Mostrando postagens com marcador Jovem Autor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jovem Autor. Mostrar todas as postagens

2 de jul de 2015

Quando um rascunho vira literatura


Por Simone Magno em Pequena Morte.
 
Pergunto a uma poeta que acaba de lançar seu segundo livro o quanto ela escreve por mês. “Geralmente um poema. Às vezes, nenhum”, me responde. Fico refletindo sobre a necessidade de cada escritor na hora de colocar no papel o que lhe vem à cabeça. Porque as ideias vêm e vão a todo tempo, basta respirar. Uma frase surge do nada, uma imagem que encadeia toda uma história, uma lembrança que insiste em voltar. Mas não basta separar o joio do trigo; é preciso saber o melhor momento de colocar no papel e perceber quando de fato o que não passa de palavras rabiscadas ao vento se transforma em literatura.

Quando isso acontece? Quando os versos se juntam e passam a se denominar um poema? Quando um texto ganha voz e passa a ser uma narrativa literária? Antes do editor, a palavra é do autor, que tem o poder de definir sua matéria prima.

Alguns escrevem e não mexem mais – acreditam que se veio assim, está pronto. Outros terminam um romance – ou um poema, ou um conto – e deixam “na gaveta”, imagem meramente metafórica com a tecnologia de hoje, mas que antigamente significava que o texto manuscrito ficava mesmo guardado, à chave, de preferência, por uns meses, até que o autor se dispusesse a dar uma olhada no texto, com um certo distanciamento, e ter certeza de que ali havia mesmo algo de qualidade. Hoje a gaveta virou um arquivo no computador, mas as questões continuam as mesmas: isso é bom? Eu me orgulho de ter escrito essas palavras? Devo publicar? E a pergunta principal: alguém vai se interessar? Duas respostas positivas bastam para a próxima etapa: mostrar.

Um dos maiores escritores brasileiros trabalhava em um romance durante uma viagem de navio, e para não perder o que havia feito, enviava os originais diariamente para a filha via fax, quando o aparelho ainda se popularizava. Mandava tantas páginas que a companhia marítima achou aquilo esquisito e quis saber se havia algum problema com o passageiro. Além de um leitor, o escritor também buscava segurança. Imagino o pânico de um escritor nos tempos pré-carbono, pré-xerox, em que os originais eram realmente únicos, manuscritos.

Atualmente, no entanto, estas etapas muitas vezes são puladas por conta da internet, já que há livros de contos que começaram em posts de blogs, e romances também saídos da web, em capítulos, como nos antigos folhetins dos tempos vitorianos. Até os 140 caracteres do twitter podem ser literatura. Por que não? Mas isso é assunto para outra coluna. A ideia é falar aqui neste espaço sobre modos de escrever, ler, perceber e curtir os livros – que podem estar no papel ou não.

contato: simone.magno@gmail.com

 
Leia Mais ►

20 de jun de 2015

A arte de ler


 
Por Braulio Tavares

A primeira metade do trabalho do escritor é a leitura. Ninguém é escritor sem ler. É um vestíbulo que todo escritor tem de atravessar. Digo essa obviedade gigantesca porque toda hora estou conversando com pessoas que querem ser escritores mas dizem que “não tem tempo para ler”, ou então folheia nas livrarias coisas escritas por pessoas que, na melhor das hipóteses, leem livros de receitas, guias de viagem e colunas sociais.
Ler variadamente. Escrever literatura exige que se leia muita literatura, não somente no sentido de grande quantidade. Romances, crônicas, poesias: se você lê com frequência e prazer todos estes gêneros, são maiores as chances de que consiga escrever bem cada um deles.

(...)

Revista Língua Portuguesa. Ano 9. Nº 102. Abril de 2014. pp. 32-33.
Leia Mais ►

31 de mai de 2015

Como evitar a escrita didática e estereotipada?



