Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta a menina das queimadas. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta a menina das queimadas. Classificar por data Mostrar todas as postagens

20 de out. de 2013

Lançamento do livro A menina das queimadas na II Bienal do Livro de Itabaiana

Palestra
Estive na II Bienal do Livro de Itabaiana. Antes do lançamento, fui a palestra do professor, pesquisador e escritor Jorge Carvalho. O tema dessa palestra foi: A publicação e distribuição de livros em Sergipe. 
A distribuição é um problema, não só em Sergipe, mas na maioria dos estados. O que achei relevante foi quando ele diferenciou editor de prestadoras de serviços gráficos. Alegou que o editor cuida do livro, desde a capa ao conteúdo e a impressão é de responsabilidade das gráficas, ou seja, gráfica não deveria se passar por editoras.

D. Pascoal - Academia Sergipana de Letras
Encerrada a palestra, dirigi-me a Lojinha da Bienal e lancei o livro A menina das queimadas. O título e a capa atraiu curiosos de idade variada. O lançamento durou das 9:00 às 11:50 h e o resultado foi satisfatório.

Conversando com o leitor
Dialogando com a professora
Entrevista para a TV Aperipê
Entrevista para o Cultura Interativa 
Idoso folhea livro
Autografando para Ailezz, artísta plástica e escritora

Leitores satisfeitos 
Leitores contentes

Marcléa e a escritora Cris Souza
Autografando para o escritor Antônio M. Bezerra

Leia Mais ►

17 de nov. de 2013

Adail e A menina das queimadas

Ronaldo Pereira de Lima lançou seu “romance” (ou contos reunidos?) na II Bienal do Livro, em Itabaiana-Se. Não se trata de indecisão deste leitor, quanto ao gênero lido, mas de observação contida na última capa, que é interessante reproduzir: “O livro A Menina das Queimadas, a princípio, nos parece um livro de contos mas na verdade as histórias nele contidas se entrelaçam de tal forma que se torna um livro coeso (...)”

Na primeira orelha temos, com uma foto e um texto, revelada a fonte de inspiração do autor... Trata-se de uma obra curta, contida entre as páginas 9 e 46. A presença de um glossário, entre as páginas 47 e 51, remete a peculiaridades linguísticas. Sem este auxílio, saberia o leitor o que é “Brincar de Natal”, “Cartilha do povo”, “Chocho”, “Caieira”, “Esborrotar”, “Galinha de melão”, “Labafero”, “Lagoa Salomé”, “Macacão”, “Pedra negra”, “Prendar”, “Queimada”, “Quebranto”, “Sabão Branco”, “Sabão da terra”, “Simbazol”, “Trancoso”, “Tabuleiro”, “Uma quarta”? A bela capa, de Beatriz Lima, praticamente “entrega”, mas confesso que só decifrei o título após consulta ao glossário. São treze contos (ou capítulos?). Todas as histórias são interessantes e bem escritas, o livro é gostoso de ler; em uma hora você, satisfeito, conclui a leitura! De minha parte, a história de que mais gostei foi “Leilão de prendas”.

Sobre o autor:   
Adail Vilela de Almeida já teve textos, crônicas e artigos premiados pela Universidade Federal de Sergipe e pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – Regional Sergipe. Tem dois livros de poesia - ‘Poemas de Martelo’, de 1993, e ‘Poemas de Pinho Apolo’, de 2011 - e um de prosa, ‘O Grito das Pedras’, também de 2011 e Poemas no Coreto, seu título recente.


Leia Mais ►

16 de nov. de 2019

Ron Perlim participa do Projeto de Leitura: A Arte de Contar História


O escritor Ron Perlim foi homenageado no Projeto Leitura: A Arte de Contar História no dia 14 de novembro de 2019 na cidade de Porto Real do Colégio, Alagoas. O evento aconteceu na Escola Municipal de Ensino Fundamental Profº. Ernani de F. Magalhães. Em sua homenagem, o livro A menina das queimadas, cujo enredo se passa na cidade de Cedro de São João, SE e narra as histórias de Zélia de Oliveira Rocha, falecida e sogra do autor, foi trabalhado em sala de aula e cada equipe foi responsável por um capítulo.
Raissa, Ron Perlim e Mirella

