda com a cara feia. Quando eu vou querer um negocinho com ela, ela me dá às costas. Será que ela tá me traindo?”.

Esses conflitos perturbavam Marlon. Sem olhar para a mulher, pegou o boné e saiu. Para piorar a situação, encontrou Cícero na rua e aceitou o convite deste para ir ao Bar do Primeiro Gole. Por lá conheceu outras histórias iguais ou semelhantes as suas e se acostumou aquele ambiente. Não havia um dia sequer que não chegasse cheirando a pinga. E, o negocinho que ele tanto queria, não teve mais como reclamá-lo. Teria que se contentar com a masturbação.

Vencido, percebeu que nada era como antes. Cabisbaixo, pôs os pés fora do batente, reviu amigos, foi ao bar e gastou todo o dinheiro do aluguel que furtou. Passou a manhã e tarde nesta vida. Ao por do sol, resolveu se banhar no rio São Francisco. 

Ao mergulhar, ouvia uma voz serena e suave chamar por seu nome. Sem perceber a correnteza, ele foi à procura dela e afogou-se numa panela d’água. O corpo nunca foi encontrado. 
Tag : ,

Foi só um olhar

Tudo se iniciou no Bar da Galega. Cátia e Frederico escutavam sertanejo por lá. Riam, beijavam-se e bebiam. Sandro entrou, observou as pessoas, cumprimentou alguns conhecidos e olhou de soslaio para ela. Frederico não gostou do modo como eles se olharam. Amarrou a cara na mesa e bebia com ímpeto.

Passados alguns minutos, ele chamou Cátia de safada, vagabunda e deu um tapa na face dela. Sandro, sem saber os motivos, foi desapartar a briga. Raivoso, Frederico o empurrou, acusando-o de fretar com a mulher dele. Sandro perguntou se ele estava louco, discutiram e os fregueses do bar desapartaram eles. Nisso, Cátia saiu em lágrimas. Inconformado, Frederico foi atrás dela, dizendo:

— Prá onde você vai, sua cachorra. Quando chegar em casa, você me paga. Vagabunda. Só vive dando ousadia a todo mundo que ver pela frente. De hoje não passa. Você me paga.

Ele conseguiu alcançá-la. Pegou-a pelos cabelos, deu-lhe umas bofetadas e saiu rua a cima. Tinha gente que fingia não ver, outras se revoltavam; mas não faziam nada.

Ao chegarem em casa, ele não a poupou. Deu-lhe socos e pontapés, deixando-a indefesa no chão. Possuído pela cólera, foi a cozinha, pegou o facão e desferiu vários golpes sobre ela, dizendo:
— Já faz um tempo que eu vinha olhando para seus pés. Quer me fazer de besta? Você agora vai me trair no inferno, sua vadia.

Morta a vítima, precisava esconder o cadáver. Foi ao quintal, fez uma cova rasa e jogou o corpo nela. Feito isso, tomou banho, mudou de roupa, pegou dinheiro que costumava guardar para esse fim e pensou: “Não vou ser pego por assassinar aquela cachorra”. Quando pôs os pés fora do batente, deu-se de cara com a polícia de arma em punho pedindo para ele não reagir.




Tag : ,

Última dor da existência

Ela estava sentada no batente da porta. Face voltada para a calçada e entre os dedos o cigarro.
O cigarro, quando posto entre os lábios, estremecia. Nela havia uma solidão e o seu mundo estava desarranjado. A mente muitas coisas fazia, participava no cubículo do seu ser.
Passavam-se as horas.
Passavam pessoas. Só não passava aquela angústia, aquela dor, a última que alguém pode sentir nesta vida.
Só o cricrilar fazia-se presente no fechar e abrir dos dias.
Tag : ,

A minha gata

Kika
A minha gata vive atrás de mim, toda dengosa. Mas o dengo dela tem explicação: é a fome. A minha outra gata afirma que não é nada disso, mas amor.

Acontece que a minha gata faminta quando está com o bucho cheio, me trai. Imagine: ser traído por um bucho cheio! E essa traição arranca risos da outra gata.
Tag : ,

II Gerarte

Gerarte - Maceió - AL
A convite da professora Dilma Marinho de Carvalho, participei do II Gerarte (Gera Arte: Literatura, Música e Teatro) na cidade de Maceió – Alagoas. O evento foi organizado pela Escola Estadual Geraldo Melo dos Santos. O tema do II Gerarte foi: Mestre Graça foi a praça. 

