12 de dez de 2014

Livro Viu o home?

Acaba de ser publicado o livro “Viu o home?”, de autoria de Ronperlim. Esse livro é uma coletânea de crônicas publicadas no site Tribuna da Praia desde 2007.
Viu ohome? agradará a todos que gostam de um bom texto, especificamente aqueles que se interessam pela política. As personagens e ambientes têm como inspiração o Baixo São Francisco.

Sobre o livro:

A expressão Viu o home? é muito comum nas cidadezinhas. Ela identifica e valoriza os gestores públicos municipais.
É conhecido de quem fala e de quem ouve, além de expressar uma maneira de respeito, apreço. De forma geral, é a identidade de quem exerce o poder político e é conhecido da população.
O home, visto como alguém capaz de solucionar problemas de caráter político e eleitoral; mesmo que para isso seja necessário quebrar regras, desrespeitar costumes, violar leis. E deve estar pronto para isso.
É alguém supervalorizado, endeusado, cobiçado pelas vantagens que pode propiciar. Por isso não lhe falta camarilha, financiadores, nem os paparazzi das línguas.
O home é a expressão centralizadora, de decisão final, de liberação, de benefícios, favores, repreensão, afronta, crueldade, perseguição e endeusamento atribuídos aos empregados eletivos. É isso que você lerá neste livro.

Ficha do livro:
Titulo: “Viu o home?”
Autor: Ronperlim
Editora: Letras e Versos
Nº páginas: 87
Preço: R$ 20,00



28 de nov de 2014

Agente Literário. O que é?

A dica de hoje é sobre os agentes literários. Para compreender com maior clareza esta profissão, desconhecida da maior parte dos jovens escritores, assista ao vídeo. Ouça as experiências desse s profissionais do mundo dos livros.

agentes from Agência Riff on Vimeo.

22 de nov de 2014

Ficção em tópicos

O Ficção em Tópicos é um site destinado para autores jovens e para aqueles que também escrevem, mas que ainda não se ateve a importância das técnicas que são úteis para quem lida com a palavra.

Ele é mantido por Diego Schutt que é publicitário, escritor e especialista em storytelling e criação de universos de ficção.

Ao navegar pelo site, você encontrará dicas sobre como iniciar uma história, construir  personagens, estruturas de enredos, cursos e serviços prestados por Diego e muito mais.

Há, também, o e-book Palavras de Mestre disponível para download. O livro reúne conselhos, dicas de escritores consagrados como Lia Luft, Eliana Brum etc.


Vale a pena fazer uma visita, remar por lá, descobrir novas ideias e sugestões reservados para você que quer adentrar no mundo dos livros e da ficção.

15 de nov de 2014

O mito do bestseller

No marcador Jovem Autor falo um pouco sobre Laura Bacellar e sua larga experiência com livros. Por isso, compartilho com vocês este vídeo com dicas interessantes sobre se tornar um bestseller. Confira!

6 de nov de 2014

O crime misterioso

A convite da direção da Escola Santa Terezinha, em Porto Real do Colégio – AL no dia 31 de outubro de 2014 estive por lá para um bate-papo com os alunos daquela instituição.

Antes de iniciar o bate-papo, discorri sobre a importância do livro e da leitura e como ambos são importantes para a vida pessoal e profissional. Após isso, tirei as mais variadas dúvidas sobre o livro A menina das queimadas, o processo de escrita e como se dá o relacionamento do autor com as editoras e outros temas que surgiram.

A tarde naquela instituição foi agradável, pois, fui recepcionado com carinho e curiosidade. E o mais importante de tudo é que todos os alunos leram A menina dasqueimadas e cada um deles queria destacar a parte que mais gostaram do livro.

Quando estava me preparando para vir embora, recebi de presente a cópia do livro O crime misterioso, escrito pelos alunos João Paulo e Geovana.

O livro se inicia com o roubo da aposentada Ana Paula. Movida pela curiosidade, Roberta se dirige para o local do crime. Reconhece quem atacou Ana Paula e quando resolve falar, é alvejada, vindo a óbito. A partir daí, inicia-se uma busca frenética para se descobrir quem matou Roberta.

O livro é matéria bruta. Precisa de lapidação.

A história, mesmo nessa fase, merece atenção. Sua estrutura foi escrita para o teatro. Ela necessita de alguns ajustes no enredo para chegar até o leitor.

De qualquer forma, foi um passo importantes para esses jovens escritores.

Quero dizer a João Paulo e Geovana que fiquei feliz por vocês terem se iniciado no mundo maravilho dos livros e que a escrita se desenvolve com a prática diária.




5 de nov de 2014

A cadeira de balanço de Sophós

Sophós estava na companhia de alguns conhecidos, mas seus pensamentos estavam dispersos. Cutucado por alguém, não deu importância. Levantou-se, cumprimentou a todos e se foi. Alguns fizeram mal, resmungando entre si.

Em casa, sentou-se na cadeira de balanço. Pensava:


"Não me adapto ao meio. O meio que é meu e que está fora de mim. Eu diferente, indiferente as faces que me roubam. Roubam os instantes pequenos, deixando-me só. A luz dos meus olhos percorrem sobre letras flutuantes e o vento alisa as folhas uma nas outras, numa brilheza. A folha amarela cai dentro de mim, porque ali não é a sua última fase.

Eu caminho suspenso e nada encontro. Todas as formas possíveis, todas as falas e palavras estão contidas e variadas nas cores de mim. Eu caminho, não numa estrada; mas por dentro de mim e por todas as partes e tropeço em uma interrogação.

Eu não vejo nada dentro de mim, a não ser eu. Unicamente eu, puro e original. O mundo de fora que espere, na porta, em silêncio e nos desencontros. Não sou culpado, e a culpa para mim é tolerar o absurdo.

Amanhã estarei outro dia e serei cheio de sol. Estarei no sono e estarei com os olhos abertos para mim".

E permaneceu bastante tempo ouvindo o cricrilar, o coaxar das suas reflexões, do seu jeito de ser naquele momento...