26 de abr de 2018

Tem que ter uma ruptura


Ele estava em minha frente, sentado, e com um livro a sua esquerda. Como a mente não aprecia a solidão, foi logo conversando uma coisa ali, outra acolá. Nisso, tocou em política. Política é um assunto que ultimamente muita gente não tá sabendo conversar, outras estão enojadas e mais outras preferem não opinar.

Iniciou a sua fala pregando a ruptura, ou seja, regime militar. Para ele seria o ideal para a ocasião; mas sem convicção formada. Era mais um dizendo as coisas pela força da revolta. Quando ele repousou a língua, eu tomei a palavra e lhe disse: Não acho que a ruptura seja uma boa ideia. Ele me interrompeu. A sua língua repousou novamente. Ai eu continuei: Quero dizer a você porque discordo, não relatando fatos históricos; mas o que vivi quando criança. Quando eu e os amigos brincávamos na rua, tinha um delegado que, quando apontava na esquina, a gente já sabia: tinha que pegar a bola e correr. Sabe por quê? Porque era costume dele cortar ao meio as nossas bolas com uma faca.

Não tendo o que dizer, mudou de assunto. Disse que esteve na Caixa outro dia e viu os servidores de barbicha, cabeleira e tatuado. Para ele, aquelas pessoas não deveriam estar ali. Elas não estavam de acordo, apresentável. A minha resposta foi esta: Estamos em outro tempo. As coisas e as pessoas mudaram. Ele insistia que aqueles servidores não estavam apresentáveis, que deveria acontecer uma ruptura.

Em seguida, fez duras críticas aos alunos da rede pública e os qualificou como maconheiros, que não tavam nem aí para os estudos e que fazia medo até aos professores. Para ele, era necessária a presença da polícia nas escolas para coibir o mal que está se alastrando pelo país.

Reclamou que a família estava desestruturada e que não era obrigação da escola educar. A escola era um mero passador de conteúdo. Apegou-se a isso, desconsiderando a formação social do nosso país de abandono e exclusão.. Exaltou a educação no tempo do regime, mas eu não dei importância para isso. Eu sabia que o regime não foi grande coisa na educação.

De face atordoada, ele se foi. Quase era atropelado por uma bicicleta. Disse impropérios ao ciclista e finalmente sumiu da minha vista, ao virar na esquina.

Falou muito. Ouviu pouco. Pensa menos.



Nenhum comentário :

Postar um comentário