Nenhum texto é inocente e livre de ideologia, mas o escritor precisa privilegiar o trabalho com a palavra, o modo de contar. A literatura pode humanizar as pessoas e fazê-las pensar, questionar, sonhar, imaginar, ter mais criatividade, sentir incômodo, ver que a vida é trágica, ficar mais consciente, não se conformar com a realidade e reinventar o mundo (Grifo meu). Isso não se consegue com textos cheios de estereótipos, lições de moral, didatismo e comportamentos politicamente corretos. É preciso que o texto tenha vozes, lacunas e vazios para o leitor preencher. O leitor é coautor. É ele quem vai terminar a história ou o poema, a partir das tragédias e alegrias da sua vida. Surpreender o leitor, romper suas expectativas, revolucionar um pouco a sua vida, tudo isso é arte literária. As armadilhas moram na linguagem pobre (a simplicidade é uma arte, mas a pobreza não!), no lugar-comum e na intenção clara de agradar, seguindo modismos.


REZENDE, Stella Maris. Língua Portuguesa. Ano 9 – Número 110 – Dezembro de 2014. P. 13.
Leia Mais ►

25 de abr de 2015

Nenhum artista domina sua arte


José Castello, escritor.


"Nenhum artista domina sua arte. Há a frase infernal de Clarice Lispecto, que não cessa de assombrar os escritores: 'Não sou eu que escrevo meus livros, são eles que me escrevem'. Um escritor pode dominar uma língua, pode dominar técnicas de narrativa, pode dominar conhecimento literário. Nada disso garante que ele seja um escritor. O escritor que espera dominar sua arte está condenado. A quê? A ser tudo, menos um escritor. Consola-se com um ideal inatingível, mas tudo o que escrever estará aquém desse ideal. Cria, na verdade, uma mordaça para si mesmo. Corre o risco de, um dia, desistir de escrever. De matar o escritor que carrega dentro de si".

QUIROGA, Horácio. Decálogo do perfeito contista. Organizadores: Sérgio Faraco & Vera Moreira. Comentarios Aldyr Garcia Sclee et al. Porto Alegre, RS: L&PM, 2009. p. 30.
Leia Mais ►

22 de nov de 2014

Ficção em tópicos

O Ficção em Tópicos é um site destinado para autores jovens e para aqueles que também escrevem, mas que ainda não se ateve a importância das técnicas que são úteis para quem lida com a palavra.

Ele é mantido por Diego Schutt que é publicitário, escritor e especialista em storytelling e criação de universos de ficção.

Ao navegar pelo site, você encontrará dicas sobre como iniciar uma história, construir  personagens, estruturas de enredos, cursos e serviços prestados por Diego e muito mais.

Há, também, o e-book Palavras de Mestre disponível para download. O livro reúne conselhos, dicas de escritores consagrados como Lia Luft, Eliana Brum etc.


Vale a pena fazer uma visita, remar por lá, descobrir novas ideias e sugestões reservados para você que quer adentrar no mundo dos livros e da ficção.
Leia Mais ►

2 de mar de 2014

Quando se morre antes de nascer

O escritor nasce antes da leitura, mas sem ela; ele não se torna escritor. A leitura é essencial, nem que seja a do mundo.  

Aos que sentem necessidade de externar sentimentos utilizando a escrita como veículo, deve está atento a si, ao mover das coisas do mundo e serem capazes de perceber quais sentimentos, quais coisas devem ser materializadas através da palavra.
 
Muitos chamam isso de inspiração. Outros acham que é um dom ou o “santo” que baixou. Não costumo atribuir à escrita, literária ou não, nenhum atributo espiritual e privilegiado de alguns. A minha experiência diz que a inspiração é a releitura de leituras anteriores e muito trabalho. 
 
A primeira formação do escritor parte de dentro para fora, onde os conhecimentos técnicos para a produção de textos nada adiantará a escrita se o escritor não aguçar a sua sensibilidade. Primeiro aguçasse a sensibilidade, depois, aplica-se as técnicas para que o texto chegue pronto até o leitor.
A técnica é útil, importante; mas deve se ajoelhar ante a sensibilidade para que a escrita ande. O leitor deve perceber vida, emoção nos parágrafos, no andar da história. Se o texto lido for maçante, ele não lerá um capítulo.
 
Cabe ao escritor dar ao leitor o que ele necessita: reflexão e entretenimento. Sem esses elementos, nenhuma escrita pode ser considerada literária. Por mais capacidade sensível que tenha o aspirante a escritor, necessitará ele dos conhecimentos que dominam a língua. Sem esses conhecimentos, ele não comunicará. Simplesmente morre antes de nascer.





Leia Mais ►

2 de dez de 2013

Por que ler contos

Elias José

O escritor Mário de Andrade dizia: conto é tudo o que você chamar de conto. Não esclareceu muita coisa, não acha?

Vamos falara mais claro: conto é uma narrativa que pode ser contada oralmente ou por escrito. Pode-se dizer que o ser humano já surgiu contando contos. Tudo o que via, descobria ou pensava dava origem a uma história, que ele aumentava ou modificava usando sua imaginação. Antes do surgimento da escrita, os desenhos nas cavernas foram uma maneira de registrar essas histórias.

Mas aqui vamos tratar do conto escrito. O conto é mais curto do que a novela e do que o romance. Tem um número reduzido de personagens e conta apenas uma história, que se passa num curto espaço de tempo e em poucos lugares. Essas personagens podem ser pessoas, bichos ou máquinas e elementos da natureza que adquirem vida. Os contos podem ser românticos, de aventura, de terror. Também há os contos psicológicos, que falam mais do interior das personagens, do que elas sentem. Os contos maravilhosos são contos de fadas e bruxas, reis e rainhas, príncipes e princesas. Alguns contos narram histórias que, mesmo não sendo verdadeiras, poderiam muito bem ter acontecido na vida real. Outros se inspirem em histórias verdadeiras para criar situações absurdas, totalmente imaginárias, que nunca poderiam acontecer na realidade. Enfim, há contos de todos os tipos.

Geralmente o conto não tem uma história muito movimentada. Ele deixa transparecer mais os sentimentos das personagens do que suas ações. Por isso, ele faz pensar, despertar alegria ou tristeza, faz o leitor sentir o gosto de se emocionar.

ORTHOF, Sylvia et al. A garupa e outros contos. São Paulo: Martins Fontes, 2002 – (Coleção Literatura em Minha Casa: v. 2).



Leia Mais ►

26 de set de 2013

Por que ler novelas


(…). O que é uma novela? Novela narra um episódio fictício, isto é, imaginado, escrito em prosa e não em versos.

A novela é diferente do conto e do romance. Ela pode ser curta ou longa, mas sempre conta uma só história e todos os acontecimentos que vão se desenrolando em torno dela. Em geral é movimentada e se prende mais à ação das personagens. O conto é uma narrativa mais curta e enxuta, que mostra mais os sentimentos e as emoções íntimas das personagens e várias histórias que se entrelaçam.

Novela em livro tem a ver com novela em televisão? Tem sim, principalmente na maneira de o autor armar e conduzir a história e de criar as personagens. Além disso, nos dois tipos de novela a divisão em capítulo também é feita de maneira muito semelhante. Você já notou que, na televisão, cada capítulo de uma novela acaba no clímax, quer dizer, no ponto que mais despertou a sua curiosidade, deixando você ansioso para saber como continua a história?

(…)

Ler uma boa novela é uma maneira gostosa de viajar e se divertir, sem sair do lugar. É uma aventura do espírito, um jeito de descobrir e conhecer ricos mundos imaginários, que podem ser alegres, tristes, engraçados ou ameaçadores, mas, quando a novela é bem escrita, sempre muito atraentes.

JOSÉ,Elias. O fantasma no porão. Ilustração Evandro Luiz. São Paulo: Martins Fontes, 2002. (Coleção literatura em minha casa: v. 3).  
Leia Mais ►

1 de jul de 2013

Escritor, tenha paciência!


Márcia Tiburi é escritora, filósofa. Nesta entrevista, ela recomenda duas coisas para quem pretende o mundo da escrita: paciência e humildade. Acesse o vídeo e acresça conhecimento a sua vida.

Leia Mais ►

13 de abr de 2013

Sobre 2615-15



Eu não escrevo por hobby. Eu não escrevo para doar livros a parentes, amigos, conhecidos ou seja lá quem for no intuito de receber deles elogios. Eu escrevo para vender, ser lido, ser útil.
Escrever é uma atividade árdua. Requer tempo, concentração, conhecimento da língua, do mundo, dos livros e exige técnicas. Além da preparação do conteúdo material. 
Leia Mais ►

17 de fev de 2013

Escrever não é um dom – Conclusão


 Procurei, com base nas experiências de outros autores e minhas, demonstrar que a escrita literária ou técnica não é um privilégio de poucos ou que tenha uma ligação divina. Para concluir meu ponto de vista, transcreverei experiências próprias:
Antes de participar do prêmio literário Alina Paim, pedi a opinião da professora Dilma Marinho de Carvalho. Ela me aconselhou a melhorar os diálogos, os tempos verbais e sugeriu mudanças em várias partes do livro. Pediu que eu fizesse outra revisão. Disse ela: “Acho que você deve fazer outra revisão, pois há coisas q só o autor pode decidir mudar”.
Não retruquei. Enquanto seguia seus conselhos, percebi que no miolo do livro havia um capítulo deslocado. O que fiz? Sem dó ou piedade, eu o exclui com veemência. Continuei minha revisão, apagando parágrafos, escrevendo outros, substituindo palavras até o livro ficar pronto para o envio. O resultado foi a primeira colocação na categoria infanto-juvenil do citado prêmio.
O meu recente título, A menina das queimadas, foi revisto por mim várias e várias vezes até chegar ao ponto onde defini que estava pronto para publicação.
Então, enviei o livro para a revisão. A revisora ao concluir seu trabalho, disse: “Para deixar a leitura mais suave e formalizada, realizei a mudança de verbos como a gente tinha para tínhamos, sem comprometer o sentido do texto”.
A revisora seguiu sugerindo outras mudanças. Ela sugeriu a mudança da frase “Viver para dentro de casa” por “viver dentro de casa”. Eu recusei a sugestão dela. Querem saber por quê? Porque se a preposição para fosse excluída da frase tiraria o brilho da ideia e a mensagem nela contida. Por que fiz isso? Porque nem sempre as regras devem prevalecer sobre a mensagem do texto. Para isso, é necessário conhecê-las.
Para os espirituais, concluo: deixe a sua mente livre para a criação, mas conheçam todas as técnicas que a escrita criativa exige.

Leia Mais ►

24 de dez de 2012

Escrever não é um dom - II



[1]Ora, a respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.
I Cor. 12.1

Retomando a ideia de que a escrita é um “dom”, cito Paulo em Coríntios para diferenciar dom espiritual e dom da escrita.
O dom espiritual, como pode ser observado no capítulo 12 daquela epístola, tem um objetivo espiritual e se manifesta de acordo com os propósitos divinos. O apóstolo lista uma quantidade significante deles e a importância que tem para o ensinamento da palavra, escrita por uma inspiração dos céus.
O dom da escrita é a vocação para o manuseio da palavra, a exploração dela pelos sentidos, a manifestação de experiências sensíveis. Mesmo que o indivíduo não sinta dificuldade para externar os seus sentimentos, ser criativo, ele necessita das técnicas. É através delas que a matéria bruta é lapidada, transformada em um texto capaz de seduzir, atrair leitores e deles receber opiniões positivas. Se alguém escreve e a sua escrita não prende a atenção do leitor, aquele texto está inacabado, é matéria bruta carente de técnicas.
As técnicas mais conhecidas e importantes são a clareza, a concisão e a coesão. Conhecê-las é imprescindível para quem pretende trabalhar com a palavra. Seus conceitos são indispensáveis para o acabamento do texto, a transformação dele em algo útil e agradável. Sem esses conhecimentos, o texto (de um escritor ou não) se torna pesado, enfadonho e desagradável para o leitor.
Para os que se apegam ao dom espiritual, eu digo o seguinte: não leiam, nem ande com o Aurélio a tiracolo.



