20 de ago de 2015

Existe literatura feminina?


Ana Martins Marques concedeu entrevista ao Suplemento Pernambuco. Em uma das indagações, ela opina sobre a literatura feminina. Confira!

Vou te encaminhar uma pergunta que me fizeram em uma recente mesa com outros escritores (todos homens): existe literatura feminina? E mais: existe literatura feminista? E além: a militância em uma causa é essencial à literatura?

Pessoalmente sempre me incomodou que a recepção da literatura escrita por mulheres ficasse frequentemente atrelada à questão do “feminino”, que essa fosse quase sempre a questão de início, o que nunca acontece em relação à literatura escrita por homens. Nunca vi nenhum homem ter que responder se, afinal, existe ou não existe “literatura masculina”. O fato de um escritor ser homem não é considerado uma idiossincrasia, uma singularidade, e a literatura escrita por homens nunca ou quase nunca é lida como “literatura masculina” (ela é lida como “universal”, embora “masculino” e “masculinidade” sejam posições tão construídas quanto “feminino” e “feminilidade” e embora obviamente seja possível detectar marcas de uma “experiência masculina” em textos escritos por homens). Para mim a escrita literária é um lugar de deslocamento, de invenção, de alteridade; me interessa pensar a literatura como esse lugar instável em que as identidades são colocadas em xeque, ou são expostas em toda a sua força de metamorfose – um lugar em que a identidade não se “expressa”, mas se “inventa”, se “joga” –, e sobretudo acredito que o poder e a radicalidade da literatura dependem de que ela não seja redutível a um discurso, seja sociológico, seja filosófico ou moral; de que ela não seja lida como mero veículo ou suporte de um discurso prévio, por mais bem-intencionado que ele seja. Isso obviamente não me impede de notar o quanto o sistema literário, apesar da ampliação expressiva da presença das mulheres, ainda se mantém em muitos aspectos predominantemente masculino. Publicar é fazer uma intervenção no espaço público, é tornar público, e o espaço público foi por muito tempo reservado aos homens e ainda é em grande parte masculino, embora isso esteja felizmente mudando. Então eu tenho em relação a essa questão uma posição um pouco ambivalente (e talvez propositalmente e necessariamente ambivalente): me interessa afastar certos rótulos rápidos e a postulação de posições identitárias rígidas ou de uma “essencialidade” feminina que se manifestaria nos textos escritos por mulheres, e ao mesmo tempo assumir uma atenção crítica em relação às questões de gênero no espaço literário, que inclui não somente os textos propriamente ditos, mas as instâncias de legitimação, as editoras, o jornalismo cultural, as escolas, a universidade, a historiografia e a crítica literárias, os festivais, as premiações.


Existe literatura feminina? Leia mais!

Travessia de abismos


CONVITE

O poeta Cleberton Santos e a Editora Via Litterarum convidam você para o lançamento-recital do livro “Travessia de abismos”.

Participação especial do músico feirense Tito Pereira.

Dia: 04 de setembro de 2015

Horário: 19:00

Local: Radiola Lanchonete Cultural

(próxima ao Mercantil na Av. Maria Quitéria – Feira de Santana)

(Entrada livre)


SOBRE O LIVRO “TRAVESSIA DE ABISMOS”



Livro: “Travessia de abismos” (poemas)

Autor: Cleberton Santos

Prefácio: María Pugliese (Argentina)

Posfácio: José Geraldo Neres (São Paulo)

Orelha: Ísis Moraes, Gabriel Gomes (Bahia)

Ilustração da capa: Nanja Brasileiro (Feira de Santana)

Fotografia: Emanuel Fonseca (Bahia)

Editora: Via Litterarum (Ibicaraí-Bahia)

Dedicado ao poeta Reynaldo Valinho Alvarez & Maria José de Sant’Anna Alvarez


O novo livro do poeta Cleberton Santos apresenta 60 poemas de tonalidade filosófica que refletem sobre a travessia da existência humana e sua profunda relação com a criação literária. O poder da linguagem humana em sua fonte mais profunda: o mistério da palavra poética. Com o projeto editorial da Editora Via Litterarum, o livro tem uma belíssima capa ilustrada pela artista plástica feirense Nanja Brasileiro, um posfácio em prosa poética do escritor paulista José Geraldo Neres e um prefácio da professora, escritora e tradutora argentina María Pugliese.

