23 de dez de 2010

Urbano coração

Agonia nos cantos da casa, nas esquinas das ruas, nos ângulos do mundo.

O mundo anda, corre, embriaga-se, cambalea no espaço sem rumo; 
humilhando corações humanos que não são mecânicos.

E os homens, meninos, saem pelados pelas ruas;
correm, cansam-se, morrem e explodem de pressão.

Por isso, chora, chora
Meu irmão no urbano coração.

Cadernos, 1996.

Nenhum comentário :

Postar um comentário