[1] ALMEIDA, João Ferreira de. A Bíblia Sagrada: Velho Testamento e Novo Testamento. JUERP/Imprensa Bíblica Brasileira, Rio de Janeir, 1988.
Leia Mais ►

16 de set de 2012

Escrever não é um dom

[1]“E para escrever um texto literário não precisa nascer com o dom (negrito meu) divino, porque o dono do texto já não é mais quem escreve, mas quem o lê. Ninguém nasce sabendo criar textos, músicas, por maior que seja a capacidade e potencial criativos. O futuro escritor para chegar a produzir textos literários, passa a ser aprendiz de escritor, como em todas as profissões (negrito meu)
Eu comecei a escrever desde cedo, por volta dos dezoitos anos, em cadernos escolares 15 por 21 e tinha preferência por canetas de bico fino porque elas propiciam uma escrita mais suave. Ao todo, eu tenho sete cadernos, duas agendas e uma caderneta espiral transbordando letras. Ainda mantenho o hábito de andar com papel e caneta para esse fim.

Eu tenho textos do início de meus escritos que não servem para concorrer ao mais singelo concurso literário. Querem saber por quê? Porque eles não foram inspiração divina, mas escrito por um pequeno escritor que percebia o mundo e não sabia expressá-lo de forma adequada. Faltava-me intimidade, amizade com as palavras. E esses substantivos só foram acrescidos a minha vida literária quando eu passei a me dedicar à leitura da gramática, de bons autores de literatura, jornais, revistas, sites e blogs de assuntos diversificados. Com o passar dos anos a minha escrita atual se distanciou da nascitura de tal forma que já me rendeu resultados positivos em concursos literários e elogios de alguns editores.

Ao ler isso, alguém pode se perguntar qual a relação do meu hábito de escrita com a palavra dom. A resposta é simples: escrever é uma coisa do espírito humano que se aprende com a prática da leitura e da escrita diária. Se assim não fosse, bastaria uma inspiração divina e tudo seria perfeito, pois, a própria doutrina cristã afirma que Deus não dar com imperfeição ou pela metade.

Por que todo mundo não escreve? Porque falta o domínio da palavra. Porque falta a intimidade com a palavra. E para se tornar escritor é necessário compreender a importância da palavra na vida íntima e social de cada um.

Portanto, não existe dom com o sentido de dádiva, presente divino passando a falsa ideia de que escritores são seres iluminados, escolhidos a dedo por Deus para comunicar. A escrita literária é árdua, pois, trata-se de uma arte escrita e reescrita até chegar a “perfeição”, como nos ensina Graciliano Ramos: “Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou no riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota. Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer”.

Diante disso, prefiro as lavadeiras a me enganar que irei receber o manar das palavras.


[1] Ortencio, Bariani. Você gostaria de escrever um livro? Cartilha do pré-escritor. Brasília: Tresaurus, 2009. Pp. 32-33.




Leia Mais ►

24 de ago de 2012

Algumas palavras

Lendo
O primeiro capítulo apresenta Laura, uma amável e simples senhora que contempla as coisas a sua volta, interagindo com elas. Gosta de contemplar o jardim, os bichinhos que nele há, os animais e adora Fernando; seu sobrinho. Cuida-se, pensa e aceita a sua condição de idosa. Quando passeia pela praça, recebe carinho e afeição de vizinhos e conhecidos;

A partir do segundo capítulo até o nono, Laura se revela uma exímia contadora de histórias. Por meio de flash-back, incorpora-se a criança, a adolescente e mulher da época. Em suas histórias, os contos folclóricos são contextualizados no ambiente social e familiar. Narra, com clareza, os contos sobre lobisomem, caipora, mula-sem-cabeça e outras muito bem entrelaçadas, prendendo a atenção de Fernando; despertando nele a curiosidade, o gosto pela leitura.

