2 de mar de 2014

Quando se morre antes de nascer

O escritor nasce antes da leitura, mas sem ela; ele não se torna escritor. A leitura é essencial, nem que seja a do mundo.  

Aos que sentem necessidade de externar sentimentos utilizando a escrita como veículo, deve está atento a si, ao mover das coisas do mundo e serem capazes de perceber quais sentimentos, quais coisas devem ser materializadas através da palavra.
 
Muitos chamam isso de inspiração. Outros acham que é um dom ou o “santo” que baixou. Não costumo atribuir à escrita, literária ou não, nenhum atributo espiritual e privilegiado de alguns. A minha experiência diz que a inspiração é a releitura de leituras anteriores e muito trabalho. 
 
A primeira formação do escritor parte de dentro para fora, onde os conhecimentos técnicos para a produção de textos nada adiantará a escrita se o escritor não aguçar a sua sensibilidade. Primeiro aguçasse a sensibilidade, depois, aplica-se as técnicas para que o texto chegue pronto até o leitor.
A técnica é útil, importante; mas deve se ajoelhar ante a sensibilidade para que a escrita ande. O leitor deve perceber vida, emoção nos parágrafos, no andar da história. Se o texto lido for maçante, ele não lerá um capítulo.
 
Cabe ao escritor dar ao leitor o que ele necessita: reflexão e entretenimento. Sem esses elementos, nenhuma escrita pode ser considerada literária. Por mais capacidade sensível que tenha o aspirante a escritor, necessitará ele dos conhecimentos que dominam a língua. Sem esses conhecimentos, ele não comunicará. Simplesmente morre antes de nascer.





Nenhum comentário :

Postar um comentário