O objetivo do evento é trazer temas do passado como a fome, a seca, a gravidez precoce, a violência e outros com a realidade dos alunos para que eles possam comparar épocas, refletir sobre elas e distinguir se houve mudanças relevantes.

Pça. de Eventos
O evento se início às 17:00 h e foi concluído às 10:00 h. Obras de Graciliano foram homenageadas e encenadas, mas outros autores foram lembrados, a exemplo de João Cabral de Melo Neto, José Américo de Almeida, Raquel de Queiroz etc. Poesias foram recitadas, músicas de Luiz Gonzaga cantadas por alunos... Segundo a professra Dilma, “o Gerarte surgiu depois de a escola passar por um período de violência, quando professores foram ameaçados, alunos brigavam no pátio e um aluno tocou fogo no banheiro”.


Desde que surgiu e com ele outras atividades, a escola tem colhido os resultados: a violência acabou, a comunidade se envolveu com as atividades escolares e o ambiente escolar voltou ao normal. E eu estive por lá, observando a participação dos alunos, as barracas temáticas, o ir e vir das pessoas; enquanto outras assistiam as apresentações.

Ronaldo e a Profª. Esp. em LB Dilma M. de Carvalho

Ronaldo e a Professora Dra. Eliana - UFAL
Ronaldo e o escritor Linaldo Santos
O autor e a professora Débora Santos
Aluna lê A menina das queimadas

Tag : ,

Na sala

Estava na sala de espera. Pessoas viam, outras iam. Cada uma carregava em si ou na carne a sua história. As faces eram variadas, na variedade de cores que só os males imprimem no corpo. Aquele aspecto macambúzio me fez pensar na existência humana.

O vento seco do ventilado batia na minha face, provocando a minha rinite. Uma música de súplica cristã invadia os meus tímpanos, transformando-me em um filósofo de chinelo de dedo.  Não demorou muito tempo aquele estado de filosofia barroca. Uma criança chorava, um idoso estava no corredor numa maca, um jovem ensanguentado passava desmaiado.

Diante de tantas pessoas que buscavam para si ou para outrem alívio para suas dores, cura para seus males; entendi que o ser humano não passa de uma espécie atrasada e doente. Mas grave que isso era saber que boa parte dela cultiva sentimentos tolos e vis.

Eu ficava na perspectiva de ser atendido, até porque o meu estômago dava os primeiros roncos de fome. 
Tag : ,

Quando se morre antes de nascer

O escritor nasce antes da leitura, mas sem ela; ele não se torna escritor. A leitura é essencial, nem que seja a do mundo. Ronperlim

Aos que sentem necessidade de externar sentimentos utilizando a escrita como veículo, deve está atento a si, ao mover das coisas do mundo e serem capazes de perceber quais sentimentos, quais coisas devem ser materializadas através da palavra.
Muitos chamam isso de inspiração. Outros acham que é um dom ou o “santo” que baixou. Não costumo atribuir à escrita, literária ou não, nenhum atributo espiritual e privilegiado de alguns. A minha experiência diz que a inspiração é a releitura de leituras anteriores e muito trabalho. 
A primeira formação do escritor parte de dentro para fora, onde os conhecimentos técnicos para a produção de textos nada adiantará a escrita se o escritor não aguçar a sua sensibilidade. Primeiro aguçasse a sensibilidade, depois, aplica-se as técnicas para que o texto chegue pronto até o leitor.
A técnica é útil, importante; mas deve se ajoelhar ante a sensibilidade para que a escrita ande. O leitor deve perceber vida, emoção nos parágrafos, no andar da história. Se o texto lido for maçante, ele não lerá um capítulo.
Cabe ao escritor dar ao leitor o que ele necessita: reflexão e entretenimento. Sem esses elementos, nenhuma escrita pode ser considerada literária. Por mais capacidade sensível que tenha o aspirante a escritor, necessitará ele dos conhecimentos que dominam a língua. Sem esses conhecimentos, ele não comunicará. Simplesmente morre antes de nascer.





Tag : ,

- Copyright © Blog do Ronperlim - Skyblue - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -