1 de jan de 2019

A entrevista


Eu toquei a campainha. Ninguém veio me atender. Então, notei que a porta estava entreaberta. Entrei silente, dei alguns passos e avistei o professor Lorenzo numa confortável poltrona. De face serena, degustava com ímpeto o cigarro e um livro. Nem se importava com a minha presença. Após alguns minutos, disse:
O que o traz aqui?
As suas teorias, professor.
O que quer saber?
Sua opinião sobre os últimos acontecimentos políticos?
Ora, os últimos acontecimentos políticos refletem uma sociedade que não sabe escolher. De uma população eleitoral dualista e doente.
O senhor poderia ser mais claro sobre o que seriam essas “escolhas ruins” e essa “população dualista e doente”?
É claro! A população eleitoral escolhe de forma ruim quando mercadeja o voto ou quando vota com raiva e por picuinha. Não leva em conta a vida pregressa dos candidatos, nem se dar conta que eles são empregados eletivos, inscritos na Previdência Social. É dualista porque exige ética, moral, justiça, combate a corrupção, mas compram objetos piratas, baixam músicas, filmes, livros, software protegidos por direitos autorais e não se incomodam com isso, valendo-se de vários pretextos para justificar as suas práticas ilícitas. Sem falar que no período eleitoral mercadejam o voto.
Nesse caso o eleitor brasileiro é um cidadão contraditório, que não aprendeu a exercer de forma adequada a cidadania. É isso que o senhor quer dizer?
Isso mesmo!
É necessário que essa população repense as suas práticas, seus conceitos e vícios. Entender uma coisa simples: eles não são eleitos por si, nem pelo poder que emana do povo. Eles são eleitos pelo poder econômico. Eles não representam ninguém e representam a si e os seus financiadores. Por isso, tantos escândalos. Por isso o impeachment e tudo o que ele representa.
Eles “não são eleitos por si”, mas “pelo poder econômico”. Quais os verdadeiros significados dessas frases?
Eles não são eleitos por si porque existem eleições a cada quatro anos. As “escolhas” são dos eleitores num suposto “poder” que vem do povo. O problema é que o voto da maioria não é coletivo, mas individualizado, mercadejado. Isso é demonstrado através do poder econômico onde o voto é simples mercadoria. Essa coisa de querer solucionar os problemas enxergando as tribunas, formular opiniões a partir de revistas, jornais tendenciosos, violência é um grave erro. O eleitor deve formular seus conceitos políticos observando o espaço onde ele vive e interage. Para isso é necessária uma reeducação política.
O senhor não acha que está trazendo a culpa e responsabilidade para a população eleitoral de todos os males que vêm acontecendo neste país, quando na verdade as classes dominantes sempre negaram aos cidadãos o direito a educação, a saúde e outros serviços públicos relevantes?
Esse argumento é válido em parte porque o voto é mercadejado em todas as classes, por diferentes níveis de escolaridade. Por exemplo: o que faz um estudante de direito fazer esquerdo, isto é, estampar, pedir voto para um candidato cuja vida política é fraudes e mais fraudes? Veja esses movimentos que se apresentam anticorrupção, mas dos outros.
Professor, sabemos que parte da população vive em condições precárias e, na maioria das vezes, torna-se o bode expiatório quando o mandato é ruim. Essa população precisa ser resgatada para que de fato, exerça a cidadania. Como resgatá-la politicamente?
Conhecendo-as, indo aonde elas estão. Ouvindo as suas angústias. Criando núcleos permanentes de reeducação política.
E como seria esses Núcleos de Reeducação Política?
Esses núcleos só seriam possíveis se houver um esforço gigantesco da sociedade civil organizada não alinhada ao pensamento neoliberal, criando práticas pedagógicas para reeducar as crianças a partir do ensino fundamental das escolas, sendo um contraponto aos vícios que elas trazem do seu convívio social.
Para concluir esta entrevista, o senhor tem algo para acrescentar?
Eu quero deixar claro o seguinte: eu não estou levantando um estandarte para as práticas ilícitas, mas questionar o eleitor que critica, cobra; depois barganha, depois reclama, depois compra produtos piratas, baixa filmes, músicas e pratica outras coisas ilícitas e percebe que eles são o espelho de quem os elege. Será que iremos justificar a prática da corrupção recorrendo a um discurso histórico que não mais convence? Ou a Freud, como tem gente apontando nessa direção?
E a minha contribuição para o combate efetivo da corrupção é a criação desses núcleos. É claro que o efeito não virá de um dia para a noite, mas trará resultados positivos. Acredito nas crianças e na capacidade de elas aprenderem que o voto é um bem intangível e por isso, não deve ser tratado como bem de consumo.
Me calei. Sem argumento, agradeci pela entrevista, estendi a mão para ele e fui com a certeza que aquele homem me fez repensar as minhas opiniões. E tem mais: não havia mácula na vida dele, nem era simpatizante de algum partido político.

Nenhum comentário :

Postar um comentário