17 de dez de 2009

Céu de caibros


Estamos sujeitos as ideias.

(Não é o da gramática)

Olho no teto e vejo telhas (Meu céu),

Caibros, ripas, linhas, fios

E um vaga-lume que depende de mim para brilhar.

Olho o céu.

Ideias diferentes, do além.

Então, começo a descobrir o mundo que está tão perto de mim.

O mundo suspenso, abafado e úmido.

Então vamos dormir

— Que calor!

Amanhã é outro dia!

Nenhum comentário :

Postar um comentário