16 de set de 2012

Escrever não é um dom

[1]“E para escrever um texto literário não precisa nascer com o dom (negrito meu) divino, porque o dono do texto já não é mais quem escreve, mas quem o lê. Ninguém nasce sabendo criar textos, músicas, por maior que seja a capacidade e potencial criativos. O futuro escritor para chegar a produzir textos literários, passa a ser aprendiz de escritor, como em todas as profissões (negrito meu)
Eu comecei a escrever desde cedo, por volta dos dezoitos anos, em cadernos escolares 15 por 21 e tinha preferência por canetas de bico fino porque elas propiciam uma escrita mais suave. Ao todo, eu tenho sete cadernos, duas agendas e uma caderneta espiral transbordando letras. Ainda mantenho o hábito de andar com papel e caneta para esse fim.

Eu tenho textos do início de meus escritos que não servem para concorrer ao mais singelo concurso literário. Querem saber por quê? Porque eles não foram inspiração divina, mas escrito por um pequeno escritor que percebia o mundo e não sabia expressá-lo de forma adequada. Faltava-me intimidade, amizade com as palavras. E esses substantivos só foram acrescidos a minha vida literária quando eu passei a me dedicar à leitura da gramática, de bons autores de literatura, jornais, revistas, sites e blogs de assuntos diversificados. Com o passar dos anos a minha escrita atual se distanciou da nascitura de tal forma que já me rendeu resultados positivos em concursos literários e elogios de alguns editores.

Ao ler isso, alguém pode se perguntar qual a relação do meu hábito de escrita com a palavra dom. A resposta é simples: escrever é uma coisa do espírito humano que se aprende com a prática da leitura e da escrita diária. Se assim não fosse, bastaria uma inspiração divina e tudo seria perfeito, pois, a própria doutrina cristã afirma que Deus não dar com imperfeição ou pela metade.

Por que todo mundo não escreve? Porque falta o domínio da palavra. Porque falta a intimidade com a palavra. E para se tornar escritor é necessário compreender a importância da palavra na vida íntima e social de cada um.

Portanto, não existe dom com o sentido de dádiva, presente divino passando a falsa ideia de que escritores são seres iluminados, escolhidos a dedo por Deus para comunicar. A escrita literária é árdua, pois, trata-se de uma arte escrita e reescrita até chegar a “perfeição”, como nos ensina Graciliano Ramos: “Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou no riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer”.

Diante disso, prefiro as lavadeiras a me enganar que irei receber o manar das palavras.


[1] Ortencio, Bariani. Você gostaria de escrever um livro? Cartilha do pré-escritor. Brasília: Tresaurus, 2009. Pp. 32-33.




6 comentários :

  1. Ola, penso que em toda expressão humana existe uma arte e esta é feita de treino. Pertinente teu texto. Um excelente final de semana.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Luciene pela visita e comentário. Pois é, eu acredito na prática, na busca diária.

      Excluir
  2. Eu não quero concorrer,quero sem correr,somente esvaziar um pote cheio de duvidas,onde uso letras enquanto aprendo libra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vinda a minha página e esvazie os seus potes. Até mais!

      Excluir
  3. Olá, como vai? :)

    Gostei muito das suas colocações, concordo contigo. É fato que alguns tem mais facilidade e um talento diferenciado, mas é possível chegarmos ao mesmo nível com a prática. Vejo por experiência própria, minhas postagens no início desta vida blogosférica eram bem confusas e repletas de erros... Hoje, 2 anos depois já melhorei um pouco, aprendi a me expressar melhor, estou aprendendo mais sobre regras, pontuação, etc e ficando mais á vontade e clara em meus argumentos :)
    A prática constante sem dúvidas contribui muito para nossa evolução :)

    Grande abraço e boa semana :)

    ResponderExcluir
  4. Samanta, obrigado pelo comentário. Estive em seu blog e dele me agradei pela forma como você aborda conceitos da blogosfera.

    Abraço!

    ResponderExcluir