Assim que o autor chegou, foi recepcionado pelas alunas Raissa e Mirella. Elas citaram uma nota biográfica do autor, falaram da principal personagem (Zélia de Oliveira, sua sogra) e presentearam-no com uma plaquinha contendo a foto do livro. Ron Perlim percorreu todo o espaço, cumprimentou alunos, os parabenizou. Apreciou tudo o que viu: as maquetes da quermesse e da Lagoa Salomé, a exposição dos seus livros, a parte lúdica da cabacinha de ouro, o leilão de prendas, as vendedoras da bala queimada. 
Livros de Ron Perlim

Lagoa Salomé - Cedro de São João, SE.

Quermesse, Cedro de São João, SE.

Vendedora da bala queimada

Leilão de Prendas
Cabacinha de Ouro

Passado esse momento de reconhecimento dos capítulos do livro A menina das queimadas, foi a sua vez de palestrar sobre a importância dos livros e da leitura. Iniciou a sua fala lendo para os alunos trechos do primeiro capítulo, onde se pode ler: 
Meu primeiro dia de aula
Eu vivia aperreando mamãe para que ela me deixasse estudar, mas ela não queria que eu estudasse, porque era para eu tomar conta da casa e de meus irmãos. Eu insistia, mas ela nem ligou para o que eu falava. Cortava o assunto e dizia:
Não me amole com essa conversa. Procure alguma coisa pra fazer, avi!
Triste, fui ao terreiro pedir a meu pai, mas ele dizia:
Resolva isso com sua mãe. Ela é quem sabe de sua serventia dentro de casa.
Eu já falei com ela. Mas ela não quer que eu vá estudar. Vá, pai! Deixe eu estudar!
Se sua mãe já decidiu, está decidido. Agora, deixe de me amolar e procure o que fazer!
Dito isso, me deu as costas e continuou os seus afazeres. Desesperada, recorri à minha avó que não colocou arrodeio. Ela pegou em minha mão, beijou a minha testa e disse:
Não se preocupe, minha filha. Vá para casa e fique sossegada. Quando eu voltar da missa, conversarei com seus pais e tirarei essa história a limpo.
(...)

Feito isso, dialogou um bom tempo com o alunado do Centro Educacional e de outras instituições mostrando para eles através de experiências pessoais e de terceiros o quanto a leitura e os livros são importantes para as nossas vidas. Encerrada a palestra, o autor que estava acompanhado da esposa e do filho, despediram-se dos responsáveis, agradeceram pela homenagem e saíram para participarem de outras manifestações culturais que aconteciam no local.
Índias Kariri-Xocó e família MarRon


Leia Mais ►

31 de jan. de 2020

Ron Perlim - I Encontro de Escritores do Agreste Alagoano

Girleide, Carla, Carlindo, Cárlisson
Fui ao I Encontro de Escritores do Agreste Alagoano, organizado pelo escritor José Rocha na Casa da Cultura, em Arapiraca, Alagoas. O Evento aconteceu no dia 25 de janeiro de 2020. Cheguei no final de uma rodada de escritores, composta por Carla Emanuele (presidente da Acala), professor Carlindo Lira, Girleide Alves, Ademilson Leandro e Cárlisson Galdino que expunha seu trabalho de cordelista. Me chamou a atenção a forma como ele leu seus cordéis. Fiquei, de pé, ouvindo a leitura engraçada de seus textos que tanto agradava a plateia. Encerrada a vez deles, houve a segunda rodada, onde eu me incluía.

