4 de ago de 2010

Possuídos pela barganha

É com pesar e intensa melancolia que noto as pessoas possuídas pelo convencimento passivo diante das várias situações políticas. O período eleitoral é uma oportunidade para a barganha e elas não se envergonham em dizê-la. 

Tão convencidas estão que não pensam nas maldades que praticam quando de suas casas saem para votar em políticos com vidas pregressas maculadas. Esquecem-se que as leis são criadas por políticos que compraram mandatos. Há os tolos que acham que, se não comer naquela ocasião, não irá mais receber um suposto benefício. Esquecem-se que a individualização do voto priva os benefícios coletivos, tais como: segurança, educação, saúde, transporte público, dentre outros; tão explícitos no sensacionalismo da mídia que reflete a má escolha dos empregados eletivos.
 
Essas escolhas ruins fazem pais e mães perderem filhos para as malditas balas achadas, para o tráfico de drogas, para os homicidas, os maníacos, os leitos dos hospitais e das unidades de saúde sucateados. Isso ocorre graças à omissão de um Estado incompetente, irresponsável que negocia o voto, ao invés de reeducá-lo.
 
Há quem ache que o povo simples é o único culpado. Só uma olhadela no sistema faz algumas pessoas pensarem assim. Sei de uma coisa curta e certa: se juízes, promotores, procuradores, comerciantes, servidores praticam a barganha; o quê, então, dizer de um povo que depende de um dia de trabalho? Não há nada o que dizer.
 
Tem muita gente se regozijando com a Ficha-limpa. De fato, um passo importante na história eleitoral, mas essa lei só servirá para os tribunais. O problema no processo eleitoral deste país estar nas pequenas células. De nada vai adiantar leis, leis se a maioria do povo é analfabeta política. O que se espera, então, dessa maioria? Escolhas ruins, políticos ruins, ações ruins. 
 
Por isso, estarei enclausurado estes dias nas minhas reflexões, procurando compreender o que nelas ocorrem e compreender as que vêm de fora, nas bocas, nos rostos, nas asas tortas.

Um comentário :

  1. Toda questão não é a barganha; a questão não é de pão é de manteiga; e o povo acaba se lambuzando também

    ResponderExcluir