Cleberton Santos é poeta, crítico literário e professor do IFBA. Mestre em Literatura e Diversidade Cultural pela UEFS. Autor dos livros “Ópera urbana” (poesia, 2000), “Lucidez silenciosa” (poesia, 2005) “Cantares de roda” (poesia, 2011), “Aromas de Fêmea” (poesia, 2013), "Estante Viva” (crítica literária, 2013) e "Travessia de abismos" (poesia, 2015). Tem artigos e poemas publicados em várias antologias e jornais do Brasil e do exterior. Edita o blog http://clebertonsantos.blogspot.com.br


Radiola Lanchonete Cultural



Travessia de abismos Leia mais!

25 de jul de 2015

Entrevistado pela Rádio Propriá FM - SE

Entrevistado pela Rádio Propriá FM - SE Leia mais!

12 de jul de 2015

Céu de caibros


O rádio toca. As pessoas conversam distraidamente. Uma lagartixa tomou para si a parede e se confundiu com ela, hipnotizando um mosquito. Lá fora os carros passam com estupidez. É Domingo.

A cozinheira está pondo o jantar. Todos se reúnem em torno da mesa. Valores góticos e contemporâneos se colidem, seguidos de ofensas. Do lado do pote uma formiga bebe água. O nariz do gato é róseo. Em meio à confusão, ele fica grilado em nós.

Sem causa, elas brigam, irritam-se. As formigas se cumprimentam. A aranha lança sua rede. Pescará o quê? Um mosquito, uma mosca perdida na noite. Não sei. Sei que a rede posta entre um caibro e uma ripa pesca os desencontros que saiam de cada língua.

Um barulho freia os ânimos. Os olhos diminuíram de raiva. Todos foram à porta. Era uma carreata politica descendo pela avenida. Voltaram. Ficaram soltos na sala.

Em seguida, cada qual saiu aos seus hábitos. Mônica foi para a cozinha. Papai foi assistir ao jornal. Eu liguei o som do quarto e por lá mesmo me entreti até o sono.
Céu de caibros Leia mais!

2 de jul de 2015

Quando um rascunho vira literatura


Por Simone Magno em Pequena Morte.
 
Pergunto a uma poeta que acaba de lançar seu segundo livro o quanto ela escreve por mês. “Geralmente um poema. Às vezes, nenhum”, me responde. Fico refletindo sobre a necessidade de cada escritor na hora de colocar no papel o que lhe vem à cabeça. Porque as ideias vêm e vão a todo tempo, basta respirar. Uma frase surge do nada, uma imagem que encadeia toda uma história, uma lembrança que insiste em voltar. Mas não basta separar o joio do trigo; é preciso saber o melhor momento de colocar no papel e perceber quando de fato o que não passa de palavras rabiscadas ao vento se transforma em literatura.

Quando isso acontece? Quando os versos se juntam e passam a se denominar um poema? Quando um texto ganha voz e passa a ser uma narrativa literária? Antes do editor, a palavra é do autor, que tem o poder de definir sua matéria prima.

Alguns escrevem e não mexem mais – acreditam que se veio assim, está pronto. Outros terminam um romance – ou um poema, ou um conto – e deixam “na gaveta”, imagem meramente metafórica com a tecnologia de hoje, mas que antigamente significava que o texto manuscrito ficava mesmo guardado, à chave, de preferência, por uns meses, até que o autor se dispusesse a dar uma olhada no texto, com um certo distanciamento, e ter certeza de que ali havia mesmo algo de qualidade. Hoje a gaveta virou um arquivo no computador, mas as questões continuam as mesmas: isso é bom? Eu me orgulho de ter escrito essas palavras? Devo publicar? E a pergunta principal: alguém vai se interessar? Duas respostas positivas bastam para a próxima etapa: mostrar.

