Por Ron Perlim

Dê a seu filho ou filha um livro como se dá um bombom, um brinquedo, a camisa do time preferido, o abraço, o afago. Permita a ele ou a ela o mundo das palavras e do conhecimento.


Eram duas senhoras. Uma aparentava sessenta; a outro, oitenta e cinco. Elas estavam a caminho do sanitário. Uma tinha pressa, a outra caminhava devagar. Pelos trajes, eram de posses.

Ao se aproximarem do sanitário, a de sessenta olhou para a outra raivosa e lhe disse: “Vou jogar você no lixo, certo!”, adiantando os passos. Nesse instante, uma bela jovem passava. Ao ouvir aquilo, voltou-se para a de sessenta e retrucou, sorridente: “Mulher, não faça isso não!”. A de sessenta respondeu: “Quer ela pra você?”.

A jovem, sem pestanejar, replicou-lhe: “Quero!”.

Pega de surpresa, a de sessenta observava raivosa para a jovem.

2 Comentários

  1. A gente esquece que não é somente a idade que nos envelhece, mas sobretudo, nossa postura...

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    www.devaneiosfugazes.blogspot.com.br
    www.delivroemlivro.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, obrigado por passar por aqui e deixar seu comentário, demonstrando que a má conduta é espécie de velhice.

      Excluir

Postar um comentário