Flaviana Wanderley, Flaviana Costa, Dennys, Odilon, Ron Perlim, Elias
Nessa segunda parte e última do evento no período da manhã, sentaram-se à mesa Flaviana Wanderley, Flaviana Costa, Dennys, Odilon dos Anjos, Ron Perlim e Elias Barbosa. Antes que os escritores fizesse uso da palavra, a professora Magda fez divulgação da I Antologia Arapiraquense, explicou os pontos relevantes do edital para inscrição e encerrou, divulgando o Instagram daquela antologia. Encerrada essa parte, o primeiro escritor a fazer uso da palavra foi Elias Barbosa. Por ser militar e estar fardado no evento, logo chamou a atenção. Expôs seus livros e comentou um a um, todos ligados a fatos relevantes que marcaram a História de Alagoas, como o caso do cabo Anselmo e da deputada Ceci Cunha. Em seguida, o jovem Dennys falou um pouco de si e leu um de seus poemas. Na sequência, o microfone foi parar nas mãos de Flaviana Wanderley. Ela afirmou que jamais pensou em ser escritora, mesmo sendo formada em Pedagogia, mas se surpreendeu quando viu um de seus textos (Deusa dos Lábios de Fogo) publicado na Antologia Palmeirense.

Flaviana Costa levantou-se da cadeira, dirigiu-se a plateia e declamou um cordel de exaltação a vida, a Jesus e a esperança. Feito isso, voltou para a mesa, sentou-se e não fez uso do microfone. Acostumada a dar palestras, acostumada ao giz, falava de forma que todos ouviam claramente. Sua história de vida comoveu aqueles que atentos estavam. Sua capacidade de resiliência serviu e serve de exemplo para os que vivem no desterro. Os fatos violentos que sofreu, o coma, o suicídio me fez lembrar do livro de crônicas, escrito por mim, Foi só um olhar. Livro este lido por uma amiga que ficou estarrecida com os textos. Flaviana encerrou sua fala emocionada.

Em seguida, foi o jovem Odilon dos Anjos. Relatou que a escrita foi importante para ele superar um período de depressão em sua vida. Ele publicou um livro artesanalmente e um de seus textos, lidos por mim naqueles instantes, me fez lembrar dos meus textos quando iniciei a minha escrita literária.

Ron Perlim: auditório da Casa da Cultura
Finalmente chegou a minha vez de falar para a mesa e as cadeiras da plateia. Iniciei de forma pausada, destacando 5 itens que julguei importante enquanto ouvia os meus colegas, que são: 1 - Precisa o escritor de formação para ser escritor? 2. Existe uma elite literária? 3. Há escritos bobos? 4. O que seria inspiração? e 5. A leitura de livros de ficção serve para alguma coisa?. Respondi cada uma delas nestes termos: 1 - Há quem acredite que sim. Há os que acreditam que não. Eu só o do não. Explico: a primeira formação do escritor parte de dentro para fora, mas se ele não souber usar as palavras, morre antes de nascer. E para não morrer, precisa ler, ler, ler. Escrever, escrever e escrever. 2 - Se existe uma elite literária em Maceió, eu não saberia especificar até porque não vivia por lá. Vivia mais em Aracaju. Em Aracaju não tive problema alguma com isso, talvez por causa do Prêmio Alina Paim de Literatura Infantil/Juvenil que recebi no ano de 2010 com o livro Laura, só publicado no ano de 2011 e lançamento em 2012. 3 - Sobre os escritos bobos falei que toda escrita, quando iniciada, parece boba. Só a prática da escrita e reescrita (Como as lavadeiras de Graciliano Ramos.) conferi identidade ao escritor com o passar do tempo. 4 - Há quem acredite que seja algo divino. Há quem não. Eu só do não. Para mim inspiração é a materialização de leituras anteriores. 5 - Sim. A leitura dos livros, seja de ficção ou não, serve para muita coisa. Por exemplo: eu escrevi o livro A menina das queimadas. Um conhecido comprou um exemplar. Andando outro dia pela rua, eu o encontro e ele me disse: "Quero agradecer você". Perguntei-lhe: "Por quê?". E ele respondeu: "Eu tava meio desanimado. Depois que li o livro A menina das queimadas, minha auto estima mudou. Obrigado por ter escrito esse livro". Então é isso: não importa a quantidade de leitores que você terá ou tem, mas o que os seus livros representarão para eles. Era isso o que eu tinha para dizer.

Agradeço aos que aqui se encontram, a José Rocha e demais organizadores deste evento. Foi uma satisfação participar, conhecer gente nova e espero que outros eventos assim aconteçam para que possamos compartilhar experiências. Obrigado.

O evento, no período da manhã, encerrou-se com sorteio de livros e cordéis.

