Mostrando postagens com marcador Indigitar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Indigitar. Mostrar todas as postagens

2 de jan. de 2014

O Cavaleiro de fogo

Conheci José Inácio Vieira de Melo na IV Flimar. Trocamos algumas palavras e, devido a correria, não foi possível intensificarmos os diálogos. Para saber mais sobre o autor, os eventos que tem participado e seus últimos lançamentos, acesse este blog: Cavaleiro de fogoContato: jivmpoeta@gmail.com.

Compartilho, também, estes vídeos: 

  • Entrevista


 


  • Poesia



Leia Mais ►

17 de nov. de 2013

Adail e A menina das queimadas

Ronaldo Pereira de Lima lançou seu “romance” (ou contos reunidos?) na II Bienal do Livro, em Itabaiana-Se. Não se trata de indecisão deste leitor, quanto ao gênero lido, mas de observação contida na última capa, que é interessante reproduzir: “O livro A Menina das Queimadas, a princípio, nos parece um livro de contos mas na verdade as histórias nele contidas se entrelaçam de tal forma que se torna um livro coeso (...)”

Na primeira orelha temos, com uma foto e um texto, revelada a fonte de inspiração do autor... Trata-se de uma obra curta, contida entre as páginas 9 e 46. A presença de um glossário, entre as páginas 47 e 51, remete a peculiaridades linguísticas. Sem este auxílio, saberia o leitor o que é “Brincar de Natal”, “Cartilha do povo”, “Chocho”, “Caieira”, “Esborrotar”, “Galinha de melão”, “Labafero”, “Lagoa Salomé”, “Macacão”, “Pedra negra”, “Prendar”, “Queimada”, “Quebranto”, “Sabão Branco”, “Sabão da terra”, “Simbazol”, “Trancoso”, “Tabuleiro”, “Uma quarta”? A bela capa, de Beatriz Lima, praticamente “entrega”, mas confesso que só decifrei o título após consulta ao glossário. São treze contos (ou capítulos?). Todas as histórias são interessantes e bem escritas, o livro é gostoso de ler; em uma hora você, satisfeito, conclui a leitura! De minha parte, a história de que mais gostei foi “Leilão de prendas”.

Sobre o autor:   
Adail Vilela de Almeida já teve textos, crônicas e artigos premiados pela Universidade Federal de Sergipe e pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – Regional Sergipe. Tem dois livros de poesia - ‘Poemas de Martelo’, de 1993, e ‘Poemas de Pinho Apolo’, de 2011 - e um de prosa, ‘O Grito das Pedras’, também de 2011 e Poemas no Coreto, seu título recente.


Leia Mais ►

16 de nov. de 2013

Cultura Interativa


O site Cultura Interativa é mantido pelas jornalistas Manuela Pena Cal, Samara Fagundes e por Messias Libério.

Para eles, “O projeto do site visa a utilização de uma nova tendência no jornalismo, que é a possibilidade de colaboração dos usuários. Essa participação se dará através do envio de textos, fotos, vídeos ligados à área de jornalismo cultural, evidenciando uma preocupação em estabelecer um debate acerca das expressões culturais, servindo não só como meio de divulgação da cultura, mas também como forma de reflexão, tentando entender o passado, analisar o presente e descobrir as tendências do futuro”.

Nele, você pode ser um colaborador, navegar na página espaço cultural e seções. Nesta, há uma variedade de opções, indo do artesanato até a galeria. Vale a pena conhecer esse espaço. Eu, por exemplo, já tenho duas colaborações. São elas:
Esta é a dica para os que apreciam a diversidade cultura. Visite o site. Externe sua opinião.
Para entrar em contato, assista este vídeo:


Leia Mais ►

8 de nov. de 2013

Maior biblioteca da América Latina

O Brasil possui uma das maiores bibliotecas do mundo e a maior da América Latina. Nela, há um acervo de 9 milhões de exemplares. Localiza-se no Rio de Janeiro - RJ. Para saber mais sobre ela, selecionei este vídeo:




Leia Mais ►

5 de out. de 2013

Entrevistado pelo Divulga Autor




O blog Divulgar Autor, mantido pelas escritoras Jéssica Morgan (Medo da Verdade) e Roberta Kelly (A chave) mantêm a seção Um café e um livro. Concedi uma entrevista para elas. Visite o blog, confira a entrevista e deixe seu comentário.

Nela, discorro sobre a importância da leitura na formação do escritor, o conceito de inspiração,  as dificuldade sobre a distribuição e divulgação. Encerro a entrevista falando sobre o livro A menina das queimadas, os objetivos alcançados e o que desejo para aqueles que lerem o livro.