Um dos maiores escritores brasileiros trabalhava em um romance durante uma viagem de navio, e para não perder o que havia feito, enviava os originais diariamente para a filha via fax, quando o aparelho ainda se popularizava. Mandava tantas páginas que a companhia marítima achou aquilo esquisito e quis saber se havia algum problema com o passageiro. Além de um leitor, o escritor também buscava segurança. Imagino o pânico de um escritor nos tempos pré-carbono, pré-xerox, em que os originais eram realmente únicos, manuscritos.

Atualmente, no entanto, estas etapas muitas vezes são puladas por conta da internet, já que há livros de contos que começaram em posts de blogs, e romances também saídos da web, em capítulos, como nos antigos folhetins dos tempos vitorianos. Até os 140 caracteres do twitter podem ser literatura. Por que não? Mas isso é assunto para outra coluna. A ideia é falar aqui neste espaço sobre modos de escrever, ler, perceber e curtir os livros – que podem estar no papel ou não.

contato: simone.magno@gmail.com

 
Quando um rascunho vira literatura Leia mais!

20 de jun de 2015

A arte de ler


 
Por Braulio Tavares

A primeira metade do trabalho do escritor é a leitura. Ninguém é escritor sem ler. É um vestíbulo que todo escritor tem de atravessar. Digo essa obviedade gigantesca porque toda hora estou conversando com pessoas que querem ser escritores mas dizem que “não tem tempo para ler”, ou então folheia nas livrarias coisas escritas por pessoas que, na melhor das hipóteses, leem livros de receitas, guias de viagem e colunas sociais.
Ler variadamente. Escrever literatura exige que se leia muita literatura, não somente no sentido de grande quantidade. Romances, crônicas, poesias: se você lê com frequência e prazer todos estes gêneros, são maiores as chances de que consiga escrever bem cada um deles.

(...)

Revista Língua Portuguesa. Ano 9. Nº 102. Abril de 2014. pp. 32-33.
A arte de ler Leia mais!

31 de mai de 2015

Como evitar a escrita didática e estereotipada?



Nenhum texto é inocente e livre de ideologia, mas o escritor precisa privilegiar o trabalho com a palavra, o modo de contar. A literatura pode humanizar as pessoas e fazê-las pensar, questionar, sonhar, imaginar, ter mais criatividade, sentir incômodo, ver que a vida é trágica, ficar mais consciente, não se conformar com a realidade e reinventar o mundo (Grifo meu). Isso não se consegue com textos cheios de estereótipos, lições de moral, didatismo e comportamentos politicamente corretos. É preciso que o texto tenha vozes, lacunas e vazios para o leitor preencher. O leitor é coautor. É ele quem vai terminar a história ou o poema, a partir das tragédias e alegrias da sua vida. Surpreender o leitor, romper suas expectativas, revolucionar um pouco a sua vida, tudo isso é arte literária. As armadilhas moram na linguagem pobre (a simplicidade é uma arte, mas a pobreza não!), no lugar-comum e na intenção clara de agradar, seguindo modismos.


REZENDE, Stella Maris. Língua Portuguesa. Ano 9 – Número 110 – Dezembro de 2014. P. 13.
Como evitar a escrita didática e estereotipada? Leia mais!

16 de mai de 2015

Pés e pneus

A brisa. A árvore. Os pardais. Pés e pneus chegam. Esperam de pé e de pneu. Vozes se cruzam. Gargalhadas. Murmúrio. A sirene toca. O portão se abre. As bolsas saem. Crianças são tomadas pelas mãos. Crianças riem. Outras não. Adultos riem. Outros não. A briga. A brisa.
Pés e pneus Leia mais!