Leia Mais ►

2 de ago. de 2018

Como escreve Ron Perlim


by

Ron Perlim é escritor, especializado em Educação Matemática, colaborador da Revista Obvious.

 
Como você começa o seu dia? Você tem uma rotina matinal?
Eu me acordo às seis. Tomo suco de um limão com água morna. Depois, vou ler. Feita a leitura, tomo café e em seguida vou trabalhar.

Em que hora do dia você sente que trabalha melhor? Você tem algum ritual de preparação para a escrita?
Não precisarei qual é a melhor hora para mim. A escrita em mim pode vir a qualquer hora. É espontânea. Se necessário, paro o que estou fazendo para anotar o que me vem à cabeça.

Você escreve um pouco todos os dias ou em períodos concentrados? Você tem uma meta de escrita diária?
Quando jovem na escrita, eu escrevia todos os dias. Isso acumulou muita matéria bruta. Então, eu tenho muita matéria bruta para ser trabalhada. Quase todos os dias eu reviso esse material, mas isso não me impede de escrever novos textos. Atualmente reviso um novo livro para a Penalux.

Como é o seu processo de escrita? Uma vez que você compilou notas suficientes, é difícil começar? Como você se move da pesquisa para a escrita?
A escrita em mim surge primeiro com um tema ou uma ideia. Isso acontece por meio de percepções num diálogo, numa leitura, numa observação das coisas e outros recursos. Exemplo disso é o livro A menina das queimadas, nascido de alguns diálogos com a minha sogra. Já o livro O povo das águas simplesmente me veio e eu o tomei para mim. Há textos que ficam prontos, exigindo apenas pesquisas pontuais. Há outros que necessitam de uma pesquisa mais aprofundada. Eu nunca pesquiso primeiro para depois escrever. Eu escrevo primeiro. Depois, pesquiso.

Como você lida com as travas da escrita, como a procrastinação, o medo de não corresponder às expectativas e a ansiedade de trabalhar em projetos longos?
A procrastinação é um processo natural na escrita. O que não pode é o prolongamento excessivo dela. Com projetos longos ou curtos, sempre bate a ansiedade. Ela é mais intensa quando começamos na estrada literária. Com o tempo, isso se incorpora de forma natural em nosso cotidiano. Para concluir meus projetos, me mantenho sereno e objetivo.

Quantas vezes você revisa seus textos antes de sentir que eles estão prontos? Você mostra seus trabalhos para outras pessoas antes de publicá-los?
Não sei dizer a quantidade, mas são muitas. Para mim, revisar é editar o texto e isso dá um trabalho danado. Quando eu parto para essa parte, me lembro de Graciliano e o conselho que ele deixou quando compara o ato da escrita com ofício das lavadeiras em Alagoas. Quem primeiro lê meus textos é a minha esposa ou alguém da revisão gramatical.

Como é sua relação com a tecnologia? Você escreve seus primeiros rascunhos à mão ou no computador?
Como disse, a minha cabeça não tem hora para a escrita. Se surgir uma ideia para um livro, eu anoto onde estiver e me utilizo dos recursos viáveis, desde um pedaço de papel, papelão, passando por guardanapos, celulares, tabletes, notebooks etc. Eu não permito que a ideia vá embora. Outro dia eu estava no carro. Aí, me veio a ideia de escrever uma crônica. Sem papel por perto, o que fiz? Peguei a caneta e rabisquei a ideia principal no para-sol.

De onde vêm suas ideias? Há um conjunto de hábitos que você cultiva para se manter criativo?
As minhas ideias são releituras das leituras do mundo e dos livros. O único hábito que tenho, se isso pode ser chamado de hábito, é estar atento ao ir e vir das coisas, das pessoas, dos animais e através disso percebê-las.

O que você acha que mudou no seu processo de escrita ao longo dos anos?
Eu iniciei a minha escrita em cadernos escolares. Quando eu observo o que escrevia com o que escrevo atualmente, vejo um abismo muito grande e o amadurecimento da minha escrita, fruto de muita prática.

O que você diria a si mesmo se pudesse voltar à escrita de seus primeiros textos?
Diria o seguinte: não se envergonhe de seus textos primeiros, como fazem muitos escritores, afinal de contas, era uma criança que engatinhava com as palavras e brincava com elas. Saiba que escrever não é um dom.

