8 de ago de 2008

A menina que passa


Lá vai a menina que passa
E os meus olhos que pregam uma peça em frente da praça
Lá vai todo o encanto
Que é livre quando canto ao meu amor
E todos olham na praça
Que eu, passo a passo, vou com pressa.
Lá vão os meus pensamentos
Todo mágico, todo humano
Que foge e se abafa de tanto lamento

Lá vai o meu sorriso com o vento
Com cara de bento
E uma angústia por dentro
Lá vai, lá vai e as minhas lágrimas
Não vão, e você menina, lá vai.

Lá vou eu,
Com a menina que passa,
As mãos que passam e os pensamentos que montam uma peça
No meio da praça.
Não me peça menina que passa, a minha face
E todos te olham e me olham.
Mas entendam: ela é a menina que passa com muita pressa pela praça


(LIMA, Ronaldo Pereira de et all. O lugar da poesia e da prosa: Antologia, pp. 22-23. Rio de Janeiro: Taba Cultural, 2008).

5 comentários :

  1. Nossa, quem será a menina que passa pela praça???!!!!

    ResponderExcluir
  2. E aí a menina foi pra praça????qual foi a praça???

    ResponderExcluir
  3. "A menina que passa" não é nenhuma específica. Trata-se apenas de um fazer poético, de um simples gesto ou da miscigenação do nosso povo.

    "A menina que passa" anda pelas praças, vão as praças; encantando e desencantando muita gente.

    Valeu pelo comentário.

    ResponderExcluir
  4. muito bom o ritmo, numa cadência gostosa que lembre Cecília Meireles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Aroeira, pelo comentário. Fico feliz que o ritmo das palavras no texto o fez lembrar de Cecília; este grande nome literário.

      Excluir