No capítulo dez o livro se encerra com a morte de Laura e recomeça com a sua aparição angelical para Fernando, expondo que os contos folclóricos não desaparecem, apenas são reinterpretados por diferentes pessoas e épocas.

A obra sugere que, o hábito da leitura deve se iniciar cedo com a motivação dos familiares para que as nossas crianças não tenham nos eletrônicos a única forma de entretenimento; sem falar que o hábito da leitura contribui para o crescimento pessoal e profissional.
“A literatura nos abre mundos. Lendo é possível estabelecer uma profunda relação de intimidade entre o leitor, o escritor e os seus personagens. Ao abrir um livro, uma nova história começa sob a perspectiva de quem o lê. A leitura literária possibilita o exercício da liberdade, abre espaço para a fantasia e o poder de criar. É capaz de abrir um diálogo entre o vivido e o sonhado, de acolher as inquietudes e incluir as diferenças (...)”.
Maria Carolina Trevisan




Leia Mais ►

12 de jul de 2012

Escreva seu livro


O portal Escreva Seu Livro mantido por Laura Bacellar e Sidney Guerra estar de cara nova. Além das inúmeras dicas para jovens escritores, trás algumas novidades como estas: rede social Escreva Seu Livro e a possibilidade de publicar livros através desse portal.
A rede social Escreva Seu Livro objetiva a interação entre os jovens escritores para que estes partilhem ideias, discutam os novos rumos da escrita e do mercado editorial; bem como a troca de livros para que uns possam conhecer o trabalho do outro.
Esse mesmo portal oferece a produção de livros para jovens autores com todos os serviços necessários e indispensáveis para quem pretende ingressar neste mundo sob a orientação de um dos maiores ícones do mundo editorial, Laura Bacellar.
Se alguém pretende ou pensa em publicar um livro, recomendo que primeiro aporte seu barquinho neste portal. Nele, você encontrará as respostas para as suas perguntas.

Leia Mais ►

6 de jul de 2012

73 escritos para jovens escritores

 Ademir Pascale é escritor, ativista cultural e crítico de cinema. De 2004 a 2011 entrevistou mais de 180 pessoas, dentre elas: escritores, capistas, roteiristas brasileiros e outros. Mantem o portal Cranik onde todas as entrevistas podem ser lidas na íntegra.
Das entrevistas concedidas, Ademir Pascale produziu um e-book contendo Dicas para jovens escritores. Vale apena baixar o arquivo, ler com calma e reflexão o que dizem os nomes que há muito participa do complexo mundo literário e ouvi-los atentamente, pois, cada um deles tem algo a dizer. Como diz Flávia Muniz:
 “Estudem. Leiam. Tomem banho de livraria, de biblioteca, nos sebos. Estejam presentes nos eventos literários, nas feiras internacionais de livros, nos lançamentos, nos cursos, nas palestras das casas culturais espalhadas por aí. Troquem ideias. Conheçam os clássicos. Aprendam com quem já fez muito antes!! Há um universo para rastrear. Tudo já foi escrito, de algum modo.  Não fiquem satisfeitos com o texto que produzirem logo de cara. Sejam exigentes. O trabalho de escrita e reescrita é como a extração numa mina em  busca de ouro, geralmente precisa ser minucioso e lento para ter bom resultado. E o tempo de construção do texto nem sempre condiz com o tempo cronológico. Esse é um tempo mais cerebral, emocional. É como usar um GPS na própria alma e isso não se faz numa sentada, de modo displicente, assim como não se conhece um ser humano sem a devida convivência. Estou cada dia mais convencida de que não se produz qualidade na pressa da vida louca”.
Contato:
ademir@cranik.com ou amigosdocranik@ig.com.br

Leia Mais ►

25 de mai de 2012

Revista Literária

O site, Revista Literária, contém conteúdos úteis para quem se inicia na vida literária, especificamente a seção Teoria Literária.