Que projeto você gostaria de fazer, mas ainda não começou?
Montar uma biblioteca na cidade onde nasci e através dela promover a importância da leitura e dos livros para a vida das pessoas, especificamente das crianças. Nosso país é carente de boas bibliotecas, principalmente nas cidadezinhas.

Que livro você gostaria de ler e ele ainda não existe?
Um livro que fale do homem e a sua condição como espécie doente e atrasada.

Fonte: https://comoeuescrevo.com/ron-perlim/. Acesso em 02 de agosto de 2018.
Leia Mais ►

2 de out. de 2013

Estive na IV Flimar

Fui a IV Flimar (Festa Literária de Marechal Deodoro) lançar o livro A menina das queimadas. Essa festa homenageou dois alagoanos que têm o que nos dizer. O primeiro, autor de Vidas Secas e o outro de O Maior Amor do Mundo. 
Antes de lança o livro, andei pelas ruas históricas de Marechal, visitei prédios, museus e em seguida fui conhecer o espaço onde a noite seria realizado o evento.

Andar por essas feiras enriquece pela troca de conhecimento e pelas pessoas que são acrescidas em nossas vidas. E falando em pessoas, veja este casal de cordelista que conheci:



À noite estava por lá, lançando o livro A menina das queimadas na Bêabá Livraria no dia 28 de setembro de 2013. Conheci o poeta José Inácio Vieira de Melo que também lançou o livro Pedra só. José Inácio é um dos maiores nomes da poesia atual.

Bêabá Livraria - noite de lançamento.

Vitrine da livraria
No outro dia tive o prazer de conhecer Maurício Melo Júnior, jornalista e apresentador do programa literário Leituras, da TV Senado, e que tem larga experiência nessa atuação de livros. 
Maurício M. Júnior





Leia Mais ►

6 de nov. de 2014

O crime misterioso

A convite da direção da Escola Santa Terezinha, em Porto Real do Colégio – AL no dia 31 de outubro de 2014 estive por lá para um bate-papo com os alunos daquela instituição.

Antes de iniciar o bate-papo, discorri sobre a importância do livro e da leitura e como ambos são importantes para a vida pessoal e profissional. Após isso, tirei as mais variadas dúvidas sobre o livro A menina das queimadas, o processo de escrita e como se dá o relacionamento do autor com as editoras e outros temas que surgiram.

A tarde naquela instituição foi agradável, pois, fui recepcionado com carinho e curiosidade. E o mais importante de tudo é que todos os alunos leram A menina dasqueimadas e cada um deles queria destacar a parte que mais gostaram do livro.

Quando estava me preparando para vir embora, recebi de presente a cópia do livro O crime misterioso, escrito pelos alunos João Paulo e Geovana.

O livro se inicia com o roubo da aposentada Ana Paula. Movida pela curiosidade, Roberta se dirige para o local do crime. Reconhece quem atacou Ana Paula e quando resolve falar, é alvejada, vindo a óbito. A partir daí, inicia-se uma busca frenética para se descobrir quem matou Roberta.

O livro é matéria bruta. Precisa de lapidação.

A história, mesmo nessa fase, merece atenção. Sua estrutura foi escrita para o teatro. Ela necessita de alguns ajustes no enredo para chegar até o leitor.

De qualquer forma, foi um passo importantes para esses jovens escritores.

Quero dizer a João Paulo e Geovana que fiquei feliz por vocês terem se iniciado no mundo maravilho dos livros e que a escrita se desenvolve com a prática diária.




Leia Mais ►

10 de mar. de 2013

Literatura Infantil

A literatura infantil pertence ao gênero narrativo, assim como o conto, a novela e o romance. Surgiu com Perrault em meados dos séculos XVII e XVIII, seguido dos irmãos Grimm, Andersen, Collodi e outros. No Brasil, Monteiro Lobato foi o pioneiro nesse gênero. 

Esse tipo de literatura se estendeu a poesia a partir do século XIX. Nomes como os de Cecília, Mário Quintana, José Paulo Paes e tantos outros foram destaque.