Sábado, 5 de outubro de 2013.
Ronaldo Pereira de Lima
Nosso Café recebe hoje o escritor Ronaldo Pereira de Lima, autor do livro 'A Menina das Queimadas'.
Seja bem vindo Ronaldo!
J.M.: O que o despertou para leitura o motivando a escrever?
R.P.L.: O meu envolvimento com a leitura tem um fato curioso. Tudo aconteceu quando eu quebrei o braço. Sem as malinações diárias, lia o Novo Testamento todos os dias. Foi dessa forma que o hábito de leitura se incorporou em mim. Desse dia em diante outros autores foram sendo acrescidos em minha vida, de diferentes estilos e assuntos diversos. Com o acúmulo de leituras, passei a perceber o mundo e essa percepção me fazia e faz externar emoções e ideias. Esse é um dos motivos. Outro que julgo importante: não só para mim, mas para as pessoas é torná-las leitoras. Para quê? Para que ampliem a sua compreensão sobre todos os aspectos em que as suas vidas estão envolvidas.
R.K.: Antes de começar a escrever, você já tem um esqueleto de como você quer que a história seja?
R.P.L.: Eu uso duas linhas de inspiração para escrever: a primeira é a intuição, isto é, o enredo me vem à cabeça e eu passo horas escrevendo. Só paro por uma interferência externa ou impedimento físico. A segunda é usando a percepção, seja num diálogo, seja na leitura. Nesta, eu faço anotações, monto o esqueleto e dou início ao livro. Feito tudo isso, vem a parte mais trabalhosa que são as alterações que só o autor pode fazer.
R.K.: O que foi mais difícil quando publicou o primeiro livro e o que foi mais difícil no último?
R.P.L.: As dificuldades que encontrei para a publicação do meu primeiro livro foi o desconhecimento. Na época, eu era jovem na idade e no mundo dos livros. Então, não tinha ideia, nem noção da abrangência na confecção de um livro, desde a diagramação até a Lei de Direito Autoral. Não encontrei dificuldade na publicação do meu último livro, mas na distribuição e na divulgação. Sem esses elementos, o livro fica desconhecido do público. Desconhecido, ele não é lido. Graças à blogs como o seu; pouco a pouco o autor e a sua obra passam a serem conhecidos.   
R.K.: Você atingiu seus objetivos com A Menina das Queimadas?
R.P.L.: Sim, pois, todas as pessoas que adquiriram o exemplar até o momento têm dado opiniões positivas sobre o livro. Outro dia encontrei uma professora que disse: “Olhe, meus alunos estão lendo o seu livro e gostaram bastante. Tem até fila de espera”. Quando ouvi isso, fiquei bastante alegre, pois, percebi que o meu livro despertou o interesse da garotada. Ouvi de outro leitor o seguinte: “Parabéns pelo livro. Eu tava pra baixo e ele me motivou bastante. A história de superação da protagonista é um exemplo de superação”. Fazer as pessoas refletirem e se entreterem ao mesmo tempo são o meu maior objetivo quando escrevo, buscando a melhor linguagem para o leitor.
J.M.: Como você deseja que as pessoas sejam tocadas por esta história? Qual mensagem deseja transmitir?
R.P.L.: Desejo que os leitores se emocionem, comparem os valores socioculturais do passado com os dos dias atuais, reflitam, tirem algum proveito da leitura do livro para si, pois, a mensagem dele é esta: que a gente deve apoiar os sonhos e objetivos das pessoas. Que elas sejam motivadas e estimuladas para superarem as dificuldades da vida.
J.M. e R.K.: Ronaldo Pereira de Lima é escritor, pesquisador, e tornou-se em 2007 colunista do jornal on-line Tribuna da Praia. Em 2009 lançou o livro de prosa poética Agonia Urbana na IX Bienal Internacional do Livro da Bahia pela Litteris Ed.: Quártica; Em 2010 foi contemplado com o prêmio Alina Paim de Literatura Infantojuvenil com o título Laura, publicado em 2011 pela Editora Oficial do Estado de Sergipe e em 2012 é publicado o livro A menina das queimadas, seu título recente pela Editora Scortecci. 
Ronaldo, agradecemos sua participação aqui no Blog Divulga Autor!

Links de venda do livro: http://www.livrariaasabeca.com.br/
Leia Mais ►

1 de out. de 2013

Por que conhecer mitos brasileiros

Agora você está entrando no mundo dos mitos. Mas o que são mitos?

