9 de jan de 2015

Pra você

 
 
Eu poderia dizer todas as coisas do mundo, vasculhar os dicionários e neles selecionar todos os vocábulos para expressar os meus sentimentos.
Eu poderia materializar a minha alma, o que ela viu vê e pensa a seu respeito.
Ah, quantas coisas eu não poderia te dizer!
Falando ou calado, beijando ou sorrindo, caminhando ou parado.
Se eu pudesse pegaria um raio do sol todas as manhãs e te daria de presente para ele brilhar na sua presença e expandir a sua beleza. Gosto de você e não me escondo. Vejo-a com bons olhos e a respeito. Sua simplicidade toca o meu peito como címbalo.
Não me calo para você, não me revolto e nem a desprezo porque não a tenho...
Ontem a lua estava folclórica e sob os seus raios estava a minha compreensão (uma fase do amor).
Não sei o que pensará a esse respeito. Se a flecha grega trespassou o coração para outra face, é uma pena! É um lamento nos ossos.
Quando alguém me pergunta se eu ando apaixonado, eu rio no canto da boca, proíbo a minha alma com psiu e me calo para o amor. Faço isso porque não sei como anda a minha esperança, pois, ela depende de você.
Por tudo isso não me negue o riso, o diálogo, a mão macia.
Não me prive de olhar de perto o teu rosto branco, belo nas veias da bomba.

Nenhum comentário :

Postar um comentário