Não pretendo me estender em fatos históricos, nem discutir aspectos complexos desse gênero, mas propor dicas para aqueles que pretendem escrever esse tipo de texto para submetê-los a concursos literários.

A literatura infantil se destina a crianças, pré-adolescentes e adolescentes. Por se tratar de uma narração ou poesia, os conceitos e dicas apresentadas neste blog serão úteis. Cabe ao escritor está atento a linguagem que vai utilizar, afinal de contas sua história ou poesia se destinará a um público específico.

Por isso, ela se classifica em Infantil ou Infantil/Juvenil. Os infantis se destinam a pré-leitores (Crianças com idade entre um a três anos), leitores iniciantes (crianças a partir de seis e sete anos) e leitores em processo (crianças entre oito e noves anos). Os infantojuvenis para leitores fluentes (a partir de dez a onze anos) e os juvenis para os críticos (a partir de doze e treze anos). 


Só como exemplo: o regulamento do concurso Barco a vapor promovido pelas Edições SM se inicia em novembro e se encerra em janeiro de cada ano, destinado a literatura infantil e juvenil. Ele leva em conta a faixa etária ou os estágios psicológicos de uma criança, descritos anteriormente. 

A estrutura da literatura infantil, enquanto texto narrativo, compõe-se de um narrador, o foco narrativo, a história que vai ser escrita, a efabulação, as personagens, o espaço, o tempo, a linguagem (este item é o mais importante, pois, o texto vai ser produzido para crianças, pré-adolescentes e adolescentes), leitor ou ouvinte. Quanto a poesia, segue a estrutura da rima, estrofação etc. 

· Conto
· Poesia

A literatura infantil e infantil juvenil ganhou reconhecimento internacional por causa de sua importância literária para esse tipo de público. É tão relevante que foi criado o prêmio Hans Christian Andersen (espécie de Nobel) nessa categoria. O prêmio é mundial, acontece de dois em dois anos e é oferecido pela organização "Internacional Board on Books for Young People”. Escritoras como Ana Maria Machado e Lígia Bojunga já foram premiadas.

Referência
COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.
Leia Mais ►

24 de mar. de 2014

II Gerarte

Gerarte - Maceió - AL
A convite da professora Dilma Marinho de Carvalho, participei do II Gerarte (Gera Arte: Literatura, Música e Teatro) na cidade de Maceió – Alagoas. O evento foi organizado pela Escola Estadual Geraldo Melo dos Santos. O tema do II Gerarte foi: Mestre Graça foi a praça. 

O objetivo do evento é trazer temas do passado como a fome, a seca, a gravidez precoce, a violência e outros com a realidade dos alunos para que eles possam comparar épocas, refletir sobre elas e distinguir se houve mudanças relevantes.

Pça. de Eventos
O evento se início às 17:00 h e foi concluído às 10:00 h. Obras de Graciliano foram homenageadas e encenadas, mas outros autores foram lembrados, a exemplo de João Cabral de Melo Neto, José Américo de Almeida, Raquel de Queiroz etc. Poesias foram recitadas, músicas de Luiz Gonzaga cantadas por alunos... Segundo a professra Dilma, “o Gerarte surgiu depois de a escola passar por um período de violência, quando professores foram ameaçados, alunos brigavam no pátio e um aluno tocou fogo no banheiro”.


Desde que surgiu e com ele outras atividades, a escola tem colhido os resultados: a violência acabou, a comunidade se envolveu com as atividades escolares e o ambiente escolar voltou ao normal. E eu estive por lá, observando a participação dos alunos, as barracas temáticas, o ir e vir das pessoas; enquanto outras assistiam as apresentações.