São figuras criadas pela imaginação de um povo, que não existem na realidade.

Os mitos são encantados, eles têm poderes mágicos que as pessoas comuns não têm. Com sua magia, podem fazer o bem, fazer o mal ou simplesmente assustar as pessoas para se divertir à custa delas. A maioria dos mitos usa seus poderes para castigar o que é considerado do mal e recompensar o que é considerado do bem.

Um mito pode assumir forma de gente, animal, objeto e até planta, montanha ou rio. Alguns podem mudar de forma dependendo da ocasião, outros podem ter forma mista, por exemplo metade gente, metade animal.

As histórias que são contadas a respeito dessas figuras chamam-se lendas. O conjunto dos mitos e das lendas de um povo chama-se mitologia.

Em sua mitologia, os povos falam de seus sentimentos e de seus costumes. Falam do que acham certo ou errado, do que deve ser castigado ou recompensado. Histórias mágicas de vingança, castigo ou recompensa se misturam a acontecimentos reais, como por exemplo grandes secas, guerras ou enchentes.

A mitologia brasileira é formada principalmente por elementos indígenas, africanos e portugueses. Saci, lobisomem, caipora, curupira, mula-sem-cabeça são mitos brasileiros. Sua aparência e as lendas sobre eles variam de uma região para outra e de uma época para outra, pois vão se modificando à medida que são contadas de boca em boca.

Noa mitos brasileiros estão nossas tradições, nossa história, os sentimentos que fazem parte da nossa formação. Conhecendo nossos mitos, você poderá contá-los para seus amigos e, mais tarde, para seus filhos. Conhecer e transmitir nossos mitos para os outros é o único jeito de não deixar que eles morram.

STAHEL, Mônica. Um saci em meu quintal: mitos brasileiros. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
Leia Mais ►

9 de jul. de 2013

O blog Entre Páginas de Livro resenha o livro A menina das queimadas

Hoje eu não irei fazer uma resenha do livro que li, e sim uma análise expondo a minha opinião e explicando a história. Isso porque a obra é pequena e com uma narrativa bem simples, de modo que se eu aprofundar acabo falando tudo e soltando spoilers. Então vamos com calma para você conhecer um pouco o que há por trás das páginas do livro A Menina das Queimadas do autor Ronaldo Pereira de Lima.
A Menina das Queimadas é uma criança que vivencia as dificuldades enfrentadas pela população brasileira entre as décadas de 30 e 40. Tudo é narrado através da protagonista, Zélia de Oliveira Rocha, e os fatos são verídicos. Em apenas 52 páginas, conhecemos muito sobre a infância e adolescência da Zélia.
Logo nas primeiras páginas, somos apresentados a dificuldade da protagonista em estudar. Naquela época, os alunos eram mais aplicados e respeitavam muito a professora que em muitas vezes os colocavam de castigo. Zélia teve que conciliar os estudos em cuidar dos irmãos e ajudar no sustento da família. Por isso, muitas vezes ela vendia doces, chamados queimadas e faltava as aulas para cuidar dos irmãos, que eram muitos.
Nas décadas de 30 e 40 não havia uma boa energia elétrica, muito menos uma medicina avançada no Brasil, a saúde era precária e por conta disso muitas pessoas morriam por falta de médicos. O namoro era algo mais sério, um beijo no rosto já é capaz para que uma menina ganhe má fama. As famílias eram mais numerosas e todos trabalhavam desde cedo para ter o seu sustento. Tinham também as rezadeiras e os costumes populares. Tudo isso e outras questões são abordadas e vivenciadas pela menina das queimadas.
A narrativa lembra muito livros de contos e muitas vezes fiquei imaginando a minha vó narrando todas aquelas histórias. A linguagem é muito simples e até mesmo informal, mesmo porque a educação naquela época era precária e o autor transmite muito bem isso, assim como os costumes e valores. Se formos parar para refletir: muitas coisas mudaram, para o bem e para o mal.

A diagramação do livro é simples, porém completa; contendo sumário, páginas amarelas, nome do livro e do autor no canto das páginas juntamente com a numeração. A revisão ficou boa, o único problema é o espaçamento entre algumas palavras. Além disso, encontramos no final do livro um glossário para auxiliar a leitura.
Gostei muito do livro, devorei ele em poucos minutos e reli duas vezes fazendo diversas anotações que eu achei interessante. A maneira que o autor escreve é viciante e instigante, um verdadeiro diferencial para histórias do gênero. Também aprendi algumas informações que acabam perdidas na história, sendo resgatadas por pessoas que já vivenciaram essa experiência. Vale a pena conhecer a história de Zélia, que batalhou por seus ideais mesmo diante das dificuldades. Fica a dica, dê uma chance a um livro diferente que vai acrescentar pelo menos um pouco em seus conhecimentos.

FORTUNADO, Caíque. A Menina das queimadas. http://www.entrepaginasdelivros.com/2013/06/resenha-menina-das-queimadas.html. Acesso em 30/06/2013.
Leia Mais ►

26 de out. de 2012

O Eleitoral


O Eleitoral é um blog de crônicas políticas, onde o autor publica todos os meses. As crônicas nele publicadas diferem das demais porque não se prende a comentar vários assuntos abordados pela grande mídia, nem o estardalhaço que essa costuma fazer quando surge algum escândalo de corrupção.

Esse blog tem como finalidade demonstrar os vários aspectos do comércio eleitoral das cidadezinhas, as suas manifestações políticas e a maneira como os políticos são vistos pelos eleitores.

Essas crônicas também foram publicadas no jornal online Tribuna da Praia, onde fui colunista por mais de sete anos. Foi a partir desse sítio e desse blogue que se originou o livro Viu o home? 

  A publicação destas crônicas será atualizada mensalmente. Espero que vocês participem com comentários e sugestões.
Abaixo, segue uma lista delas:
  1. Os prefeitos, a folha paralela e os cognatas;
  2. Creditados;
  3. Possuídos pela barganha;
  4. Reeducação política;
  5. Os homens de bem e a política;
  6. Senado do povo, como povo;
  7. O vendedor de cocadas;
  8. Base mal aliada;
  9. Arruda, as cueacas e as meias;
  10. Voto não é mercadoria;
  11. Não seja parceiro da corrupção;
  12. Andando de lancha;
  13. A espera de um candidato;
  14. Receitas A4;
  15. Fundo de quintal;
  16. Mazela eleitoral;
  17. Tucanada raivosa;
  18. Malditas picuinhas;
  19. Ladinos;
  20. No Alto do Cariri;
  21. O vilão;
  22. Utopia e covardia;
  23. Lamentações sem Jeremias;
  24. Cãomício;
  25. Deseducação Política
  26. O menos pior ou quem dar mais
  27. Dualismo;
  28. Dualismo entre as vassouras;
  29. Irmã da covardia;
  30. As redes sociais e o fazer político;
  31. Harmônicos entre si;
  32. A presença.;
  33. A merenda que não estar nas escolas;
  34. Isso é um sonho;
  35. A Lei da Ficha Limpa, os laranjas e os cognatas;
  36. Este ano é mais um ano eleitoral;
  37. Papagaios midiáticos;
  38. O poder que elege;
  39. Decadentes;
  40. Para professor? Não tem dinheiro;
  41. É em casa que se aprende a barganhar;
  42. A historinha é essa; 
  43. Professores e educadores; 
  44. Língua Solta;
  45. Maria não vai com as outras; 
  46. Sabujos Rabujos; 
  47. Ele se acha; 
  48. Existem dois tipos de corrupção; 
  49. Molhando a mão; 
  50. Laço do passarinheiro; 
  51. Mil blocos logo no início;  
Leia Mais ►

1 de ago. de 2012

Identidade Alagoana


O site Identidade Alagoana publicou a crônica O poder que ele de minha autoria. Ele surgiu em janeiro de 2007 e tem como objetivo divulgar bens culturais do Estado de Alagoas na literatura, celebrações, lugares, músicas e outros. Para os seus idealizadores o que importa é a comunicação social.

O site é composto de quatro integrantes: Diego Marcel, estudante de Engenharia Ambiental pela Unifal (Faculdade Figueiredo Costa). É o coordenador artística do site.; Idson Pita é formado em Turismo pelo CEFET/AL ( atual IFAL). É o coordenado Comercial; João Paulo Torres, estudante de Webdesigner, pela Faculdade de Alagoas - FAL Estácio é responsável pelo layout e Nereu Ventura, servidor público da Eletrobrás, cursou Administração de Empresas por três anos na Ufal.

A missão da Identidade Alagoana é esta: “Apoiar e promover ações que facilitem o acesso ao conhecimento da cultura alagoana como um todo”.
Acesse este espaço interessante e conheça Alagoas de outra maneira.
Leia Mais ►

6 de jun. de 2012

Concursos Literários


Rodrigo Domit é natural de Curitiba e radicado no Rio de Janeiro. Escreve contos e poesias desde 2003. É autor dos livros de contos Vem cá que eu te conto (2010) e Colcha de Retalhos (2011). Já foi selecionado em vários concursos literários, dentre eles: Luiz Vilela (Contos - 2007), Helena Kolody (Poesias - 2008 e 2009), Prêmio SESC (Livro de Contos - 2008), Poemas no Ônibus (Poesia - 2010 e 2011), Prêmio ler&Cia (Contos - 2011); Prêmio Utopia (Livro de Contos - 2010), Prêmio Cidadão (Poesia - 2011) e do Concurso Machado de Assis (Contos - 2011). Rodrigo Domit é um dos administradores do blog Concursos Literários cujo objetivo é ampliar e democratizar o acesso aos editais e resultados de concursos literários.

Leia Mais ►

4 de jun. de 2012

Simone Moura Mendes


Nascida em Maceió/AL, Analista Judiciário do TRT da 19ª Região, com formação superior em Administração de Empresas e Direito; Especializada em Direito Material e Processual do Trabalho pela ESAMC. Autora de dois livros de poesias: Incógnita, 1997, e Eu mesma... nua, 2011; uma das organizadoras da antologia poética do TRT19 "Justiça à Poesia", da qual também, participa; contribuiu com várias antologias poéticas; participa, com a crônica "Imagem e ação nos EUA", da coletânea "Cronistas Internautas", lançada na Fliporto 2011, pelas Edições Bagaço. Membro honorário da Real Academia de Porto Alegre. Laureada com a Comenda "Dama Grã-Cruz"... Esposa e Mãe, feliz!

Desrição do blog Uma vida em Poesia, de Simone Moura e Mendes

A poesia me encontrou. Encontrei-me na poesia! Concedo-lha portentosas asas para alçar longínquos voos e disseminar sonhos nos corações cúmplices e sensíveis. Que ela logre fabulosos rasantes em vastos mundos prenhes de luz e encontre, por fim, felizes e aconchegantes moradas em almas renovadas.
Leia Mais ►

2 de jun. de 2012

Casa de Autores

Alexandre Lobão, nascido no Rio de Janeiro, é um dos escritores do Instituto Casa de Autores (www.CasaDeAutores.org), ONG criada para estimular a leitura no Brasil. Com uma produção eclética, publicou um romance (“O Nome da Águia” – http://www.ONomeDaAguia.com ), um livro de contos (“A Caixa de Pandora e outras histórias”), um infanto-juvenil (“Uhuru”) e um livro infantil (“A Verdadeira História de Papai Noel”), além de participar em diversas coletâneas. Seus contos foram premiados no concurso "Monteiro Lobato", em 2004, no concurso “Machado de Assis”, de 2006, e no concurso “FC do B”, de contos de Ficção Científica, nas edições de 2007, 2009 e 2011.

Programador de jogos de computador, o autor escreveu também diversos livros técnicos sobre o assunto - cinco livros para o mercado americano e um para o mercado brasileiro.

Além de literatura, Alexandre transita em outras mídias, tendo produzido diversos roteiros para quadrinhos, desenhados por artistas de diversas partes do país, e roteiros para cinema e animação. Seu roteiro mais recente, “X”, ficou em primeiro lugar na V Mostra Competitiva de Vídeos do Interior São Paulo.

Seus trabalhos, incluindo informações para imprensa e sobre livros em produção, podem ser conferidos em http://www.AlexandreLobao.com , e em seu blog com dicas para escritores, em http://dicasdoalexandrelobao.blogspot.com .
As dicas do autor podem também ser seguidas no twitter, em http://Twitter.com/AlexandreLobao.
Leia Mais ►

Cleberton Santos

Cleberton Santos nasceu em Propriá – SE, em 14/05/1979, onde ganhou seu primeiro prêmio literário no Concurso de Poesia Falada e depois disso não parou mais. Sua carreira literária decolou, e já recebeu vários prêmios entre eles, o Prêmio Escritor Universitário Alceu Amoroso Lima, daAcademia Brasileira de Letras (Rio de Janeiro, 2002). Publicou os livros de poesiaÓpera Urbana (MAC, 2000) e Lucidez Silenciosa (2005, Prêmio Banco Capital de Literatura / Salvador). Recebeu o Prêmio Waly Salomão de Poesia, da Academia de Letras de Jequié (Bahia, 2006). Publicou nas revistas iararana (BA), Poesia Sempre (RJ) entre outras.


Edita o blog Palavras de Cleberton Santos:http://clebertonsantos.blogspot.com/
Leia Mais ►