Mostrando postagens com marcador Poesia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Poesia. Mostrar todas as postagens

31 de mar de 2017

Descortinado Luar

Jane Guimarães



Exuberante luar de mistérios,
encanto prateado, rainha da noite.
Senhora dos sonhos descortinados
germina poesia.


Lua desnuda reflete a beleza,
fulgurante brilho celestial incandescente.
Ressoam eternos murmúrios dos amantes.


Vale teu sono a noite inteira
e retorno de um amanhecer.
Leia Mais ►

14 de jan de 2011

Biana

Uma boca tão linda

Mas cancerígena

Uma pele tão suave

Mas cheia de fumaça

Às mãos tão macias

Mas cheias de nicotina

A roupa que era tão

Mas tão cheia de fumaça

A vida cheirando a câncer
A fumaça.
Leia Mais ►

3 de jan de 2010

Sobre a vida

É asfixiada na massa, fixa n`alma.
É o vento das antíteses.
É a tese do nada.
Bendita vida que passa.
Leia Mais ►

8 de ago de 2008

A menina que passa


Lá vai a menina que passa
E os meus olhos que pregam uma peça em frente da praça
Lá vai todo o encanto
Que é livre quando canto ao meu amor
E todos olham na praça
Que eu, passo a passo, vou com pressa.
Lá vão os meus pensamentos
Todo mágico, todo humano
Que foge e se abafa de tanto lamento

Lá vai o meu sorriso com o vento
Com cara de bento
E uma angústia por dentro
Lá vai, lá vai e as minhas lágrimas
Não vão, e você menina, lá vai.

Lá vou eu,
Com a menina que passa,
As mãos que passam e os pensamentos que montam uma peça
No meio da praça.
Não me peça menina que passa, a minha face
E todos te olham e me olham.
Mas entendam: ela é a menina que passa com muita pressa pela praça


(LIMA, Ronaldo Pereira de et all. O lugar da poesia e da prosa: Antologia, pp. 22-23. Rio de Janeiro: Taba Cultural, 2008).
Leia Mais ►

22 de jul de 2008

Meninos de algodão

Pense nos meninos rotos
Que sonham com bolas douradas
Pensem nos raimundos
Que sonham com algodão doce
Pensem, pensem


Olhem quanto doce branco há no céu
Olhem para os meninos
Que não tem céu

Pensem na bola que rola
Nas bolas douradas de sorvete
Que bóiam no céu

Olhem para o raio do mundo
Meninos no corpo, mas pés no chão

(LIMA, Ronaldo Pereira de Lima. Agonia Urbana. Rio de Janeiro, CBJE, 2008)
Leia Mais ►