Ronaldo e a Profª. Esp. em LB Dilma M. de Carvalho

Ronaldo e a Professora Dra. Eliana - UFAL
Ronaldo e o escritor Linaldo Santos
O autor e a professora Débora Santos
Aluna lê A menina das queimadas

Leia Mais ►

17 de fev. de 2013

Escrever não é um dom – Conclusão


 Procurei, com base nas experiências de outros autores e minhas, demonstrar que a escrita literária ou técnica não é um privilégio de poucos ou que tenha uma ligação divina. Para concluir meu ponto de vista, transcreverei experiências próprias:
Antes de participar do prêmio literário Alina Paim, pedi a opinião da professora Dilma Marinho de Carvalho. Ela me aconselhou a melhorar os diálogos, os tempos verbais e sugeriu mudanças em várias partes do livro. Pediu que eu fizesse outra revisão. Disse ela: “Acho que você deve fazer outra revisão, pois há coisas q só o autor pode decidir mudar”.
Não retruquei. Enquanto seguia seus conselhos, percebi que no miolo do livro havia um capítulo deslocado. O que fiz? Sem dó ou piedade, eu o exclui com veemência. Continuei minha revisão, apagando parágrafos, escrevendo outros, substituindo palavras até o livro ficar pronto para o envio. O resultado foi a primeira colocação na categoria infanto-juvenil do citado prêmio.
O meu recente título, A menina das queimadas, foi revisto por mim várias e várias vezes até chegar ao ponto onde defini que estava pronto para publicação.
Então, enviei o livro para a revisão. A revisora ao concluir seu trabalho, disse: “Para deixar a leitura mais suave e formalizada, realizei a mudança de verbos como a gente tinha para tínhamos, sem comprometer o sentido do texto”.
A revisora seguiu sugerindo outras mudanças. Ela sugeriu a mudança da frase “Viver para dentro de casa” por “viver dentro de casa”. Eu recusei a sugestão dela. Querem saber por quê? Porque se a preposição para fosse excluída da frase tiraria o brilho da ideia e a mensagem nela contida. Por que fiz isso? Porque nem sempre as regras devem prevalecer sobre a mensagem do texto. Para isso, é necessário conhecê-las.
Para os espirituais, concluo: deixe a sua mente livre para a criação, mas conheçam todas as técnicas que a escrita criativa exige.

Leia Mais ►

4 de nov. de 2013

VI Bienal Internacional do Livro de Alagoas

Fui a VI Bienal Internacional do Livro de Alagoas lançar os livros A meninadas queimadas e Laura no dia 02/11/2013 no estande da Secult- Alagoas. Os lançamentos foram organizados por Maria Luiza Russo (Bibliotecária e Especialista em Indexação da Informação da Secult) e Verônica Maria Paes de Albuquerque (Recursos Humanos).
Mesa de escritores
A mesa de escritores estava composta por Maristela Pozitano (Lalo, Lalinha e Tininha), Isvânia Marques (Não deixe a poesia morrer), Fátima Maia (Tatibitatie: os mitos da floresta), João Vitor (A coroa do imperador) e Marijôse Albuquerque (Um circo assim eu quero pra mim) onde houve bate-papo sobre a literatura infantojuvenil.
Falando dos livros
Maria Izabel Fernando Calheiros, bibliotecária e contadora de histórias mediava o bate-papo entre os escritores que compunham a mesa. Após minha fala, ela leu parte do capítulo Papel pautado do livro A menina das queimadas como pode ser visto neste vídeo:

Encerrado o bate-papo com os escritores, houve o encontro com as artesãs da leitura que confeccionam  livros bordados, pintados, de filé etc. Isso demonstra a criatividade da mulher alagoana na participação do incentivo a leitura...

Artesãs da Leitura


Leia Mais ►

1 de mai. de 2019

Escola Santa Terezinha adota livro do escritor Ron Perlim

Dia 30 de abril de 2019, o escritor Ron Perlim esteve na escola Santa Terezinha que, mais uma vez, adotou um de seus livros. O livro adotado foi Porto Real do Colégio: História e Geografia. Neste dia o autor deu uma palestra com os alunos daquela instituição mostrando-lhes a importância dos livros e das novas tecnologias para a vida. Em seguida, bateu papo com eles sobre diversos assuntos relacionados ao livro adotado e outros de sua autoria, como Laura, A menina das queimadas e O povo das águas. Muitas perguntas inteligentes foram feitas. Respondidas todas as indagações, o evento foi encerrado com uma sessão de autógrafo.
Livros do autor

Palestra sobre a importância da leitura e dos livros.




Arthur indaga o autor.
Corpo docente

Encerramento

Encerramento


Leia Mais ►