Nela, o jovem autor terá a oportunidade de iniciar seus primeiros conceitos conhecendo um resumo histórico do surgimento da Literatura, conhecer seus gêneros, figuras de linguagem, comunicação, contos e outros recursos que se vale o escritor para expor seus sentimentos, emoções por meio da escrita.

Além disso, ela oferece concurso literário, dicas para publicação de livros por demanda através do Grupo Editorial Scortecci, biografias de grandes nomes da literatura brasileira e estrangeira, downloads de vários livros em domínio público, um resumo histórico do Prêmio Nobel, curiosidades e muitos mais.

Aos que se interessam pela arte da escrita, essa é uma oportunidade de conhecer essa revista e compreender um pouco do mundo das letras.

Leia Mais ►

12 de abr de 2012

Concursos literários para escritores


O blog Concursos Literários, mantido pelo escritor Ricardo Domit e outros, possui dicas preciosas para jovens escritores que se embaraçam na maioria das vezes quando pretende enviar seus escritos para os concursos dessa natureza.

Na seção Dúvidas e Dicas há informações preciosas que irão orientar aqueles que pretendem participar desse tipo de certame. Nela, você encontrará conceitos sobre pseudônimo, organização dos envelopes para envio das informações pessoais e do material, currículo literário, envio com AR, atraso nos resultados, direitos autorais e publicação, assessoria de imprensa.

O blog tem muitas informações úteis. Aproveite e navegue por ele, observe os vários editais e as características peculiares de cada um. Veja em quais deles seu estilo literário se identifica.

Leia Mais ►

5 de abr de 2012

Escrever, escrever e escrever

Reescrever: uma dica

Escrever para mim é uma necessidade, a forma mais simples de eu ser e de estar no mundo.

Não quero ser um altívago. Quero na terra estar, pisa nela com os pés do coração, escutar a escrita do outro e viver no intervalo fechado que é a vida.


A escrita me reinventa, sustenta-me, abre o meu riso diante da dor e do pranto desigual. Eu preciso escrever e escrever-me nos sulcos da face. Eu quero sumir e aparecer para os momentos mais frios, mais quentes da vida.

Se alguma insinuação solta aparecer por aqui, porali; murmurando contra mim com gestos, palavras eu não estarei nem aí porque estarei aí para a escrita. Eu quero apenas com a pena soltar a minha voz.

Então, não me liguem. Deixem-me viver solto com o vento, meu irmão, e a morte; companheira da angústia.

Escrever, escrever e escrever. Meu refúgio, meu grito urbano sem alento, sem forças. 

Não me olhem, me beijem.
Leia Mais ►

27 de nov de 2011

Desengavetar

Antes os textos eram datilografados e guardados numa gaveta. Eram os engavetados, lido, relido, apresentado a um amigo que geralmente não opinava e quando opinava dizia: os textos são bons, demonstrando desinteresse súbito ao mudar de assunto. Ficava então os textos e quem os produzia sufocados naquele mundinho.

Com o advento da Internet e dos microcomputadores, as páginas físicas foram substituídas pelas virtuais, as máquinas de datilografia pelos teclados e os editores de texto, as gavetas pelas pastas, proporcionando outros recursos para os jovens escritores. Graças a ela os engavetados não ficam à mercê da opinião dos desinteressados, mas podem ser publicados por meio de blogs e sites para que todos possam ler, opinar e partilhar nas redes.

Cabe a cada escritor buscar conteúdos originais e criativos para receber visitantes e, quem sabe, ser encontrado por alguma editora que se interesse por sua escrita. Desengavetar é necessário.
Recomendo apenas aos que pensam em desengavetar que se preocupem com a escrita, ponha emoção, criatividade e busquem um visual agradável em sua página para que os leitores virtuais não desistam no primeiro momento.

Desengavetar é o verbo que precisa ser dimensionado nas vidas de quem ainda tem receio de expor a escrita e a sufoca nalgum diretório.
Leia Mais ►